Gestores do esporte e visões de política esportiva no Brasil (1937-2016): uma abordagem sociológica

Allan Fernando Zardo, Juliano de Souza, Fernando Augusto Starepravo

Resumo


Nesse texto, está em pauta a figura dos gestores que ocuparam o cargo máximo da gestão do esporte no país. É traçado um perfil dos mesmos, com o objetivo de identificar os habitus e capitais que foram determinantes para que chegassem a tal posição. Em termos teórico-metodológicos, realizou-se uma investigação documental e bibliográfica, conduzida segundo os pressupostos da sociologia reflexiva de Bourdieu. Dos 27 gestores atuantes nos quase 80 anos em que o esporte no Brasil passou a ser uma questão do Estado, destaca-se que o capital político foi central em suas tomadas de posição. Ressalta-se ainda, a utilização do capital simbólico adquirido frente ao Ministério do Esporte para fins particularistas. 


Palavras-chave


Políticas públicas; Esporte; Gestores; Brasil

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, B. S.; MARCHI JR., W. O financiamento dos programas federais de esporte e lazer no Brasil (2004 a 2008). Movimento (ESEF/UFRGS), v. 16, n. 4, p. 73-92, 2010.

AMARAL, S. C. F.; PEREIRA, A. P. C. Reflexões sobre a produção em políticas públicas de educação física, esporte e lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 31, n. 1, 2009.

AMARAL, S. C. F.; RIBEIRO, O. C. F.; SILVA, D. S. Produção científico-acadêmica em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil. Motrivivência, v. 26, n. 42, p. 27-40, 2014.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

______. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

______. As regras da arte – gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

______. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas/SP: Papirus, 2007.

______. O senso prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BRASIL. Ministério do Esporte. Institucional. histórico. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

CANTARINO FILHO, Mário R. A educação física no estado novo. História e doutrina. Brasília:[sn], 1982.

CASTELLANI FIHO, L. Educação física, esporte e lazer: reflexões nada aleatórias. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

DA SILVA, A. P. Pelé: análise da trajetória do" Atleta do Século" na propaganda/marketing. Enfoques, v. 6, n. 1, 2007.

DOS SANTOS, A. R. A formação de atletas no Brasil: o papel da escola e dos clubes na formação de atletas. 2007. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília.

MEZZADRI, F. M. Políticas Públicas para o Esporte e lazer: teorias e conceitos. In: Alexandre Motta & Rodrigo Terra. (Org.). Esporte, Lazer e políticas públicas na região dos Lagos. Rio de Janeiro: iVentura, 2011, p. 89-102.

MEZZADRI, F. M., SILVA, M. M., FIGUERÔA, K. M. Desenvolvimento de um método para as pesquisas em políticas públicas de esporte no Brasil: uma abordagem de pesquisa mista. Motrivivência, v. 27, n. 44, p. 49-63, 2015.

NUNES, H. F. P. Esporte no contexto escolar: estudo do perfil dos professores de educação física que atuam como técnicos nas olimpíadas estudantis no município de São Paulo. 2015.

ROCHA, L. G. B. S. P. A outra razão: os presidentes de Futebol entre práticas e representações. 2013.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45.

SOUZA, J. de; MARCHI JR, W. Por uma sociologia reflexiva do esporte: considerações

teórico-metodológicas a partir da obra de Pierre Bourdieu. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 293-315, 2010.

STAREPRAVO, F. A. Políticas públicas de esporte e lazer: aproximações, intersecções, rupturas, e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e cientifico/acadêmico. Curitiba (Doutorado em Educação Física) – Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, 2011.

STAREPRAVO, F. A.; MARCHI JR., W. (Re) pensando as políticas públicas de esporte e lazer: a sociogênese do subcampo político/burocrático do esporte e lazer no Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 38, n. 1, p. 42-49, 2016.

STAREPRAVO, F.; MEZZADRI, F. M. Algumas contribuições de Pierre Bourdieu e Norbert Elias à discussão de políticas públicas para o esporte e lazer. SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR, v. 10, 2007.

STAREPRAVO, F. A.; MEZZADRI, F. M.; MARCHI JR., W. Criação e mudanças na estrutura do Ministério do Esporte do Brasil: tensões nas definições de espaços. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 29, n. 2, p. 217-228, 2015.

STAREPRAVO, F. A.; SOUZA, J. de; MARCHI JR., W. Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: uma argumentação inicial sobre a importância da utilização da teoria dos campos de Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 35, n. 3, 2013.

STAREPRAVO, F. A. et al. O esporte universitário no Brasil: uma interpretação a partir da legislação esportiva. Esporte e Sociedade. Ano, v. 5, 2010.

ZOTOVICI, S. A. et al. Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil e possibilidades de intersetorialidade. LICERE-Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, v. 16, n. 3, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n53p119



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA