Recursos educacionais abertos para o Ensino de Física: um curso de extensão para licenciandos brasileiros e colombianos

Douglas Grando de Souza, Elkin Adolfo Vera Rey, Ives Solano Araujo, Eliane Angela Veit

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar um relato da experiência de planejamento e desenvolvimento do curso de extensão Recursos Educacionais Abertos para o Ensino de Física. O curso, na modalidade a distância, foi planejado tendo como base a Teoria Social da Aprendizagem de Etienne Wenger. Seu objetivo foi congregar licenciandos de Física colombianos e brasileiros, buscando favorecer o eventual surgimento de uma Comunidade de Prática interessada no desenvolvimento de Práticas Educacionais Abertas no Ensino de Física. Realizado ao longo de doze semanas, com carga horária de 30h, o curso contou com a participação inicial de 40 licenciandos de Física. Destacam-se, nas atividades do curso, a busca e ensaio de solução de situações-problemas da sala de aula de professores de Física, através do trabalho colaborativo em equipes.  Todas as atividades conjuntas foram realizadas em ambientes de comunicação e de trabalho colaborativo virtuais e open- source. Após o fim do curso, alguns dos participantes demonstraram interesse na continuidade das ideias e atividades – desenvolvendo um trabalho conjunto até a presente data.


Palavras-chave


Recursos Educacionais Abertos; Práticas Educacionais Abertas; Comunidade de Prática; Formação de Professores; Ensino de Física

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABED. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCA. Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Curitiba: InterSaberes, 2018.

AKERSON, V. L.; DONNELY, L. A.; RIGGS, M. L.; EASTWOOD, J. L. Developing a Community of Practice to Support Preservice Elementary Teachers’ Nature of Science Instruction. International Journal of Science Education, v. 34, n. 9, p. 1371-1392, 2012.

ALMEIDA, V. de O.; CRUZ, C. A. de; SOAVE, P. A. Concepções alternativas em óptica. Porto Alegre: Instituto de Física, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, 2007. v. 18.

ANDRADE, R. S. de; COELHO, G. R. Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação em cursos de licenciatura em Física de uma universidade pública federal: “usos” estabelecidos por professores universitários no processo de formação inicial. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 35, n. 3, p. 888-916, 2018.

ARIMOTO, M. M.; BARROCA, L.; BARBOSA, E. F. Recursos Educacionais Abertos: aspectos de desenvolvimento no cenário brasileiro. Revista de Novas Tecnologias no Ensino, v. 12, n. 2, 2014.

CLARKE, L. The POD model: Using communities of practice theory to conceptualise student teachers’ professional learning online. Computers & Education, v. 52, p. 521-529, 2009.

DANTAS, C. S.; GERMANO, M. G.; MOITA, F. M. G. da S. C.; LUNA, E. M. Ensinar e Aprender Física com Apoio de Recursos Digitais: Enfoque na Aprendizagem Significativa. Informática na Educação: teoria & prática, v. 17, n. 1, 2014.

EL-HANI, C. N.; GRECA, I. M. ComPratica: A Virtual Community of Practice for Promoting Biology Teachers’ Professional Development in Brazil. Research in Science Education, v. 43, n. 4, p. 1327-1359, 2013.

GARCÍA, J. M.; GRECA, I. M.; MENESES, J. Á. Comunidades virtuales de práctica para el desarrollo profesional docente en Enseñanza de las Ciencias. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 7, n. 2, p. 439-462, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal nas Instituições Sociais. Revista do Programa de Pós-graduação em Educação da Unochapecó, v. 18, n. 39, p. 59-75, 2016.

GRETTON, A. L.; BRIDGES, T.; FRASER, J. M. Transforming physics educator identities: TAs help TAs become teaching professionals. American Journal of Physics, v. 85, n. 5, p. 381-391, 2017.

LOPES, R. P.; FÜRKOTTER, M. Formação inicial de professores em tempos de TDIC: uma questão em aberto. Educação em Revista, v.32, n. 4, p. 269-296, 2016.

MARTINEZ, R.; LEITE, C.; MONTEIRO, A. Os desafios das TIC para a formação inicial de professores: uma análise da agenda internacional e suas influências nas políticas portuguesas. Crítica Educativa, v. 1, n. 1, p. p. 21-40, 2015.

MARCOLLA, V. Como professores e alunos percebem as tecnologias de informação e comunicação nos cursos de licenciatura. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, Anais... Caxambu: ANPEd, p. 1-13, 2008.

MEDEIROS, A.; MEDEIROS, C. F. Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, 2002.

OEI. Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. Metas Educativas 2021: A educação que queremos para a geração dos bicentenários. 2010. Disponível em: https://www.oei.es/uploads/files/microsites/28/135/documento-completo.pdf. Acesso em: abr. 2019.

SANTOS, A. I. dos. Educação aberta: histórico, práticas e o contexto dos recursos educacionais abertos. In: SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N. de L. (Orgs.) Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. São Paulo: Casa da Cultura Digital, 2012.

SANTOS, A. I. dos. Recursos Educacionais Abertos no Brasil: o Estado da Arte, Desafios e Perspectivas para o Desenvolvimento e Inovação. Tradução: DB Comunicação. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2013.

SCHUHMACHER, V. R. N.; ALVES FILHO, J. de P.; SCHUHMACHER, E. As barreiras da prática docente no uso das tecnologias de informação e comunicação. Ciência & Educação, v. 23, n. 3, p. 563-576, 2017.

UNESCO. Declaração REA de Paris em 2012. 2012. Disponível em: https://educacaoaberta.org/declaracao-mundial-sobre-rea/. Acesso em: abr. 2019.

UNESCO. Diretrizes para Recursos educacionais abertos (REA) no Ensino Superior. 2015. Disponível em: unesdoc.unesco.org/images/0023/002328/232852por.pdf. Acesso em: abr. 2019.

UNESCO. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4. 2016. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243278_por. Acesso em: abr. 2019.

WENGER, E. Comunidades de Práctica: aprendizaje, significado e identidad. Tradução:Genís Sánchez Barberán. Barcelona: Paidós, 2001.

WENGER, E.; McDERMOTT, R.; SNYDER, W. M. Cultivating Communities of Practice: a guide to managing knowledge. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n3p795

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >