Evolução das despesas da função desporto e lazer (FDL) dos municípios do estado do Piauí de 2003 a 2011

Autores

  • Edmilson Santos dos Santos Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF), Petrolina-PE, Brasil.
  • Fernando Augusto Starepravo Professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.
  • Felipe Canan Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon-PR, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n55p20

Palavras-chave:

Políticas públicas, Descentralização, Financiamento, Esporte, Lazer

Resumo

A literatura sobre financiamento de políticas públicas de esporte e lazer tem centrado sua atenção nos investimentos do Governo Federal, deixando uma lacuna sobre análises de âmbito municipal. O objetivo do presente trabalho foi analisar o comportamento dos municípios do estado do Piauí no período de 10 anos (2003 a 2012), no que se refere aos investimentos nas políticas públicas de esporte e de lazer. As informações referentes à receita corrente e às despesas na FDL foram retiradas diretamente dos dados referentes às contas anuais no site Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro – Siconfi. Os resultados apontam que os municípios do Piauí tiveram crescimento em suas receitas correntes, nominal e per capita. Mesmo reconhecendo que o crescimento da receita não leva, necessariamente, ao crescimento nos mesmos índices das despesas, tendo em vista que os recursos são sempre escassos e disputados, a FDL teve crescimento importante do ponto de vista nominal e quando comparado com a receita. Conclui-se que há um ambiente propício a garantir investimentos no esporte e no lazer em âmbito municipal no estado do Piauí.

Biografia do Autor

Edmilson Santos dos Santos, Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF), Petrolina-PE, Brasil.

Doutorado em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.

Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF), Petrolina-PE, Brasil.

 Endereço postal: Universidade Federal do Vale do São Francisco, Colegiado de Educação Física. 

 

Fernando Augusto Starepravo, Professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Doutorado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Felipe Canan, Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon-PR, Brasil

Doutorando em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá-PR, Brasil.

Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon´PR, Brasil.

 

Referências

AFONSO, J. R. R. et. al. Municípios, arrecadação e administração tributária: quebrando tabus. Revista do BNDS. n. 10, p. 1-37, dez., 1998.

AFONSO, J. R. R. Descentralização fiscal e avanços das políticas sociais. In: XV Seminário Regional de Política Fiscal – CEPAL, Santiago, 2003. Anais eletrônicos... Santiago, 2003. p. 1-23. Disponível em <http://www.cepal.org/ilpes/noticias/paginas/2/11542/JRobertoAfonso.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2017.

BANCO CENTRAL. Banco Central do Brasil, 2016. Disponível em <https://www.bcb.gov.br/pt-br/#!/home>. Acesso em dezembro de 2016.

BOVO, M. J. Gastos Sociais dos Municípios e desequilíbrio financeiro. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, RJ, v. 35, n. 1, p. 94-117, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 15 jan. 2017.

BREMAEKER, F. E. J. Perfil das receitas municipais. Revista de Administração Municipal, Rio de Janeiro, RJ, v. 41, n. 213, p. 75-88, out., 1994.

CASTRO, S. B. E. Políticas públicas para o esporte e lazer e o ciclo orçamentário brasileiro (2004-2011): prioridades e distribuição de recursos durante os processos de elaboração e execução orçamentária, Curitiba, 2016. 382 f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Curitiba, 2016.

GOMES, G. M; DOWELL, M. C. Descentralização política, federalismo fiscal e criação de municípios: o que é mau para o econômico nem sempre é bom para o social. Textos para Discussão IPEA, Brasília, DF, n. 706, p. 1-27, 2000.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em dezembro de 2016.

MINISTÉRIO DO ESPORTE. 1ª Conferência Nacional do Esporte – Esporte, Lazer e Desenvolvimento Humano – Documento Final. Brasília: Ministério do Esporte, 2004.

MINISTÉRIO DO ESPORTE. 2ª Conferência Nacional do Esporte – Documento Final. Brasília: Ministério do Esporte, 2006.

MOTTA, R. S.; MOREIRA, A. Eficiência na gestão municipal no Brasil. Textos para discussão IPEA, Rio de Janeiro, RJ, n°1301, p. 1-25, 2007.

REZENDE, J. A. SLOMSKI, V.; CORRAR, L. J. A gestão pública municipal e a eficiência dos gastos públicos: uma investigação empírica entre as políticas públicas e o índice de desenvolvimento humano (IDH) dos municípios do estado de São Paulo. Revista Universal Contábil,. Blumenau, SC, v. 1, n. 1, p. 24-40, jan/abr., 2005.

TESOURO NACIONAL. Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro – Siconfi. Disponível em <https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/publi>. Acesso em dezembro de 2016.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Edição

Seção

Artigos Originais