Estudo da evasão dos estudantes de Licenciatura e Bacharelado em Física: uma análise à luz da Teoria do Sistema de Ensino de Bourdieu

Autores

  • João Fernandes Universidade de São Paulo
  • Michele Hidemi Ueno Guimarães Universidade Federal de Ouro Preto
  • André Robert Université Lumière Lyon 2
  • Marinez Meneghello Passos Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n1p105

Palavras-chave:

Evasão, Licenciatura e Bacharelado em Física, Relações de Dominância

Resumo

A evasão e a retenção são problemas que circundam os cursos de Física por todo o Brasil. Neste artigo, apresentamos os resultados de uma investigação, que se propôs a levantar alguns dos motivos relacionados a esses fenômenos. Para isso, foram feitas entrevistas com estudantes e os professores dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Física da Universidade Federal de Ouro Preto. Para o estudo dessa problemática assumimos a Teoria do Sistema de Ensino de Bourdieu, evidenciando as diversas relações de dominância existentes nos cursos, o que contribui para que a evasão e a retenção nesta Universidade analisada sejam altíssimas. Entre as conclusões a que chegamos, após os procedimentos analíticos do corpus investigativo, ou seja, dos relatos coletados, destacamos: para os estudantes esses motivos concentram-se nas relações pessoais “complicadas” com os professores e na rotina “acelerada” nas repúblicas em que residem; para os professores, o principal fator está relacionado ao uso do curso de Física como um “trampolim” para outros cursos, principalmente, Engenharias.

Biografia do Autor

João Fernandes, Universidade de São Paulo

Mestrando em Ensino de Ciências pelo Programa Interunidades em Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo. Graduou-se em Licenciatura em Física na Universidade Federal de Ouro Preto (2018). Tem participado com frequência dos congressos da área, apresentando trabalhos e publicando em revistas. Atualmente, está trabalhando com uma interface entre jogos e ensino, com foco nos Jogos de Interpretação de Papéis. Suas principais áreas de interesse são a utilização dos jogos no ensino, a relação entre hábitos de jogo e hábitos de estudo, gamificação e divulgação científica.

Michele Hidemi Ueno Guimarães, Universidade Federal de Ouro Preto

Professora adjunta da Universidade Federal de Ouro Preto. Foi professora visitante da Universidade Federal do ABC – área Ensino de Física (2016). Possui pós-doutorado pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo (2016) e pós-doutorado pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2014). Durante o ano de 2015, realizou dois pós-doutorados, um em Psicologia Clínica no Établissement Public Spécialisé en Santé Mentale de Ville-Evrard, Paris, e outro em Ciências da Educação na Université Lumière Lyon 2, Lyon, França. Possui doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2013), mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (2004) e Licenciatura plena em Física pela Universidade Estadual de Londrina (2002). Sua pesquisa concentra-se na área de Formação de professores de Ciências, atuando no Ensino de Física e Ensino Investigativo e na interface Psicanálise e Ensino de Ciências. É professora visitante do Grupo de Pesquisa em Óptica e Sistemas Amorfos, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo. Participa do Laboratório de Estudos e Pesquisas Psicanalíticas e Educacionais sobre a Infância – LEPSI-MG, vinculado à Faculdade de Educação da UFMG. É líder do "Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da UFOP", criado em junho de 2018, junto ao Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.  

André Robert, Université Lumière Lyon 2

Autor de numerosos livros e artigos, é professor de ciências da educação na Universidade de Lyon 2 (França). De 1999 a 2003, foi editor-chefe da Revue Française de pédagogie. De 2007 a 2016, dirigiu uma escola de doutorado multidisciplinar (EPIC, n ° 485); em 2010, fundou o laboratório de pesquisa em Educação, culturas, políticas, que dirigiu até 2012; em 2011, foi eleito, em nível nacional, presidente da seção de ciências da educação do CNU (Conselho Nacional de Universidades). Professor emérito em 2017, é regularmente convidado para a Universidade Lusofona (Lisboa) e para algumas universidades brasileiras.

