Aprendizagem de Astronomia em grupos do Facebook

Sergio de Mello Arruda, Ferdinando Vinicius Domenes Zapparoli, Marinez Meneghello Passos

Resumo


Neste artigo trazemos os resultados de uma pesquisa que teve por objetivo analisar a aprendizagem da Astronomia em grupos do Facebook. Foram analisados posts de três grupos de Astronomia Amadora da referida rede, representados por nove diálogos, com o intuito de caracterizar as ações virtuais realizadas por seus membros durante a troca de mensagens. Foram identificadas 225 ações virtuais, acomodadas em 22 categorias de ação, separadas em ações do tipo pessoal e técnica. As ações mais representativas foram: elogia foto; informa; explica; comenta; expressa opinião; faz pergunta; fornece dados; posta link. Com base nos Focos da Aprendizagem Científica (FAC) foi possível verificar indícios de aprendizagem de Astronomia relacionados aos focos: conhecimento, prática, reflexão e comunidade. Sobre os dois focos que não tiveram incidência nos diálogos – o interesse e a identidade – pudemos demonstrar, por meio de dados complementares (entrevistas), que existem indícios sobre a existência dos mesmos em membros mais experientes dos grupos. Podemos concluir que, de fato, as redes sociais, em particular, o Facebook, podem dar suporte a comunidades de aprendizagem, cujos membros partilham de interesses comuns sobre um determinado assunto, ou seja, os grupos de Astronomia Amadora podem ser considerados como ambientes de aprendizagem informal e ao longo da vida.


Palavras-chave


Astronomia Amadora; Ação Virtual; Focos da Aprendizagem Científica; Diálogos de Aprendizagem Informal; Facebook

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALEGRETTI, S. M. M.; HESSEL, A. M. G.; HARDAGH, C. C.; SILVA, J. E. Aprendizagem nas redes sociais virtuais: o potencial da conectividade em dois cenários. Revista Contemporaneidade, Educação e Tecnologia, [s. l.], v. 1, n. 2, p. 54-60, 2012.

ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M. Instrumentos para a análise da relação com o saber em sala de aula. REPPE: Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino, Cornélio Procópio, v. 1, n. 2, p. 95-115, 2017.

ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M.; FREGOLENTE, A. Focos da aprendizagem docente. ALEXANDRIA: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 25-48, 2012.

ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M.; PIZA C. A.; M.; FELIX, R. A. B. O aprendizado científico no cotidiano. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 2, p. 481-498, 2013.

ARRUDA, S. M.; PORTUGAL, K. O; PASSOS, M. M. Focos da aprendizagem: revisão, desdobramentos e perspectivas futuras. REPPE: Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino, Cornélio Procópio, v. 2, n. 1, p. 91-121, 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Porto: Edições 70, 2011.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

DIERKING, L. D. Lessons without limit: how free-choice learning is transforming science and technology education. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 12, p. 145-160, 2005. (Supplement).

DUROZOI, G.; ROUSSEL, A. Dicionário de filosofia. Tradução: Marina Appenzeller. 5. ed. Campinas: Papirus, 2005.

FEJOLO, T. B.; ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M. Aprendizagem científica informal no PIBID: identificando e interpretando os focos da aprendizagem científica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 30, n. 3, p. 628-649, 2013.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

ILLERIS, K. Uma compreensão abrangente sobre a aprendizagem humana. In: ILLERIS, K. (Org.). Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 15-30.

KLEIN, A. E.; ARRUDA, S. de M.; PASSOS, M. M.; ZAPPAROLI, F. V. D. Os sentidos da observação astronômica: uma análise com base na relação com o saber. RELEA – Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, São Carlos, v. 10, p. 37-54, 2010.

LANGHI, R.; NARDI, R. Ensino da Astronomia no Brasil: educação formal, informal, não formal e divulgação científica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 4, p. 4402-1-4402-11, 2009.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1986.

MARANDINO, M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência & Educação, Bauru, v. 23, n. 4, p. 811-816, 2017.

MINHOTO, P.; MEIRINHO, M. As redes sociais na promoção da aprendizagem colaborativa: um estudo no ensino secundário. Educação, Formação & Tecnologias, Lisboa, v. 4, n. 2, p. 25‐34, 2011.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-210, 2003.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL (NRC). A Framework for K-12 Science Education: Practices, Crosscutting Concepts, and Core Ideas. Washington: The National Academic Press, 2012.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL (NRC). Learning Science in Informal Environments: people, places, and pursuits. Washington: The National Academic Press, 2009.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL (NRC). Taking Science to School: Learning and Teaching Science in Grades K-8. Washington: The National Academic Press, 2007.

PEDRO, C. L.; PASSOS, M. M.; ARRUDA, S. M. Aprendizagem científica no Facebook. ALEXANDRIA: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 3-19, 2015.

SCHUNK, D. H. Learning theories: an educational perspective. Boston: Pearson Education, 2012.

TEIXEIRA, L. A.; PASSOS, M. M.; ARRUDA, S. de M. A formação de pesquisadores em um grupo de pesquisa em Educação em Ciências e Matemática. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 2, p. 525-541, 2015.

WENGER, E. Uma teoria social da aprendizagem. In: ILLERIS, K. (org.). Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso, p. 246-257, 2013.

WENGER, E.; McDERMOTT, R.; SNYDER, W. Cultivating communities of practice: a guide to managing knowledge. Boston: Harvard Business School Press, 2002.

ZAPPAROLI, F. V. D. A aprendizagem da astronomia em redes sociais. 2017. 118f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n2p383

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >