“Um bando de homens perdidos que em seu delírio desconheceram Deus, a pátria, a família e a propriedade”: representações da Comuna de Paris nos debates parlamentares brasileiros de 1871

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e93533

Palavras-chave:

Comuna de Paris (1871), Representações, Anticomunismo

Resumo

Este artigo discute algumas das representações da Comuna de Paris mobilizadas por parlamentares brasileiros durante os debates acerca do tema realizados ao longo do ano legislativo de 1871. A partir de uma investigação que tomou como corpus documental os Anais da Câmara dos Deputados e do Senado de 1871, o texto sugere que, para além dos interesses concretos, dos antagonismos partidários e da análise da correlação de forças no sistema internacional, outros elementos são relevantes para compreender as disputas em torno de uma matéria alheia à realidade brasileira. As referências à Comuna de Paris emergiram simultaneamente à tramitação do projeto que se tornou a Lei do Ventre Livre e trechos dos discursos parlamentares expressaram registros de preocupação anticomunista. Portanto, o trabalho busca problematizar as representações mobilizadas pelos legisladores para interpretar e dar sentido aos eventos da Comuna de Paris, inclusive no que dizia respeito a eventuais influxos na sociedade brasileira.

Biografia do Autor

Raimundo Nonato Pereira Moreira, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutor em História pela Unicamp (2007). Professor pleno de História Contemporânea da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da UNEB.

Referências

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Cia. das Letras, 2022.

BACZKO, Bronislaw. Los imaginarios sociales: memorias y esperanzas colectivas. Buenos Aires: Nueva Visión, 1991. p. 11-32.

BATALHA, Claudio H. M. Três visões da Comuna de Paris: Benoît Malon, Louise Michel e Prosper-Olivier Lissagary. In: BOITO JR., Armando (org.). A Comuna de Paris na História. São Paulo: Xamã, 2001. p. 109-120.

BONET, Luciano. Anticomunismo. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política (volume 1). Brasília: Ed. UnB, 1998. p. 34-35.

BURKE, Peter. História como memória social. In: BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. p. 67-89.

CARO, Elme-Marie. Études morales sur le temps présent. Paris: Hachette, 1887. Disponível em: < https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k83915v.pdf>. Acesso em: 31 jan. 2023.

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. História e historiadores na vulgarização científica do Brasil oitocentista: as “Conferências Populares da Glória”. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 14, n. 37, p. 135-170, set.-dez. 2021. Disponível em: <https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1780/967>. Acesso em: 2 mar. 2023.

CAVALCANTE NETO, Faustino Teatino. Reflexões para uma história política do anticomunismo no Brasil. In: MUNIZ, Altemar da Costa; MARTINS, Luis Carlos dos Passos (orgs.). História Política: interfaces e diálogos. Porto Alegre; Fortaleza: EDIPUCRS; EDUECE, 2016. p. 161-202.

CHARTIER, Roger. Introdução. Por uma sociologia das práticas culturais. In: CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1988. p. 13-27.

COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

DIAS, Everardo. História das lutas sociais no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1977.

GINZBURG, Carlo. Representação. A palavra, a ideia, a coisa. In: GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Cia. das Letras, 2001. p. 85-103.

GONZÁLEZ, Horácio. A Comuna de Paris: os assaltantes do céu. São Paulo: Brasiliense, 1999. (Col. Tudo é História, 24).

HARDMAN, Francisco Foot. Incêndios sublimes: figurações da Comuna no Brasil. In: BOITO JR., Armando (org.). A Comuna de Paris na História. São Paulo: Xamã, 2001. p. 183-215.

HOBSBAWM, Eric. J. A era do capital, 1848-1875. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2021.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (dir.). O Brasil Monárquico, v. 7: do Império à República. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. (História Geral da Civilização Brasileira, t. 2, v. 7).

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

IGLÉSIAS, Francisco et al. O Brasil Monárquico, v. 5: reações e transições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. (História Geral da Civilização Brasileira, t. 2, v. 5).

JONES, Gareth Stedman. Karl Marx: grandeza e ilusão. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

LEMOS, Renato. A alternativa republicana e o fim da monarquia. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil Imperial, volume III: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 401-444.

LISSAGARY, Hippolyte Prosper-Olivier. História da Comuna de 1871. São Paulo: Expressão Popular, 2021.

LOURENÇO, Fernando. “Delito de lesa-humanidade”: os parlamentares do Império brasileiro frente à Comuna de Paris. In: BOITO JR., Armando (org.). A Comum de Paris na História. São Paulo: Xamã, 2001. p. 171-181.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. “Teremos grandes desastres, se não houver providências enérgicas e imediatas”: a rebelião dos escravos e a abolição da escravidão. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil Imperial, volume III: 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 367-400.

MALATIAN, Teresa. O “perigo vermelho” e o catolicismo no Brasil. In: MALATIAN, Teresa; LEME, Marisa Saenz; MANOEL, Ivan Aparecido (orgs.). As múltiplas dimensões da política e da narrativa. São Paulo: UNESP, 2003. p. 173-183.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. In: REIS FILHO, Daniel Aarão (org.). O Manifesto Comunista 150 anos depois. Rio de Janeiro; São Paulo: Contraponto; Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 7-41.

MELO, Clóvis. A Comuna de Paris e o Brasil. In: TROTSKI, L. et al. A Comuna de Paris. Rio de Janeiro: Laemmert, 1968. p. 245-270.

MERRIMAN, John. A Comuna de Paris: 1871: origens e massacre. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2015.

MORAES FILHO, Evaristo de. A proto-história do marxismo no Brasil. In: MORAES, João Quartim de; REIS, Daniel Aarão (orgs.). História do marxismo no Brasil: volume 1: O impacto das revoluções. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 2007. p. 11-49.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). Niterói: Eduff, 2020.

RODEGHERO, Carla Simone. O diabo é vermelho: imaginário anticomunista e Igreja Católica no Rio Grande do Sul. Passo Fundo, RS: Ed. UPF, 2003.

ROSS, Kristin. Luxo comunal: o imaginário político da Comuna de Paris. São Paulo: Autonomia Literária, 2021.

SALLES, Ricardo. E o Vale era o escravo. Vassouras, século XIX. Senhores e escravos no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

TAVARES, José Nilo. A Comuna de Paris e o Brasil. In: TAVARES, José Nilo. Marx, o socialismo e o Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983. p. 95-107.

TAVARES, José Nilo. Marx e o Brasil: indicações. In: KONDER, Leandro; CERQUEIRA FILHO, Gisálio; FIGUEIREDO, Eurico de Lima (orgs.). Por que Marx? Rio de Janeiro: Graal, 1983. p. 177-204.

Downloads

Publicado

2023-05-22

Como Citar

PEREIRA MOREIRA, Raimundo Nonato. “Um bando de homens perdidos que em seu delírio desconheceram Deus, a pátria, a família e a propriedade”: representações da Comuna de Paris nos debates parlamentares brasileiros de 1871. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e93533. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/93533. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos