Práticas corporais e atividades físicas como fator de resistência na história de vida de uma idosa: uma perspectiva salutogênica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e85847

Palavras-chave:

Atividade física, Senso de coerência, Traços de história de vida, Longevidade, Idoso

Resumo

Objetivamos investigar a história de vida de uma idosa e observar se as práticas corporais e atividades físicas (PCAF) aparecem como fator de resistência. Foi conduzido um estudo qualitativo caracterizado como história de vida, com uma idosa de 78 anos de idade. A partir de uma entrevista em profundidade, aberta e não-estruturada, produziram-se os dados que foram tratados com a análise de conteúdo. Identificamos fatores de resistência como sentido de vida, autoestima e assistência social. Variáveis como o ambiente familiar, a escola, a religião e o trabalho tiveram influência direta na aquisição de atitudes positivas para a saúde. As PCAF apareceram como meio para outras formatações como o caso da sociabilidade, do cuidado de si e da significação da vida. Elas ainda oportunizaram a autoestima, como um dos fatores de resistência frente às diversas pressões do meio e tendo interferência essencial para o contínuo saúde-doença.

Biografia do Autor

Maurício Paiva Lira, Universidade Federal do Amazonas

Bacharel em Educação Física - Promoção em Saúde e Lazer pela Universidade Federal do Amazonas.

Inês Amanda Streit, Universidade Federal do Amazonas

Doutora em Ciências do Movimento e Professora da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas.

Cristiano Mezzaroba, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Educação e Professor Adjunto III do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe e também professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UFS).

Victor José Machado de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Educação Física pela Universidade Federal do Amazonas. Professor da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas.

Referências

AMORIM, Cynthia Padua; DIAS, Alessandro Adrelle Eller. A igreja católica e suas influências na alimentação: uma perspectiva histórica. Revista Eletrônica de Teologia e Ciências das Religiões, v. 7, n. 2, p. 3-18, nov. 2019.

ANTONOVSKY, Aaron. Health, stress and coping: new perspectives on mental and physical well-being. 1st ed. San

Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1979.

BEARD, John R. et al. (Orgs.) Global population ageing: peril or promise? Geneva: World Economic Forum, 2012.

BIROLIM, Marcela Maria et al. Trabalho de alta exigência entre professores: associações com fatores ocupacionais conforme o apoio social. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 1255-1264, abr. 2019.

BRODTMANN, Dieter. O que mantém as crianças e jovens mais saudáveis? Novas maneiras de entender a saúde e suas consequências na promoção e educação. In: KUNZ, Elenor; TREBELS, Andreas Heinrich (org.). Educação Física Crítico-Emancipatória: com uma perspectiva da pedagogia alemã do esporte. Ijuí,RS: Unijuí, 2006. p. 95-115.

CASSIANO, Andressa do Nascimento et al. Efeitos do exercício físico sobre o risco cardiovascular e qualidade de vida em idosos hipertensos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 6, p. 2203-2212, jun. 2018.

CORREIA, Priscila Mari dos Santos. O quotidiano de idosos com doença celíaca: histórias de vida perpassadas por mudanças envolvendo o lazer e a promoção da saúde. 2020. 432 f. Tese (Doutorado) – Curso de Educação Física, Centro de Desportos Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

DAMICO, José Geraldo Soares; KNUTH, Alan Goularte. O des(encontro) das práticas corporais e atividade física:

hibridizações e borramentos no campo da saúde. Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 01, p. 329-350, jan./mar. 2014.

DEBERT, Guita Grin. Reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EDUSP, 2012.

ERICSON, Helena; QUENNERSTEDT, Mikael; GEIDNE, Susanna. Physical activity as a health resource: a crosssectional survey applying a salutogenic approach to what older adults consider meaningful in organised physical

activity initiatives. Health Psychology and Behavioral Medicine, v. 9, n. 1, p. 858-74, 2021.

FAJERSZTAJN, Laís; VERAS, Mariana; SALDIVA, Paulo Hilário Nascimento. Como as cidades podem favorecer ou dificultar a promoção da saúde de seus moradores? Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 86, p. 7-27, abr. 2016.

FERNANDES, Janaína da Silva Gonçalves et al. Análise discursiva das representações sociais de idosos sobre suas trajetórias de vida. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 903-920, 2015.

FERREIRA, Heidi Jancer; KIRK, David; DRIGO, Alexandre Janotta. “Não é só exercício físico”: o trabalho de

profissionais de Educação Física na promoção da saúde. Movimento, Porto Alegre, v. 28, e28039, 2022.

