Recursos educacionais abertos para o Ensino de Física: um curso de extensão para licenciandos brasileiros e colombianos

Autores

  • Douglas Grando de Souza Mestrando em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Elkin Adolfo Vera Rey Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Ives Solano Araujo Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Eliane Angela Veit Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n3p795

Palavras-chave:

Recursos Educacionais Abertos, Práticas Educacionais Abertas, Comunidade de Prática, Formação de Professores, Ensino de Física

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um relato da experiência de planejamento e desenvolvimento do curso de extensão Recursos Educacionais Abertos para o Ensino de Física. O curso, na modalidade a distância, foi planejado tendo como base a Teoria Social da Aprendizagem de Etienne Wenger. Seu objetivo foi congregar licenciandos de Física colombianos e brasileiros, buscando favorecer o eventual surgimento de uma Comunidade de Prática interessada no desenvolvimento de Práticas Educacionais Abertas no Ensino de Física. Realizado ao longo de doze semanas, com carga horária de 30h, o curso contou com a participação inicial de 40 licenciandos de Física. Destacam-se, nas atividades do curso, a busca e ensaio de solução de situações-problemas da sala de aula de professores de Física, através do trabalho colaborativo em equipes.  Todas as atividades conjuntas foram realizadas em ambientes de comunicação e de trabalho colaborativo virtuais e open- source. Após o fim do curso, alguns dos participantes demonstraram interesse na continuidade das ideias e atividades – desenvolvendo um trabalho conjunto até a presente data.

Biografia do Autor

Douglas Grando de Souza, Mestrando em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura em Física (2019) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) de Porto Alegre e atualmente é aluno de Mestrado em Ensino de Física pela mesma universidade. É bolsista CAPES.

Elkin Adolfo Vera Rey, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura em Física (2010) pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas de Bogotá, Colômbia, Mestrado em Educação (2015) pela mesma universidade e atualmente é aluno de Doutorado em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul de Porto Alegre. É bolsista CAPES de doutorado sanduíche realizado na Universidade de Burgos, Espanha.

Ives Solano Araujo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Física (2000) pela Universidade Federal do Rio Grande, Mestrado em Física na área de concentração Ensino de Física (2002) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutorado em Física também voltado ao Ensino de Física (2005) pela mesma universidade. Realizou um estágio pós-doutoral na Universidade de Harvard (EUA, 2009-2010). Atualmente é Professor Associado III do Departamento de Física, UFRGS, Editor da revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física da UFRGS. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – Nível 2 (Educação).

Eliane Angela Veit, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tem graduação em Licenciatura em Física (1975), Mestrado (1979) em Física e Doutorado (1981) em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Realizou estágio pós-doutoral em TRIUMF, University of British Columbia, Vancouver, Canadá (1981-1983). É professora do Departamento de Física da UFRGS desde 1979, sendo atualmente professora titular. Participou da criação do Programa de Pós-Graduação do Ensino de Física da UFRGS (2002) e do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (2013), promovido pela Sociedade Brasileira de Física/CAPES. É editora adjunta da revista Investigações em Ensino de Ciências e líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da UFRGS, registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa.

Referências

ABED. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCA. Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Curitiba: InterSaberes, 2018.

AKERSON, V. L.; DONNELY, L. A.; RIGGS, M. L.; EASTWOOD, J. L. Developing a Community of Practice to Support Preservice Elementary Teachers’ Nature of Science Instruction. International Journal of Science Education, v. 34, n. 9, p. 1371-1392, 2012.

ALMEIDA, V. de O.; CRUZ, C. A. de; SOAVE, P. A. Concepções alternativas em óptica. Porto Alegre: Instituto de Física, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, 2007. v. 18.

ANDRADE, R. S. de; COELHO, G. R. Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação em cursos de licenciatura em Física de uma universidade pública federal: “usos” estabelecidos por professores universitários no processo de formação inicial. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 35, n. 3, p. 888-916, 2018.

