Bleich ou o paradoxo da tradução

Gilles Jean Abes

Resumo


Este artigo tem por base um estudo comparativo das traduções de As flores do mal de Charles Baudelaire para o português principalmente, as de Jamil Almansur Haddad e de Ivan Junqueira. Centramo-nos inicialmente no poema A cabeleira, tentando observar as posturas tradutórias que ora enobrecem, ora empobrecem a obra pelas “deformações” infringidas ao texto de partida sob o efeito de numerosas restrições. No texto literário, os rastros são particularmente visíveis, criando, assim, um lugar paradoxal para a tradução. Esse paradoxo ganha força ao debruçarmo-nos sobre a expressão “moeda falsa”, que Carlos Drummond de Andrade empregou a respeito da tradução. Essa “condenação” surgiu da própria dificuldade do ato tradutório. Imbricam-se, assim, as moedas falsas do poeta brasileiro, de Derrida e de Baudelaire e, a partir dessa sentença, esse conceito desdobra-se em direções diversas: devemos entender essa “moeda falsa” enquanto singela falsificação? Constatamos esse fato, mas seria menosprezar a potência do texto traduzido encará-lo apenas sob essa forma. É na ótica da dissonância que é preciso abordar uma tradução. Dissonância sob forma de divergência que clama por outra tradução, fazendo dessa “peça falsa” uma máquina de provocar eventos.


Palavras-chave


translation, Baudelaire, counterfeit money, dissonances.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2009v1n23p53



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.