Análise da Auditoria Interna aos Princípios do Processo de Produção de Informações Estratégicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e71393

Palavras-chave:

Informação Estratégica, Auditoria Interna, Gestão da Informação

Resumo

Objetivo: Verificar o grau de aderência da auditoria interna aos PPIE – Princípios de Produção de Informações Estratégicas, método proposto por Washington Platt.

Método: A abordagem é de uma pesquisa-ação, de natureza aplicada, visto que se estabeleceu uma relação entre o conhecimento e ação, implicada na situação investigada frente a realidade; bibliográfico com intuito de pesquisar a respeito do modelo de Platt (1974), e documental focado no exame das normas do IPPF. Ainda, usou-se do levantamento com entrevista para investigar as etapas da produção de informação estratégicas na prática da auditoria.

Resultado: Os resultados da pesquisa indicam que as etapas práticas da auditoria interna são aderentes ao modelo de criação de informação estratégica utilizado.

Conclusões: Concluiu-se que a auditoria interna, na prática, é um processo de produção de informação estratégica.

Biografia do Autor

Gabriela Sofia Belo Brandes, UnB - Universidade de Brasília Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas(FACE)

Especialista em Auditoria e Perícia pela Universidade de Brasília (UnB). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (UnB) em 2015. Em 2014 começou sua trajetória no ramo da auditoria, inicialmente como auditora externa na PwC (2014-2016), compondo a equipe de auditoria interna na Postal Saúde (2016-2019), atuando principalmente na gestão de riscos e controles, e depois assumiu o cargo de auditor interno no Senar (a partir de 2019). Atualmente cursa especialização em Auditoria e Perícia Contábil na Universidade de Brasília (UnB). Fomentadora de soluções empresariais que visam a conformidade de processos e aprimoramento dos controles internos, com o intuito de mitigar a exposição a possíveis riscos. Possui como ponto focal de estudo, a Estrutura Internacional de Práticas Profissionais (IPPF).

José Humberto da Cruz Cunha, UnB - Universidade de Brasília Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas(FACE)

Doutor em Ciência da Informação, Mestre em Ciências Contábeis, Especialista em Auditoria e Controladoria e Bacharel em Ciências Contábeis (todos pela Universidade de Brasília). Interessado na área de Auditoria (Operacional, Relatórios Contábeis e Compliance), Business Intelligence, Big Data e Data Analytics. Atualmente é professor do Departamento de Ciências Contábeis da UnB. Possui 15 anos de experiência em auditoria independente, atuando principalmente no Conselho Federal de Administração (CFA) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de outras entidades públicas e privadas. Tenho experiência na área de prestação de contas para entidades sem fins lucrativos a partir da prestação de serviços de consultoria. Experiências baseadas em resultados para reestruturação de empresas na gestão de equipes, reorgnização financeira e controles internos. Além disso, possuo experiência com perícias judiciais na função de assistente das partes e de confiança do juiz. 

Rogério Henrique de Araújo Júnior, UnB - Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação (FCI)

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e Professor da Faculdade de Ciência da Informação da mesma Universidade. É líder do Grupo de Pesquisa: Estudos de Representação e Organização da Informação e do Conhecimento (EROIC) e membro do Grupo Inteligência Organizacional e Competitiva registrados no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq e Membro da Comissão de Avaliação da Área de Arquivologia do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais do Ministério da Educação (INEP/MEC) desde 2006. Atuou como Coordenador do Curso de Arquivologia do Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília entre 2003 e 2004, como Vice-Diretor da Faculdade de Ciência da Informação entre 2011 e 2014, Coordenador Substituto do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação entre 2016 e 2018, Membro Titular do Conselho Pesquisa e Pós-Graduação e Membro do Núcleo Docente Estruturante dos Curso de Arquivologia da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília. Atualmente é Vice-Diretor da Faculdade de Ciência da Informação. Linhas de Ensino e Pesquisa: Representação e organização da informação; Gestão de documentos; Indexação de Documentos de Arquivo; Planejamento e gestão de sistemas de informação; Gestão do conhecimento; Inteligência competitiva. 

Alex Laquis Resende, UnB - Universidade de Brasília Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas(FACE)

Atualmente cursa Doutorado em Mensuração contábil na Universidade de Brasília - UnB. Possui graduação em Ciências Contábeis pela AEUDF (1999) , pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior (UNEB) e mestrado em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (2003). Tem experiência como perito contador da Justiça, como consultor e auditor independente. Atualmente é professor assistente do curso de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade de Brasília - UnB. Já atuou na área de Matemática, com ênfase em Álgebra e Matemática Financeira.

Referências

ALBUQUERQUE, Sérgio Farias de. A representação das necessidades de informação gerencial nos núcleos de informação para avaliação e gestão de empreendimentos. 2012. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

BALDISSERA, Adelina. Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate, v. 7, n. 2, p. 5-25, 2012.

CARVALHAL, Karla Lustosa de Mello. A atividade de produção de informações estratégicas: paralelo entre os princípios de Washington Platt e a gestão comercial das empresas de mídia impressa em Brasília. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento. São Paulo: SENAC, 2006.

CUNHA, José Humberto da Cruz. Estudo do emprego da taxonomia como instrumento auxiliar para decisões táticas no processo de auditoria. 2017. 210 f., il. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

FONSECA, João José Saraiva. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UFCE, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

HERRING, J. P. Key intelligence topics: a process to identify and define intelligence needs. Competitive Intelligence Review, v. 10, n. 2, p.4-14,1999.

INSTITUTE OF INTERNAL AUDITORS (IIA). About IAA: mission and history. Lake Mary: IIA, 2019. Disponível em: https://global.theiia.org/about/about-the-iia/Pages/About-The-Institute-of-Internal-Auditors.aspx. Acesso em 26 de dez. 2019.

INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL (IIA). Normas internacionais para a prática profissional de auditoria interna. São Paulo: IIA, 2017. Disponível em: https://iiabrasil.org.br/ippf/normas-internacionais. Acesso em: 26 de nov. de 2019.

PLATT, W. A produção de informações estratégicas. Rio de Janeiro: Agir, 1974.

RODRIGUES, William Costa et al. Metodologia científica. Pacarambi: Faetec/IST, 2007.

THIOLLENT, Michel J. M. Metodologia da pesquisa-ação na instituição educativa. São Paulo: Cortez, 2011.

Publicado

2020-09-02

Edição

Seção

Artigo