Aproximações com a educação libertadora de Paulo Freire: o caso de uma professora de Educação Física no “chão da escola”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e84435

Palavras-chave:

Idade Cronológica, Efeito da idade relativa, Desempenho, Basquetebol

Resumo

O presente ensaio é um texto autorreflexivo sobre qual a função social da escola e do professor de educação física a partir de questionamentos que surgiram ao longo da prática docente. Compreendendo a educação como um processo com vias à conscientização dos educandos, buscamos alinhar as expectativas entre a função da instituição escola, a função do professor de educação física e a nossa prática enquanto sujeitos sociais. Considerando o papel do professor frente a instituição escolar, apresentamos atravessamentos que confluíram para que a prática se ampare em uma relação horizontalizada com os educandos no intuito de que eles possam ser protagonistas, sujeitos da construção do seu conhecimento e ter uma visão ampliada de sua realidade, buscando assim uma educação libertadora.

Biografia do Autor

Jacqueline Zilberstein, Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre

Mestra em Ciências do Movimento Humano pela ESEFI/UFRGS. Professora de Educação Física de Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre/RS.

Lucas Lopez da Cruz, Departamento Nacional do Serviço Social do Comércio

Mestre em Ciências do Movimento Humano pela ESEFID/UFRGS; Analista em Educação de Jovens e Adultos no Departamento Nacional do Serviço Social do Comércio.

Fabiano Bossle, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-doutor em Ciências do Movimento Humano/UFRGS. Professor da Graduação e Pós-graduação ESEFID/UFRGS.

Referências

APPLE, Michael Whitman. Política cultural e educação. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. A cultura no mundo líquido moderno. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BOSSLE, Fabiano. Nosso “inédito viável”: professor de Educação Física intelectual transformador. In: MALDONADO, Daniel Teixeira; NOGUEIRA, Valdilene Aline; FARIAS, Uirá de Siqueira. Os professores como intelectuais: novas perspectivas didático-pedagógicas na Educação Física escolar brasileira. Curitiba: CRV, 2018. p. 19-34.

BOSSLE, Fabiano. Atualidade e relevância da Educação Libertadora de Paulo Freire na Educação Física Escolar em tempos de “Educação S/A”.In: SOUSA, Cláudio Aparecido de; NOGUEIRA, Valdilene Aline; MALDONADO, Daniel Teixeira (Org). Educação Física Escolar e Paulo Freire: ações e reflexões em tempos de chumbo. Curitiba: Editora CRV, 2019.p. 17-31.

BRACHT, Valter. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes, Ano XIX, nº 48, Agosto/1999, p. 69-88. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/3NLKtc3KPprBBcvgLQbHv9s/?lang=pt. Acesso em jul. 2021.

BRACHT, Valter. ALMEIDA, Felipe Quintão. Pedagogia crítica da educação física: dilemas e desafios na atualidade. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 25, e25001, 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/96196. Acesso em jul. 2021.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Lei nº 9.394: Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília. MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

CRUZ, Lucas Lopez et al. Por um projeto de educação democrático na Educação de Jovens e Adultos. In: BOSSLE, Fabiano. Educação física escolar, etnografias e autoetnografias: a formação de intelectuais transformadores. Curitiba: CRV, 2018, p.43-49.

COELHO, Márcio Cardoso; MALDONADO, Daniel Teixeira; BOSSLE, Fabiano. Professor de Educação Física (escolar) intelectual transformador: resistências ao modelo gerencialista e neoconservador da educação de mercado. Conexões, Campinas: SP, v. 19, p. 21-27, 2021. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8660399

DAYRELL, Juarez. A Escola como Espaço Sócio-Cultural. In: DAYRELL, J. (org). Múltiplos Olhares Sobre Educação e Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996. p. 136-161.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 10.ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido.17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa.16ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GEERTZ, Clifford James. Uma Descrição Densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: GEERTZ, C. J. As Interpretações das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. p. 03-21

GIROUX, Henry Armand. Professores como Intelectuais Transformadores. In: GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, p.157-164.

NEIRA, Marcos Garcia; NUNES, Mário Luiz Ferrari. Pedagogia da cultura corporal: crítica e alternativas. 2ª ed. São Paulo: Phorte, 2008.

NOGUEIRA, Valdilene Aline et al. Práticas corporais e Paulo Freire: uma análise sobre a produção do conhecimento. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 4, p. 1265-1280, out./dez. de 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/85020

PÉREZ GÓMEZ, Angél Ignacio. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo. Letramentos, mídias e linguagens. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais[online], 63|2002. Disponível em: http://journals.openedition.org/rccs/1285. Acesso em set. 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

ZILBERSTEIN, Jacqueline. “PARECER SER”: uma etnografia sobre a cultura juvenil, a Educação Física e a escola pública. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano, Porto Alegre, p.139, 2016.

Downloads

Publicado

2022-03-11

Edição

Seção

Porta Aberta