GIUMELLI, Raísa Duquia; SANTOS, Marciane Cleuri Pereira. Convivência com animais de estimação: um estudo fenomenológico. Phenomenological Studies – Revista da Abordagem Gestáltica, Goiânia, v. 22, n.1, p. 49-58, abr. 2016.

GOTTLIEB, Maria Gabriela Valle et al. Aspectos genéticos do envelhecimento e doenças associadas: uma complexa rede de interações entre genes e ambiente. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Porto Alegre, v. 10, n. 3, p. 273-284, dez. 2007.

IBGE. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2019: Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

INOUYE, Keika et al. Percepções de suporte familiar e qualidade de vida entre idosos segundo a vulnerabilidade Social. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 23, n. 3. p. 582-592, 2010.

JARDIM, Viviane Cristina Fonseca da Silva; MEDEIROS, Bartolomeu Figueiroa; BRITO, Ana Maria. Um olhar sobre o processo do envelhecimento: a percepção de idosos sobre a velhice. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 25-34, ago. 2006.

KOELEN, Maria; ERIKSSON, Monica; CATTAN, Mima. Older People, Sense of Coherence and Community. In: MITTELMARK, Maurice B. et al. (Orgs.). The Handbook of Salutogenesis. Suíça: Springer, 2017, p. 137-152.

LIMA, Alisson Padilha et al. Grupo de convivência para idosos: o papel do profissional de educação física e as motivações para adesão à prática de atividade física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 48, n. 42, p. 2-8, maio 2019.

MACEDO, Roberto Sidnei. A etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: EDUFBA, 2000.

MATSUDO, Sandra et al. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 7, n. 1, 2-13. jan./fev. 2001.

MORAES, Érika. Ser mulher na atualidade: a representação discursiva da identidade feminina em quadros humorísticos de maitena. In: TASSO, I.; NAVARRO, P. (Orgs.). Produção de identidades e processos de subjetivação em práticas discursivas. Maringá: Eduem, 2012, p. 259-285.

OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. O tema saúde educação física escolar: Uma visão patogenética ou salutogenética. In: KUNZ, Elenor; HILDEBRANDT-STRAMANN, Reiner (org.). Educação física escolar no Brasil. Ijuí, RS: Unijuí, 2004. p. 241-258.

OLIVEIRA, Braulio Nogueira de Oliveira; FEITOSA, Wellington Gomes; FERREIRA, Heraldo Simões. Análise da percepção dos idosos integrantes de grupo de práticas corporais na atenção primária: aspectos motivacionais e o fazer multiprofissional. Motrivivência, Florianópolis, v. 24, n. 38, p. 149-158, jun 2012.

OLIVEIRA, Victor José Machado; MEZZAROBA, Cristiano. Salutogenia na Educação Física escolar: um ensaio para

debater a saúde ampliada. Cadernos de Formação RBCE, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 12-24, set. 2021

OLIVEIRA, Victor José Machado; GOMES, Ivan Marcelo; BRACHT, Valter. Educação para a saúde na educação física escolar: uma questão pedagógica! Cadernos de Formação RBCE, Florianópolis, v. 5. n. 2, p. 68-79, set. 2014.

PIGGIN, Joe. What is physical activity? A holistic definition for teachers, researchers and policy makers. Frontiers in

Sports and Active Living, v. 2, article 72, 2020.

RIBEIRO, José Antonio Bicca et al. Adesão de idosos a programas de atividade física: motivação e significância. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 34, n. 4, p. 969-984, dez. 2012.

RIBEIRO, Fernanda Mendes Lages; MINAYO, Maria Cecília de Souza. O papel da religião na promoção da saúde, na prevenção da violência e na reabilitação de pessoas envolvidas com a criminalidade: revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1773-1789, jun. 2013.

SILVA, Giselia A. P.; COSTA, Karla A. O.; GIUGLIANI, Elsa R. J. Infant feeding: beyond the nutritional aspects. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 92, n. 3, p. 52-57, maio 2016.

SILVA, Andressa Hennig; FOSSÁ, Maria Ivete Trevisan. Análise de conteúdo: Exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualit@s Revista Eletrônica, Brasília, v. 17, n. 1, p. 1-14, nov. 2015.

TAFFAREL, Celi Zulke. Sobre o Sistema de Complexos Homem-Esporte-Saúde: reflexões a partir de contribuições da Alemanha. In: MATIELLO JÚNIOR, Edgard; CAPELA, Paulo; BREILH, Jaime (Org.). Ensaios alternativos latino-americanos de educação física, esportes e saúde. Florianópolis: Copiart, 2010. p. 159-183.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Relatório Mundial de envelhecimento e Saúde. EUA: WHO, 2015.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Edição

Seção

Artigos Originais