ARIMOTO, M. M.; BARROCA, L.; BARBOSA, E. F. Recursos Educacionais Abertos: aspectos de desenvolvimento no cenário brasileiro. Revista de Novas Tecnologias no Ensino, v. 12, n. 2, 2014.

CLARKE, L. The POD model: Using communities of practice theory to conceptualise student teachers’ professional learning online. Computers & Education, v. 52, p. 521-529, 2009.

DANTAS, C. S.; GERMANO, M. G.; MOITA, F. M. G. da S. C.; LUNA, E. M. Ensinar e Aprender Física com Apoio de Recursos Digitais: Enfoque na Aprendizagem Significativa. Informática na Educação: teoria & prática, v. 17, n. 1, 2014.

EL-HANI, C. N.; GRECA, I. M. ComPratica: A Virtual Community of Practice for Promoting Biology Teachers’ Professional Development in Brazil. Research in Science Education, v. 43, n. 4, p. 1327-1359, 2013.

GARCÍA, J. M.; GRECA, I. M.; MENESES, J. Á. Comunidades virtuales de práctica para el desarrollo profesional docente en Enseñanza de las Ciencias. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 7, n. 2, p. 439-462, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal nas Instituições Sociais. Revista do Programa de Pós-graduação em Educação da Unochapecó, v. 18, n. 39, p. 59-75, 2016.

GRETTON, A. L.; BRIDGES, T.; FRASER, J. M. Transforming physics educator identities: TAs help TAs become teaching professionals. American Journal of Physics, v. 85, n. 5, p. 381-391, 2017.

LOPES, R. P.; FÜRKOTTER, M. Formação inicial de professores em tempos de TDIC: uma questão em aberto. Educação em Revista, v.32, n. 4, p. 269-296, 2016.

MARTINEZ, R.; LEITE, C.; MONTEIRO, A. Os desafios das TIC para a formação inicial de professores: uma análise da agenda internacional e suas influências nas políticas portuguesas. Crítica Educativa, v. 1, n. 1, p. p. 21-40, 2015.

MARCOLLA, V. Como professores e alunos percebem as tecnologias de informação e comunicação nos cursos de licenciatura. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, Anais... Caxambu: ANPEd, p. 1-13, 2008.

MEDEIROS, A.; MEDEIROS, C. F. Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, 2002.

OEI. Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. Metas Educativas 2021: A educação que queremos para a geração dos bicentenários. 2010. Disponível em: https://www.oei.es/uploads/files/microsites/28/135/documento-completo.pdf. Acesso em: abr. 2019.

SANTOS, A. I. dos. Educação aberta: histórico, práticas e o contexto dos recursos educacionais abertos. In: SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N. de L. (Orgs.) Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012.

SANTOS, A. I. dos. Recursos Educacionais Abertos no Brasil: o Estado da Arte, Desafios e Perspectivas para o Desenvolvimento e Inovação. Tradução: DB Comunicação. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2013.

SCHUHMACHER, V. R. N.; ALVES FILHO, J. de P.; SCHUHMACHER, E. As barreiras da prática docente no uso das tecnologias de informação e comunicação. Ciência & Educação, v. 23, n. 3, p. 563-576, 2017.

UNESCO. Declaração REA de Paris em 2012. 2012. Disponível em: https://educacaoaberta.org/declaracao-mundial-sobre-rea/. Acesso em: abr. 2019.

UNESCO. Diretrizes para Recursos educacionais abertos (REA) no Ensino Superior. 2015. Disponível em: unesdoc.unesco.org/images/0023/002328/232852por.pdf. Acesso em: abr. 2019.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4. 2016. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243278_por. Acesso em: abr. 2019.

WENGER, E. Comunidades de Práctica: aprendizaje, significado e identidad. Tradução:Genís Sánchez Barberán. Barcelona: Paidós, 2001.

WENGER, E.; McDERMOTT, R.; SNYDER, W. M. Cultivating Communities of Practice: a guide to managing knowledge. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press, 2002.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Edição

Seção

Relatos e propostas de experiências didáticas