Marinez Meneghello Passos, Universidade Estadual de Londrina

Licenciada e Bacharel em Matemática (UEL, 1982), Mestre em Matemática (UEL, 1989), Mestre em Educação (UEL, 2004) e Doutora em Educação para a Ciência (UNESP, 2009). Atualmente é professora Sênior da Universidade Estadual de Londrina, atuando no programa de pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, e professora colaboradora Sênior da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus Cornélio Procópio, atuando no programa de pós-graduação em Ensino. Publicou diversos resultados de suas investigações e das pesquisas realizadas, com os demais membros dos grupos de estudo e de pesquisa dos quais participa em anais de eventos e em artigos em periódicos. Possui dezenas de livros publicados e inúmeros itens de produção técnica. Participou e participa de eventos relativos à sua área de pesquisa. Orientou diversos trabalhos de conclusão de curso na área de Educação, Ciências e Matemática. Participou e participa de diversos projetos na UEL, sendo coordenadora de alguns deles. Nos dias de hoje as temáticas centrais das investigações desenvolvidas são: análise qualitativa, formação de professores e espaços informais de aprendizagem.

Referências

ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G. Ensino médio: múltiplas vozes. Brasília: MEC, 2003.

ALMEIDA, J. B.; SCHIMIGUEL, J. Avaliação sobre as causas da evasão escolar no ensino superior: estudo de caso no curso de licenciatura em Física no Instituto Federal do Maranhão. REnCiMa, São Paulo, v. 2, n. 167, p. 167-178, 2011.

BAGGI, C. A. S.; LOPES, D. A. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 16, n. 2, p. 355-374, 2011.

BARROSO M. F.; FALCÃO, E. B. M. Evasão universitária: o caso do Instituto de Física da UFRJ. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 9, 2004, Jaboticatubas. Anais [...], Jaboticatubas: Sociedade Brasileira de Física, 2004. p. 1-14.

BOURDIEU, P. A Escola Conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (org.). Escritos da Educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 229-237.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU P.; PASSERON, J. C. Les Héritiers. Les étudiants et la culture. Paris: Les Editions de Minuit, 1964.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma Teoria do Sistema de Ensino. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2009a.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma Teoria do Sistema de Ensino. Recensão de Ana Paula Rosendo. Covilhã: LusoSofia, 2009b.

CARVALHO, G. L.; UENO-GUIMARAES, M. H. Fatores que influenciam a desistência/permanência de estudantes da graduação em Física. In: ENCONTRO DE SABERES, 2019a, Universidade Federal de Ouro Preto.

CARVALHO, G. L.; UENO-GUIMARAES, M. H. O processo de evasão no curso de graduação em Física: aspectos influenciadores. LEPSI, 13, 2019b, Universidade Federal de Ouro Preto.

FERREIRA, J. M. Um olhar sobre a evasão no curso Licenciatura em Física da Universidade Estadual do Centro-Oeste. 55f. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso - Departamento de Física da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava.

HOLANDA, T. Estudantes da Ufop bebem mais que alunos de todas federais no Brasil. Estado de Minas, 2012. Disponível em:

<https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2012/10/29/interna_gerais,326118/estudantes-da-ufop-bebem-mais-que-alunos-de-todas-federais-no-brasil.shtml>. Acesso em: 28 jan. 2020.

LIMA JÚNIOR, P.; OSTERMANN, F.; REZENDE, F. Análise dos condicionantes sociais da evasão e retenção em cursos de graduação em Física à luz da sociologia de Bourdieu. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 1, p. 37-60, 2012.

RABELO, L. O. A evasão de alunos do curso de Física do Campus de Guaratinguetá da UNESP. 54f. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Guaratinguetá.

SILVA, M. B. S.; FRANCO, V. S. Um estudo sobre a evasão no curso de Física da Universidade Estadual de Maringá: modalidade presencial versus modalidade à distância. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e à Distância, São Paulo, v. 13, 2014.

SILVA FILHO, R. L. L.; MONTEJUNAS, P. R.; HIPÓLITO, O.; LOBO, M. B. de C. M. A evasão no ensino superior brasileiro. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 641-659, dec. 2007. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742007000300007.

SOARES, M. M. A evasão nos cursos de Licenciatura em Física: uma breve revisão bibliográfica. 22f. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa.

UENO, M. H. A “tensão essencial” na formação do professor de Física: entre o pensamento convergente e o pensamento divergente. 156f. 2004. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Departamento de Física, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

UENO-GUIMARÃES, M. H. A escolha pela Física: gosto ou desafio? Saarbrücken: Ed. Novas Edições Acadêmicas, 2014.

Downloads

Publicado

2020-04-06

Edição

Seção

Pesquisa em Ensino de Física