O corpo nas aulas de Educação Física: concepções e práticas pedagógicas no colégio da polícia militar

Aline Gomes Machado, Tadeu João Ribeiro Baptista

Resumo


O presente estudo tem como objetivo principal investigar como as questões relativas ao corpo têm sido desenvolvidas nas aulas de Educação Física em um colégio da Polícia Militar de Goiânia. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, com coleta feita pela entrevista semiestruturada e análise dos documentos norteadores da prática pedagógica dos professores de Educação Física. Pôde-se perceber que a relação entre corpo e aprendizagem nas aulas de Educação Física estão distantes dos aspectos da linguagem e da expressão corporal, tendo como eixo norteador, o esporte. Existe uma preocupação com aspectos transversais, mas, eles tendem a ser tratados como debates e não problematizados nas próprias práticas corporais. Apesar do potencial desses temas para uma formação crítica, eles são negligenciados na práxis pedagógica da Educação Física escolar sem as experiências sistematizadas. Portanto, não há a aquisição de conhecimento das diversas manifestações culturais que poderiam emergir criticamente das aulas.


Palavras-chave


Educação física; Corpo; Linguagem; Colégio militar

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Educação e Emancipação. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

CANGUILHEM, Georges. Escritos sobre medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

CARVALHO, Celso.; BAUER, Carlos. Os desafios da educação profissional no contexto de crise do capitalismo contemporâneo. Revista ORG & DEMO, Marília, v.12, n.1, p. 97-112, jan./jun., 2011.

CASTRO, Ana Lúcia de. Culto ao corpo e sociedade: mídia, estilo de vida e cultura de consumo. São Paulo: Annableme, 2003.

DESCARTES, René. Discurso do método. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DURKHEIM, Émile. Educação e sociologia. 4. ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1955.

ENGEL, George Libman. The need for a new medical model: A challenge for biomedicine. Revista Science, v. 196, ed. 4286, p. 129-136, 1977.

FIGUEIREDO, Priscilla Kelly. A história da Educação Física e os primeiros cursos de formação superior no Brasil: o estabelecimento de uma disciplina (1929-1958). Belo Horizonte: Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais, 2016. 272 f.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2002.

GOIÁS. Secretaria de Estado da Educação. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano: currículo em debate: Caderno 05. Goiânia: SEDUC, 2009.

GOIÁS. Secretaria de Estado da Educação. Currículo Referência da Rede Estadual de Educação de Goiás. Goiânia: SEDUC, 2011.

GOIÁS. Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte. Superintendência do Desporto Escolar. Currículo Referência de Educação Física para o Ensino Fundamental e para o Ensino Médio. Goiânia: SEDUCE, 2015.

GOIÁS. Regimento Interno do Colégio da Polícia Militar de Goiás. Disponível em: http://colegiomilitarpmvr.com.br/comunicado/RegimentoPronto.pdf e http://colegiomilitarhugo.g12.br/site/regimento_interno.html. Acesso em: 06 set. 2017.

GÓIS JUNIOR, Edivaldo.; SILVA, Leonardo Mattos da Motta. Educação do corpo e higiene escolar na imprensa do Rio de Janeiro (1930-1939). Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 411-426, Jun. 2016.

GUIMARÃES, Áurea Maria. Vigilância, punição e depredação escolar. Campinas: Editora Papirus, 1985.

HORKHEIMER, Max. Autoridade e família. HORKHEIMER, Max. In: Teoria Crítica I: uma documentação. São Paulo: Perspectiva, 1990.

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MINAYO, Maria Cecília de Souza et al. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Karine Faber Gomes de. Vigorexia e Mídia: fatores de influência. Rio Claro: Monografia, Universidade Estadual Paulista, 2012.

RAMOS, Juliana de Souza.; PEREIRA NETO, André de Faria.; BAGRICHEVSKY, Marcos. Cultura Identitária pró-anorexia: características de um estilo de vida em uma comunidade virtual. Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.15, n.37, p.447-60, abr./jun. 2011.

SOARES. Carmen Lucia. Educação Física: raízes européias e Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

TABORDA DE OLIVEIRA, Marcus Aurélio. Existe espaço para o ensino de Educação Física na escola básica? Revista Pensar a Prática. Goiânia, v. 2, p. 1-23, jun/jul, 1998.

TOMAZ, Tadeu. O Panóptico: Jeremy Bentham. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2019e57266



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA