Panorama da produção do conhecimento em atividade física adaptada nos programas de pós-graduação em Educação Física do estado do Paraná

Tabea Epp Kuster Alves, Rafael Estevam Reis, Marcelo Moraes e Silva

Resumo


No estado do Paraná, são quatro as Instituições de Ensino Superior, indicadas pela CAPES, que possuem programas de pós-graduação stricto sensu em Educação Física. Com o objetivo de conhecer a produção relacionada à atividade física adaptada no Paraná e compreender os caminhos que ela tem seguido, mapearam-se nestes programas todas as dissertações e teses relacionadas à temática. Ao todo, foram encontradas 17 pesquisas, 15 dissertações e 2 teses. quanto ao tipo de deficiência, são estudadas em maior número atividades voltadas a indivíduos com deficiência física, intelectual e visual, sendo que nenhuma exclusivamente com pessoas com deficiência auditiva foi encontrada. Ao pesquisar o currículo dos autores, concluiu-se que a maioria dos produtores das dissertações e teses tem envolvimento no “universo” para-desportivo e apresenta a tendência de pesquisar e publicar somente nesta área, ao contrário dos orientadores, em que somente a minoria é envolvida com a temática.

Palavras-chave


Pós-graduação; Atividade física adaptada; Pesquisa

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, P. F. Desporto Adaptado no Brasil: origem, institucionalização e atualidade. 1997. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CAPES. Cursos Recomendados. Disponível em: . Acesso em: 03 de março de 2016.

FURTADO, H. L.; NAMAN, M. Formação do pesquisador em educação física: análises epistemológicas. Pensar a Prática, Goiânia, 2014; 17 (3): p.751-765.

GARCIA, L. et al. A inserção da subárea de Atividade Física e Saúde nos Programas de Pós-Graduação em Educação Física no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, 2014; 19 (2): p. 215-222.

GIL, A C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas; 1999.

GORLA, I. Educação física adaptada: o passo a passo da avaliação. São Paulo: Editora Phorte; 2008.

MANOEL, E J; CARVALHO, Y M. Pós-graduação na educação física brasileira: a atração (fatal) para a biodinâmica. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, 2011; 37(2): p. 389-406.

MIRANDA, M. L. J.; BOMFIM, A. B. C.; SANTOS SILVA, S. A. P. S. Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade São Judas Tadeu. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, 2013; 17 (5): p. 341-346.

MORAES E SILVA, Marcelo et al. Pós-graduação em Educação Física: apontamentos sobre o livro “Dilemas e desafios da pós-graduação em Educação Física”. Journal of Physical Education, Maringá, v. 28, n. 1, e2840, 2017.

PEREIRA DA SILVA, J. V.; GONÇALVES-SILVA, L. L.; MOREIRA, W. W. Produtivismo na pós-graduação. Nada é tão ruim, que não possa piorar. É chegada a vez dos orientandos! Movimento, Porto Alegre, 2014; 20(4): p. 1423-1445.

PEREIRA DA SILVA, J. V. Políticas Públicas de Esporte/Lazer e in(ex)clusão de pessoas com deficiência. Campo Grande: Editora UFMS; 2015.

REIS, R. E. Políticas Públicas para o esporte paralímpico brasileiro. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

RIGO, L. C.; RIBEIRO, G. M.; HALLAL, P. C. Unidade na diversidade: desafios para a Educação Física no século XXI. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, 2011; 16 (4): p. 339-345.

ROSA, S. P.; LETA, J. Tendências atuais da pesquisa brasileira em Educação Física. Parte 2: a heterogeneidade epistemológica nos programas de pós-graduação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, 2011; 25 (1): p. 7-18.

SILVA, R. F; SEABRA JÚNIOR, L; ARAÚJO, P. F. Educação física adaptada no Brasil: da história a inclusão educacional. São Paulo: Editora Phorte; 2008.

SILVA, R. F.; ARAÚJO, P. F. Os caminhos da pesquisa em atividade motora adaptada. São Paulo: Phorte; 2012.

SORIANO, J. B.; LARA, L. M. Pós-Graduação em Educação Física UEM/UEL: experiências e desafios de um programa associado. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, 2012; 17 (1): p. 69-74.

SOUZA, J. V. Dimensões da Organização de um Centro de Atividades Motoras Adaptadas para Pessoas com Deficiência com base na Extensão Universitária. In: RODRIGUES, D. (org.). Atividade Motora Adaptada: a alegria do corpo. São Paulo: Artes Médicas; 2006. p. 131-140.

SOUZA, D. L., MORAES E SILVA, M.; MOREIRA, T. S. O perfil da produção científica online em português relacionada às modalidades olímpicas e paralímpicas. Movimento. Porto Alegre, 2016; 22 (4): p. 1105-1120.

TAVARES, O. Desafios e Dilemas da pós-graduação em Educação Física: os estudos socioculturais. In: RECHIA, S. et al. (orgs.). Dilemas e Desafios da Pós-Graduação em Educação Física. Ijuí: Ed. UNIJUÌ, 2015, p. 219-234.

WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri, SP: Manole; 2004.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n53p69



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA