Alforriar sem libertar: a prática do “resgate” de cativos africanos no espaço colonial francês no século XIX

Céline Flory

Resumo


Este artigo trata do “resgate” de cativos africanos no império francês antes e depoisda segunda emancipação nas colônias. O sistema – que funcionava sem o consentimentoformal do trabalhador africano em relação aos termos do contrato - visava suprir asplantations das Ilhas Reunião, da Guiana Francesa e das ilhas do Caribe Francês e eralegalmente estruturado em torno da alforria: os trabalhadores eram “libertados” sob acondição de migrar e trabalhar por um determinado tempo. O artigo demonstra que o sistemade resgate se beneficiava das estruturas estabelecidas pelo tráfico escravo na África e erasancionado pelo governo francês mesmo após a abolição.


Abstract: Manumitting without freeing: African slaves' redemption in the French colonialempire in the nineteenth century.The article presents “rachat” (redemption) of enslaved Africans in the French Empire beforeand after second slave emancipation in the colonies. The system aimed at supplying laborersto the plantations of Reunion Island, French Guiana and the French Caribbean islands and waslegally framed around manumission: laborers were “freed” on the condition of migrating andworking for a number of years. It operated without the formal consentment of the Africanlaborer to the terms of contract. The article demonstrates that the system of redemptionbenefitted from the structures laid down by the slave trade in Africa and was sanctioned bythe French government, even after abolition.
Keywords: Redemption, Slave emancipation, involuntary migration, French Empire.


Palavras-chave


Resgate; Emancipação escrava; Migração forçada; Império Francês

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2011v3n6p93