História da ciência e natureza da ciência: debates e consensos

Autores

  • Anderson Vilas Boas Instituto de Física – Universidade Federal de Alagoas
  • Marcos Rodrigues da Silva Departamento de Filosofia – Universidade Estadual de Londrina
  • Marinez Meneghello Passos Departamento de Matemática – Universidade Estadual de Londrina
  • Sergio de Mello Arruda Departamento de Física - Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2013v30n2p287

Palavras-chave:

História da Ciência, Natureza da ciência, Thomas Kuhn, Michael Matthews

Resumo

Desde pelo menos a década de sessenta do século passado, tem-se debatido acerca da necessidade da inserção de história da ciência nos currículos de disciplinas científicas. O ponto principal do debate dizia respeito à formação técnica dos cientistas, e ele chegou a um impasse argumentativo na década seguinte, em que tanto favoráveis quanto contrários à inserção pareciam ter bons argumentos para defender sua posição. Porém, desde o surgimento de Science Teaching, de Michael Matthews, em 1994, a argumentação a favor da inserção de história da ciência no ensino de disciplinas científicas tem sido conduzida a partir da importância conferida ao esclarecimento da natureza da ciência. Esta alteração do nível de debate permitiu aos defensores da inserção de história da ciência mostrar que a discussão não diz respeito apenas à formação técnica do cientista, mas ao entendimento de ciência por parte dos cientistas. Este artigo pretende, em primeiro lugar, apresentar um resumo desta discussão. Em seguida, temos por objetivo mostrar que o desfecho desta discussão promoveu na literatura sobre ensino de ciências no Brasil, no período entre 1996 e 2010, um consenso acerca da importância da inserção da história da ciência. Para isso apresentamos um levantamento bibliográfico de alguns periódicos nacionais, levantamento este que nos permite concluir acerca da inexistência de argumentação contrária à importância da discussão sobre a natureza da ciência. Por fim, retomamos a discussão inicial e mostramos, a partir do levantamento bibliográfico, que, ao contrário da discussão inicial sobre inserção de história no ensino – que abrigava tanto defensores quanto adversários –, a discussão sobre a natureza da ciência é marcada pelo consenso a respeito de sua importância.

Biografia do Autor

Anderson Vilas Boas, Instituto de Física – Universidade Federal de Alagoas

Instituto de Física – Universidade Federal de Alagoas

Maceió – AL

Marcos Rodrigues da Silva, Departamento de Filosofia – Universidade Estadual de Londrina

Marinez Meneghello Passos, Departamento de Matemática – Universidade Estadual de Londrina

Sergio de Mello Arruda, Departamento de Física - Universidade Estadual de Londrina

Departamento de Física

Ensino de Ciências

Downloads

Publicado

2013-06-27

Edição

Seção

História e Filosofia da Ciência