Um estudo sobre as práticas educativas de mediação de conflitos na orientação educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e71217

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever, analisar e explicar as práticas educativas de mediação de conflitos das orientadoras educacionais. A discussão se justifica pelos limites da produção teórica sobre o tema e pelas contribuições às práticas de mediação em que estão envolvidos profissionais da educação, alunos e familiares de alunos. O estudo apoiou-se no materialismo histórico e dialético, em elementos conceituais e históricos sobre os conceitos de mediação e de conflito e, por fim, em contribuições de autores do campo da orientação educacional. Metodologicamente, utilizou-se de entrevistas semiestruturadas realizadas com quatro orientadoras educacionais que, no momento da pesquisa, trabalhavam em escolas públicas. Os resultados são apresentados em quatro categorias de análise: a) formação e experiência, onde é discutida a ausência de práticas educativas específicas sobre a atuação profissional das orientadoras, além do exíguo material teórico disponível; b) organização e divisão do trabalho, onde fica clara a reprodução da divisão do trabalho capitalista na prática dessas educadoras; c) práticas educativas de mediação de conflitos, onde se descreve a complexa trama de atividades realizadas por essas trabalhadoras e d) identidade profissional, tópico onde são abordados os dilemas advindos dos muitos papéis que elas desempenham.

Biografia do Autor

Adriana Janice Lenz, Escola Municipal de Ensino Fundamental Prof. José Ferrugem.

Graduada em Pedagogia, Habilitação Orientação Educacional e mestre em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Pós-Graduada em Psicopedagogia Institucional e em Transtornos do Desenvolvimento na Infância e na Adolescência. Integrante do grupo de pesquisa Educação, Trabalho e Emancipação (UNISC). Atualmente é Orientadora Educacional da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor José Ferrugem. Atua nos seguintes temas: Orientação Educacional, Educação Sexual, Resolução de Conflitos e Violência Escolar, Planejamento e Projeto Político-Pedagógico.

Moacir Fernando Viegas, PPGEDU Universidade de Santa Cruz do Sul - Unisc

Graduado em Pedagogia - Séries Iniciais, mestre e doutor em Educação pela pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós-doutor em Psicologia do Trabalho pela Universidad Autónoma de Barcelona. Professor Adjunto da Universidade de Santa Cruz do Sul, atuando na graduação e na pós-graduação stricto sensu, fazendo parte, nessa última, da linha de pesquisa Educação, Trabalho e Emancipação, do mestrado e doutorado em Educação. Os projetos de pesquisa em curso centram-se nos temas trabalho docente, educação e trabalho, educação e saúde, trabalho emocional e gênero. Atualmente exerce a coordenação adjunta do PPGEdu.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Conflito. In: Dicionário de política. 4. ed. Brasília: EDUnB, 1992, p. 225-230.

BURGUET, Marta. Diante do conflito... uma aposta na educação. In: VINYAMATA, Eduard (Org.). Aprender a partir do conflito: conflitologia e educação. São Paulo: Artmed, 2005, p. 41-49.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

DURKHEIM, Émile. Método para determinar essa função. In: Da divisão do trabalho social. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 32-37.

FERNANDES, António Teixeira. Análise Social. Vol. XXVIII, 1993, p. 787-828. Disponível em: <http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223292608S8kUR1qx0Wa77QV4.pdf>. Acesso em 13 mai. 2015.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 13. Ed. São Paulo: Cortez, 2003.

GARCIA, Regina Leite. Especialistas em educação: os mais novos responsáveis pelo fracasso escolar. In: ALVES, Nilda; GARCIA, Regina L. (Org.). O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. 7. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

GRINSPUN, Mirian P. S. Z. Autonomia e ética na escola: o novo mapa da educação. São Paulo: Cortez, 2014.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Mediação. In: Dicionário básico de filosofia. 3. Ed. Rio de Janeiro, 2001, p. 127-127.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LUCENA, Carlos. O pensamento educacional de Émile Durkheim. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, n. 40, 2010, p. 295-305, Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/40/art18_40.pdf. Acesso em: 17 mar. 2016.

MOORE, Christopher W. O processo de mediação: estratégias práticas para a resolução de conflitos. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

NAZARETH, Eliana Riberti. Mediação: o conflito e a solução. São Paulo: Arte Paubrasil, 2009.

OLIVEIRA, Edson Moreira de; ALMEIDA, José Luís Vieira de; ARNONI, Maria Eliza Brefere. Mediação dialética na educação escolar: teoria e prática. São Paulo: Ed. Loyola, 2007.

SIMMEL, Georg. A natureza sociológica do conflito: conflito e estrutura do grupo. In: MORAES FILHO, Evaristo (Org.). Simmel. São Paulo: Ática, 1983, p. 122-134.

SOARES, Ângelo. As emoções do care. In: HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araújo (Org.). Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do care. São Paulo: Atlas, 2012, p. 44-60.

TZU, Sun. A arte da guerra. Porto Alegre: L&PM, 2000.

VASCONCELOS, Carlos Eduardo. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. São Paulo: Método, 2008.

WEBER. Max. Conceitos sociológicos fundamentais: metodologia das ciências sociais. Campinas: Cortez/Unicamp, 1992.

Downloads

Publicado

2021-06-07

Como Citar

Lenz, A. J., & Viegas, M. F. (2021). Um estudo sobre as práticas educativas de mediação de conflitos na orientação educacional. erspectiva, 39(2), 1–19. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e71217