O Ativismo digital como estratégia de enfrentamento à violência sexual: considerações à luz dos estudos decoloniais e das teorias da mediação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2023.e92588%20

Palavras-chave:

estudos descoloniais, Teorias da mediação, violência sexual, Violência contra a mulher, Redes sociais

Resumo

Objetivo: discutir, com base em estudos descoloniais e teorias de mediação, o protagonismo social das mulheres no enfrentamento de diferentes formas de violência sexual através da popularização do movimento #primeiroassedio (#primeracoso) no Facebook.

Método: a pesquisa tem uma abordagem mista, utilizando a análise de conteúdo como método interpretativo para estabelecer um diálogo entre as declarações indexadas pela hashtag #primeiroassedio, estudos descoloniais e teorias de mediação, com base nos dados apresentados na dissertação defendida por Romeiro (2019). A fim de organizar os dados coletados, foram estabelecidas as seguintes categorias: fotos, vídeos, notícias e depoimentos. A amostra consistiu de 1.035 publicações, coletadas em um intervalo de três meses (novembro de 2018 a janeiro de 2019), utilizando filtros específicos de determinação geográfica (Brasil), modo de publicação (público) e período (2015 e 2019). Uma análise do uso da hashtag #primeiroassedio (em espanhol #primeracoso), nas redes sociais Facebook, foi realizada com base em estudos descoloniais e teorias de mediação.

Resultado: os testemunhos levantados pela hashtag #primeiroassedio não tinham a intenção de punir os perpetradores, nem de expor suas identidades. Diante disto, a mobilização social em favor da discussão do tema produziu efeitos abstratos, mas com grande poder de transformação da realidade.
Conclusões: a mediação está presente nas interações marcadas com a hashtag promovendo um espaço de diálogo, destacando o protagonismo social das mulheres na luta contra as estruturas históricas e notadamente coloniais de opressão, reforçando assim a criação de redes de apoio e a demanda por políticas públicas de combate à violência sexual na sociedade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathália Lima Romeiro, Instituto Brasileiro de Informação, Ciência e Tecnologia - IBICT

Doutoranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFMG. Mestra em Ciência da Informação no Programa de PósGraduação em Ciência da Informação do IBICT/ECO-UFRJ. Licenciada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Fabrício José Nascimento da Silveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do curso de graduação em Biblioteconomia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Escola de Ciência da Informação ? ECI/UFMG. Possui graduação em Biblioteconomia (2004), mestrado e doutorado em Ciência da Informação pelo PPGCI/UFMG (2007 e 2014). Foi professor do Curso de Graduação em Biblioteconomia (Bacharelado e Licenciatura) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO (2013-2014), Coordenador e Subcoordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - PPGCI/UFMG, Coordenador Adjunto e Coordenador do GT10 - Informação e Memória da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ANCIB) - biênios 2020-2021 e 2022-2023. Tem experiência nas áreas de Biblioteconomia e de Ciência da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: Bibliotecas públicas ? história, especificidades e funções sociais; Biblioteca pública e públicos subalternizados; Representações sociais, memória e identidade; História do livro e das bibliotecas; História da leitura e formação do leitor; Informação e questões de gênero; e Ensino de Biblioteconomia e a formação do bibliotecário no Brasil.

 

 

Referências

ALMEIDA, Marco Antônio de. Informação, cultura e sociedade: reflexões sobre a Ciência da Informação a partir das ciências sociais. In: LARA, Marilda Lopes Ginez de; FUJINO, Asa; NORONHA, Daisy Pires (Org.). Informação e contemporaneidade: perspectivas. Recife: Nectar, 2007. p.96-118.

ALMEIDA, Marco Antônio. Mediações da cultura e da informação: perspectivas sociais,

políticas e epistemológicas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.1, n.1, p.1-24, 2008.

ALMEIDA, Marco Antônio de; CRIPPA, Giulia. A ex-posição: uma experiência de mediação cultural. In: ENANCIB, 9, 2008, São Paulo, SP. Anais... Diversidade cultural e políticas de informação. São Paulo, SP: Universidade São Paulo, 2008. p. 1-12.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Mediação da informação: um conceito

atualizado. In: BORTOLIN, Sueli; SANTOS NETO, João Arlindo dos; SILVA, Rovilson José da (Orgs.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. p. 9-32.

BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

COSTA, Camilla; DELLA BARBA, Mariana; IDOETA, Paula Adamo. Oscar 2015: atrizes se rebelam contra o machismo no tapete vermelho. BBC Brasil, 23 fev. 2015. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/02/150222_oscar2015_machismo_pai.

Acesso em: 16 fev. 2019.

HOOKS, Bell. E eu não sou uma mulher?: mulheres negras e feminismo. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2019.

GOMES, Henriette Ferreira. Mediação da informação e protagonismo social: relações com

vida ativa e ação comunicativa à luz de Hannah Arendt. In.: GOMES, Henriette Ferreira;

NOVO, Hildenise Ferreira (Orgs.). Informação e protagonismo social. Salvador: Edufba,

, p. 27- 45.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (Org.).

Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo,

p. 53-83.

MARTELETO, Regina Maria. O lugar da cultura no campo de estudos da informação:

cenários prospectivos. In: LARA, Marilda Lopes Ginez de; FUJINO, Asa; NORONHA, Daisy Pires (Org.). Informação e contemporaneidade: perspectivas. Recife: Nectar, 2007, p.13-26.

MARTINS, Ana Amélia Lage. Mediação: categoria lógica, ontológica, epistemológica e

metodológica. Investigación Bibliotecológica, v. 33, n. 80, p. 133-154, 2019.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais / projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2020.

PERDIGÃO, Juliana Andrade. Informação simbólica, representações sociais e identidade: confronto de sentidos nas narrativas que (in)formam as mulheres de Noiva do Cordeiro. 2020. 236 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

PERROTTI, Edmir; PIERUCCINI, Ivete. A mediação cultural como categoria autônoma.

Informação & Informação, v. 19, n. 2, p. 1- 22, 2014.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura

de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 84-130.

ROMEIRO, Nathália Lima. Vamos fazer um escândalo: a trajetória da desnaturalização da violência contra a mulher e a folksonomia como ativismo em oposição a violência sexual no Brasil. 2019. 168 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

SEGATO, Rita. La crítica de la colonialidad en ocho ensayos y una antropología por

demanda. 2. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2018.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Publicado

2023-05-05

Como Citar

ROMEIRO, Nathália Lima; NASCIMENTO DA SILVEIRA, Fabrício José. O Ativismo digital como estratégia de enfrentamento à violência sexual: considerações à luz dos estudos decoloniais e das teorias da mediação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 28, n. Dossie Especial, p. 1–29, 2023. DOI: 10.5007/1518-2924.2023.e92588 . Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/92588. Acesso em: 29 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.