Aprendizagem científica no trabalho

Sergio de Mello Arruda, Marinez Meneghello Passos, Edelaine Cristina Andrade, Marcus Vinicius Martinez Piratelo

Resumo


O presente artigo trata da aprendizagem científica no trabalho. A pesquisa é parte de um projeto mais amplo de avançar na compreensão da aprendizagem informal nas diversas configurações em que ela pode ser encontrada. Foram realizadas duas tomadas de dados, por meio de entrevistas semiestruturadas com cinco trabalhadores da construção civil e com dois técnicos em conserto de refrigeradores. Para a organização e análise dos dados foram utilizados os procedimentos da Análise Textual Discursiva, com categorias a priori estruturadas de acordo com as dimensões da aprendizagem de Illeris (2013). Nas análises empregamos a teoria social da aprendizagem de Wenger (2013) e uma analogia entre os saberes do trabalho e os saberes docentes de Tardif (2002). Os resultados apontam que: os saberes construídos pelos sujeitos são constituídos como um conjunto de representações a partir das quais eles interpretam, compreendem e resolvem os problemas de sua prática cotidiana; tais saberes foram construídos porque são úteis e necessários para a prática da profissão; a aprendizagem de tais saberes se deu principalmente com o auxílio dos colegas mais experientes da comunidade de que faziam parte.


Palavras-chave


Aprendizagem no trabalho; Aprendizagem informal; Teoria social de Wenger; Saberes docentes

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2015v32n1p263

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >