BNCC, Reforma do Ensino Médio e BNC-Formação: um pacote privatista, utilitarista minimalista que precisa ser revogado

Autores

  • Fernanda Ostermann Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Flavia Rezende

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e85172%20

Palavras-chave:

Adolescente. Atividade Motora, Jogos de vídeo.

Resumo

O debate sobre o lugar da disciplina de Física no currículo do ensino médio frente às políticas curriculares dos últimos anos, levantado por Ostermann (2020), requer um olhar mais amplo e crítico que pense politicamente a educação no Brasil. Nessa perspectiva, a educação e o currículo podem ser compreendidos como um campo de disputas de projetos defendidos por diferentes atores políticos envolvidos no debate (AGUIAR; TUTTMAN, 2020). A posição neoliberal, mais alinhada às demandas do mercado e que minimiza o papel do Estado frente às políticas públicas de educação, e a posição crítica, que considera a educação como direito de todos a ser assegurado pelo Estado, têm sido, grosso modo, as duas posições em confronto.

Biografia do Autor

Fernanda Ostermann, Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS

É Licenciada em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e tem Mestrado e Doutorado na área de ensino de Física, ambos também pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Por concurso público, ingressou como professora, em 1994, no Departamento de Física dessa universidade e, atualmente, ocupa o cargo de Professora Associado II. Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. É líder de grupo de pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino de Física Moderna e Contemporânea, abordagem sociocultural no ensino de Física.

Flavia Rezende

Licenciada em Física pela UFRJ em 1980, mestra em Educação pela UFRJ em 1988, doutora em Educação na PUC-Rio em 1996. Em 1997, iniciou a carreira docente no NUTES-UFRJ, tendo atuado como vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ciências e Saúde por 10 anos e como coordenadora no período 2010-2011. Atualmente, está no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

AGUIAR, M. A.; TUTTMAN, M. T. Políticas educacionais no Brasil e a Base Nacional Comum Curricular: disputas de projetos. Em Aberto, Brasília, v. 33, n. 107, p. 69-94, jan./abr. 2020. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/4556. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília, 2017a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase. Acesso em: nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Reforma do Ensino Médio. Brasília. 2017b. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/ L13415.htm. Acesso em: nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#medio>. Acesso em: nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/ 135951-rcp002-19/file. Acesso em: nov. 2021.

FREITAS, L. C. de. Os reformadores empresariais da Educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, 2012.

FRIGOTTO, G. O “novo ensino médio”: traição à juventude que frequenta a escola pública. Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) | 05 de Novembro de 2021. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2021/11/05/analise-o-novo-ensino-medio-traicao-a-juventude-que-frequenta-a-escola-publica. Acesso em: 05 nov. 2021.

LEHER, R. Apresentação na mesa redonda 05 do XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 27 de setembro a 01 de outubro, 2021. Disponível em: https://youtu.be/tXSVajBhZyE. Acesso em: 01 out. 2021.

OSTERMANN, F.; REZENDE, F. Uma interpretação da educação em ciências no Brasil a partir da perspectiva do currículo como prática cultural. APEduc - Investigação e Práticas em Educação em Ciências, Matemática e Tecnologia, Vila Real, Portugal, v. 1, n. 1, p. 30-40, 2020.

OSTERMANN, F. Formação docente em tempos de BNCC e das Novas Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, XVIII, 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-15