Educação em sexualidade na Europa e as sexualidades interseccionais do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n174630

Palavras-chave:

Educação em sexualidade, Comprehensive Sexuality Education, Standards for Sexuality Education, Interseccionalidade

Resumo

No presente artigo, temos por objetivo investigar a política europeia de educação em sexualidade com base nos Standards for Sexuality Education in Europe e tecer breves considerações sobre sua adequação à realidade brasileira sob o critério formal, relativo às leis educacionais brasileiras; e material, relativo à sua capacidade de representar uma noção interseccional de sexualidade vivenciada no Sul Global de origens coloniais. A investigação utilizou método dialético, tendo por base metodologia exploratória, e constatamos que o modelo europeu sugere uma abordagem abrangente da sexualidade, que vai além das questões de saúde sexual e reprodutiva, e propõe o questionamento das normas e relações de poder que constituem social, política, cultural e historicamente o gênero e a sexualidade. Todavia, para uma implementação no Brasil pós-colonial, é preciso observar uma noção ainda mais abrangente, incorporando a relação da sexualidade com outros marcadores sociais, a exemplo de raça e classe.

Biografia do Autor

Antônio Rodrigues Neto, Universidade do Estado de Minas Gerais

Mestre em Direitos Humanos pela UFMS. Professor do curso de Direito da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Lei nº 8.069/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 1990. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Lei nº 9.394/1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, 1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos Temas Contemporâneos Transversais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Lei nº 10.639/2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. 2003. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/2191-plano-nacional-pdf/file. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Decreto nº 7.037/2009. Aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH-3 e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 2009. Disponível em http://www.planalto.gov.br/cciviL_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7037.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Lei nº 13.005/2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em 04/05/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de implementação da Base Nacional Comum Curricular: orientações para o processo de implementação da BNCC. Brasília: MEC, 2020. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/guia_BNCC_2018_atualizacao_2020_cap_1_ao_6_interativo_28.pdf. Acesso em 04/05/2020.

BZGA. BUNDESZENTRALE FÜR GESUNDHEITLICHE AUFKLÄRUNG. Sexuality Education in Europe and Central Asia: state of the art and recent developments. Cologne: BZgA and IPPF EN, 2018. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000183281_por. Acesso em 04/05/2020.

CEDH. CONVENÇÃO EUROPEIA DOS DIREITOS HUMANOS. Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Roma, 1950.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100011&lng=en&nrm=iso. Acesso em 04/05/2020.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade [recurso eletrônico]. Tradução de Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2020.

EU. EUROPEAN UNION. Policies for Sexuality Education in UE: note. Brussels: European Union, 2013. Disponível em https://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/note/join/2013/462515/IPOL-FEMM_NT(2013)462515_EN.pdf. Acesso em 04/05/2020.

KETTING, Evert; FRIELE, Minou; MICHIELSEN, Kristien. “Evaluation of Holistic Sexuality Education: A European expert group consensus agreement”. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care, 2015. Disponível em http://icrhb.org/sites/default/files/Ketting_Evaluation%20HSE_2015.pdf. Acesso em 04/05/2020.

LOURO, Guacira Lopes. “Pedagogias da Sexualidade”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. 4 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. p. 9-42.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de Freitas. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo: Editora da Universidade Feevale, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Para Além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes”. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 23-71.

SANTOS, Boaventura de Souza. “Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento”. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MARTINS, Bruno Sena (Orgs.). O Pluriverso dos Direitos Humanos: a diversidade das lutas pela dignidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. p. 39-61.

UNESCO. UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION. Orientação Técnica Internacional sobre Educação em Sexualidade: uma abordagem baseada em evidências para escolas, professores e educadores em saúde. Vol. I - Razões em favor da educação em sexualidade. Unesco Digital Library. Paris, 2010. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000183281_por. Acesso em 04/05/2020.

UNESCO. UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION. Comprehensive Sexuality Education: a global review. Section for Health and Global Citizenship Education. Unesco Digital Library. Paris, 2015. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000235707. Acesso em 04/05/2020.

UNESCO. UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION. Facing the facts: the case for comprehensive sexuality education. Unesco Digital Library, 2019. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000368231?posInSet=3&queryId=ee62c76a-5b69-40a1-b56a-eb9d0198d283. Acesso em 04/05/2020.

WHO; BZGA. WORLD HEALTH ORGANIZATION; BUNDESZENTRALE FÜR GESUNDHEITLICHE AUFKLÄRUNG. Standards for Sexuality Education in Europe: a framework for policy makers, educational and health authorities and specialists. Cologne: BZgA and the WHO Regional Office for Europe, 2010. Disponível em https://www.bzga-whocc.de/en/publications/standards-in-sexuality-education/. Acesso em 04/05/2020.

WHO; BZGA. WORLD HEALTH ORGANIZATION; BUNDESZENTRALE FÜR GESUNDHEITLICHE AUFKLÄRUNG. Policy Brief No.1. Sexuality Education: what is it? Cologne: BZgA and the WHO Regional Office for Europe, 2016. Disponível em https://www.bzga-whocc.de/fileadmin/user_upload/Dokumente/Sexuality_education_Policy_brief_No_1.pdf. Acesso em 04/05/2020.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Edição

Seção

Artigos