O novo açúcar: a rota da cocaína na perspectiva de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n175162

Palavras-chave:

gênero, mercado de drogas, economia dependente, América Latina

Resumo

A rota da cocaína não nasceu nos anos de 1970, via Colômbia, e sim no final do século XIX, em 1860, mais precisamente na relação comercial entre Peru e Alemanha. É sobre o surgimento dessa rota que trataremos no presente artigo, cujo fito é o de mostrar como a relação de centro e periferia do mercado de drogas constituiu-se. Fruto de uma pesquisa documental de doutorado, a investigação partiu do mercado de drogas nos países periféricos, em decorrência dos valores bilionários operados pelas instituições financeiras mundiais (bancos) para tornar esse dinheiro ilícito em lícito e do aprisionamento das mulheres na condição laboral de mulas, na última década (2006-2016). O mercado de drogas é, atualmente, uma das fontes empregadoras de mulheres pobres, negras, jovens e não jovens, com filhos, solteiras, com baixa escolarização, moradoras da periferia e com precário acesso à cidadania.

Biografia do Autor

Joana das Flores Duarte, Universidade Federal de São Paulo/ Curso de Serviço Social.

Doutora em Serviço Social pela PUC/RS. Professora da Univerisdade Federal de São Paulo/Curso Serviço Social. Integra o Grupo de Trabajo: Feminismos, Resistencias y Emancipacíon (2019-2022) do Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO).

Referências

BIELLA, Janete Brígida. Trajetórias e rotina de prisioneiras por tráfico de drogas: autoras e coadjuvantes. 2007. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

BORGES, Luiz Adriano. “Mulas em movimento: o mercado interno brasileiro e o negócio de tropas, primeira metade do século XIX”. Anos 90, Porto Alegre, v. 23, n. 44, p. 207-230, dez. 2016. Disponível em https://seer.ufrgs.br/anos90/article/view/55886. Acesso em 20/06/2020.

BRASIL. Lei nº 6.368, de 21 de outubro de 1976. Brasil: Governo Federal, 1976. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6368.htm. Acesso em 20/06/2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Receita Federal. [online]. Brasil: Governo Federal, 2019a. Disponível em http://receita.economia.gov.br/. Acesso em 20/06/2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA. Polícia Federal. [online]. Brasil: Governo Federal, 2019b. Disponível em http://www.pf.gov.br/. Acesso em 20/06/2020.

CARNEIRO, Ludmila Gaudad Sardinha. Mulas, Olheiras, Chefas & Outros Tipos: heterogeneidade nas dinâmicas de inserção e permanência de mulheres no tráfico de drogas em Brasília-DF e na Cidade do México. 2015. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

CHERNICHARO, Luciana Peluzio. Sobre mulheres e Prisões: seletividade de gênero e crime de tráfico de drogas no Brasil. 2014. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Direito) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

CONNE, Jean-Louis. “HSBC, histoire d’eau et d’opium”. Le Monde Diplomatique. [online]. França, 2010. Disponível em https://www.monde-diplomatique.fr/2010/02/CONNE/18827. Acesso em 20/06/2020.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2002000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20/06/2020.

FEDERICI, Silvia. O ponto Zero da Revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FEITOSA DE LIMA, Laisa Dannielle. Presa em Flagrante: uma análise da inserção das mulheres no tráfico de drogas. 2016. Mestrado (Pós-Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB, Brasil.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HELPES, Sintia Soares. Vidas em Jogos: um estudo sobre mulheres envolvidas com o tráfico de drogas. 2014. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

HSBC. “Annual Report and Accounts 2016”. Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited. London, 2016. Disponível em https://www.hsbc.com/search-results?q=annual%20report%202016&site=Whole%20site&page=1&take=10&order=ByRelevance. Acesso em 20/06/2020.

MARX, Karl. Os Despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira. São Paulo: Boitempo, 2017.

MOREIRA, Vanessa dos Santos. Impactos do Envolvimento de Mulheres Presidiárias com o Fenômeno das Drogas. 2012. Mestrado (Escola de Enfermagem) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

OEDT. OBSERVATÓRIO EUROPEU DA DROGA E DA TOXICODEPENDÊNCIA. European Drug Report (EDR) 2019. União Europeia, 2019. Disponível em https://op.europa.eu/pt/publication-detail/-/publication/6b2ec5f1-8b2c-11e9-9369-01aa75ed71a1. Epub 06/07/2019. ISBN 978-92-9497-398-6. Acesso em 20/06/2020.

PEÑALOZA, Pedro José. México a la deriva: y después del modelo policiano que? México: UNAM, 2012.

PRADO, Hannah Zuquim Aidar. O Comércio de Drogas Ilegais na Trajetória de Trabalho de Mulheres Presas na Penitenciária Feminina do DF. 2016. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Política Social) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

RAMOS, Luciana de Souza. Por amor ou pela dor? Um olhar feminista sobre o encarceramento de mulheres por tráfico de drogas. 2012. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Direito) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

RESTREPO, Andrés López. “Ilusiones defraudadas: auge y caída del comercio legal de coca y cocaína en los países andinos”. Anuario Colombiano de Historia Social y de la Cultura, Colômbia, v. 45, n. 2, p. 233-260, julio 2018. Disponível em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=127157707009. Acesso em 20/06/2020.

SERQUEIRA LIMA, Carla Patrícia. As Mulheres na Rede do Tráfico de Drogas em Alagoas. 2016. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil.

SILVA, Marcos Vinícius Moura (Org.). Relatório temático sobre mulheres privadas de liberdade - Junho de 2017. Brasília: Ministério da Justiça e da Segurança Pública, 2017.

UNODC. “World Drug Report 2018: opioid crisis, prescription drug abuse expands; cocaine and opium hit record highs”. World Drug Report United Nations. EUA: United Nations, 2018. Disponível em https://www.unodc.org/unodc/en/frontpage/2018/June/world-drug-report-2018_-opioid-crisis--prescription-drug-abuse-expands-cocaine-and-opium-hit-record-highs.html. Epub 26/07/2018. ISBN 978-92-1-148304-8. Acesso em 20/06/2020.

USS/CHSGA. UNITED STATES SENATE PERMANENT SUBCOMMITTEE ON INVESTIGATIONS. Vulnerabilities to Money Laundering, Drugs, and Terrorist Financing: HSBC Case History. Washington, 2012. Disponível em http://www.hsgac.senate.gov/subcommittees/investigations. Acesso em 20/06/2020.

VIEIRA, Pedro Antonio. “A inserção do Brasil nos quadros da economia-mundo capitalista no período 1550-c.1800: uma tentativa de demonstração empírica através da cadeia mercantil do açúcar”. Economia e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 3, p. 499-527, dez. 2010. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-06182010000300004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20/06/2020.

Publicado

2022-05-23

Edição

Seção

Artigos