Primer anarquismo español y cultura obrera (1868-1910). El peso de la subordinación a la defensa de la identidad obrera

Autores

  • Michel Ralle CONICET - Universidad de Buenos Aires Universidad Nacional de San Martín

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2013v5n9p139

Resumo

As interpretações particulares dos grandes temas libertários por parte dos antiautoritários espanhóis se apoiaram nas elaborações sociais e discursivas dos coletivos operários. Iniciativas de organização e modelos de defesa levaram a verdadeiras construções ideológicas que deram um caráter totalmente operário às propostas habituais do anarquismo bakuninista. Tanto a exaltação da organização concebida como fim em si mesmo como a reticência em propor a greve geral foram duradouras. O objetivo essencial continuou sendo a defesa prioritária da identidade operária e de suas formas de presença social. Até nos grandes conflitos dos primeiros anos do século XX são visíveis as tensões entre estas interpretações e a visão libertária de mudança social, mais ideológica e mais radical.

Downloads

Publicado

2013-09-02

Como Citar

RALLE, Michel. Primer anarquismo español y cultura obrera (1868-1910). El peso de la subordinación a la defensa de la identidad obrera. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 5, n. 9, p. 139–170, 2013. DOI: 10.5007/1984-9222.2013v5n9p139. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2013v5n9p139. Acesso em: 23 jun. 2024.