Cotidiano urbano e rebeldia popular nas origens do Quebra-Bondes (Salvador, 1926-1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e95167

Palavras-chave:

Revolução de 30, Quebra-Bondes, política

Resumo

Os acontecimentos de outubro de 1930, que culminaram na queda da 1ª República (1889-1930), foram marcados em Salvador por um protesto contra a Linha Circular, companhia monopolizadora dos serviços urbanos (transporte público, telefonia e eletricidade). Entre o início da noite do dia 4 e o início da madrugada do dia 5, populares atacaram o material fixo e rodante da subsidiária da General Electric, deixando prejuízos calculados entre 1 e 2 milhões de dólares. O protesto comprometeu, assim, não apenas transporte público, eletrificação e telefonia, mas o abastecimento hídrico, em parte dependente da eletricidade. Entretanto, apesar de ter marcado memória, o Quebra-Bondes, como a insurreição ficou conhecida, recebeu pouca atenção da historiografia. O atual artigo apresenta um quadro sistemático da situação do transporte público, da energia e do telefone nos quatro anos anteriores ao Quebra-Bondes. Ele redimensiona o significado do quebra-quebra, ao apontar o papel indireto ou parcial exercido pela Circular em três outros setores, que são a moradia, o saneamento e o abastecimento. Não aborda o protesto propriamente dito, nem sua relação com a Revolução de 1930; entretanto, analisa quebra-bondes ocorridos nos anos anteriores, cujo formato antecipou o motim dos dias 4 e 5. Essas manifestações precedentes mostraram uma memória consolidada sobre a capacidade de as classes populares perturbarem o cotidiano de uma cidade em metamorfose, em transformação. 

Biografia do Autor

Jonas Brito, Sem filiação

Graduou-se em História pela Universidade Federal da Bahia (2012), obtendo pela mesma instituição título de mestre em História Social (2014). Doutor em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (2023), interessa-se pela história social e política do Brasil Republicano, com foco em campanhas eleitorais e motins populares. 

Referências

ALMEIDA, Fernando. “As últimas depredações do último dia 4 de outubro”: o quebra-Bondes e outras questões referentes ao transporte coletivo em Salvador. 2017 Trabalho de conclusão de curso (Graduação em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

BELENS, Adroaldo. Modernidade sem rosto: Salvador e a telefonia (1881-1924). Simões Filho: Kalango, 2010.

BRITO, Jonas. O Quebra-Bondes: política e protesto urbano na I República (Salvador, 1926-1930). 2023. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2023.

CHALHOUB, Sidney. Classes perigosas. Trabalhadores. N. 6. 1990.

CUNHA, Joaci. O fazer política da Bahia, 1904-1930. 2011. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

NEGRO, Antonio; BRITO, Jonas. Insurgentes incendeiam a cidade da Bahia. O Quebra Bondes e a Revolução de 30. Revista de Estudos Históricos, vol. 33, n 71, p. 579-599, set.-dez. 2020.

PINHEIRO, Eloísa. Europa, França e Bahia. Difusão e adaptação de modelos urbanos (Paris, Rio e Salvador). Salvador: Edufba, 2011.

REBOUÇAS, Daniel; OBERLAENDER, Fernando; FARIAS, Juliana. A Cidade da Bahia e a eletricidade. Salvador: Caramurê, 2022.

REIS, João; AGUIAR, Márcia. “Carne sem Osso e Farinha sem Caroço”: o motim de 1858 contra a carestia na Bahia. Revista de História, 135, p. 133-159, 2º semestre de 1996.

SAES, Alexandre. Conflitos do capital: Light versus CBEE na formação do capitalismo brasileiro (1898-1927). Bauru: Edusc, 2010.

SAMPAIO, Consuelo. Poder & representação. O Legislativo da Bahia na Segunda República, 1930-1937. Salvador: Assembleia Legislativa, 1992.

SANT’ANA, Luís. Os olhares diplomáticos estadunidenses sobre o Brasil em tempos de revolução (1930-1932). 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

SANTOS, Mário. A República do povo: sobrevivência e tensão. Salvador (1890-1930). Salvador: Edufba, 2001.

SANTOS, Robert. Serviços de transportes na cidade baixa da Bahia: o Quebra-Bondes e trabalhadores em cena (1900-1915). 2022. Monografia (Graduação em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, 2022.

TAVARES, Luís. História da Bahia. São Paulo: Edusp, 2008.

Downloads

Publicado

2023-08-29

Como Citar

BRITO, Jonas. Cotidiano urbano e rebeldia popular nas origens do Quebra-Bondes (Salvador, 1926-1930). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–24, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e95167. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/95167. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.