Clubes negros no Brasil: puzzle de um campo emergente

Autores

  • Petrônio Domingues Professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e93849

Palavras-chave:

clube, população negra, associativismo

Resumo

O artigo apresenta a definição de clubes negros e como esse campo temático surgiu e se desenvolveu no mundo acadêmico brasileiro ao longo das décadas, adquirindo visibilidade, reconhecimento e características próprias. Em um segundo momento, o artigo sumariza os sentidos e significados polissêmicos conferidos às experiências clubistas, bem como discute as abordagens, questões, tendências e fontes que têm comparecido à agenda de pesquisa dos especialistas do campo.

Biografia do Autor

Petrônio Domingues , Professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Doutor em História (USP), professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

ALBERTO, Paulina L.; ANDREWS, George Reid; HOFFNUNGGARSKOF, Jesse (org.). Voices of the race: Black newspapers in Latin America, 1870-1960. Cambridge: Cambridge University Press, 2022.

AL-ALAM, Caiuá Cardoso; ESCOBAR, Giane Vargas; MUNARETTO, Sara Teixeira (org.). Clube 24 de Agosto (1918-2018): 100 anos de resistência de um clube social negro na fronteira Brasil-Uruguai. Porto Alegre: Ilu Editora, 2018.

ANDREWS, George Reid. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Bauru/SP, EDUSC, 1998.

AZEVEDO, Thales de. As elites de cor: um estudo de ascensão social. Rio de Janeiro: Cia. Editora Nacional, 1955.

BURKE, Peter. Clubes. In: BURKE, Peter. O historiador como colunista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BUTLER, Kim D. Freedoms given, freedoms won: afro-brazilians in post-abolition São Paulo and Salvador. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 1998.

BUTLER, Kim D. Masquerading Africa in the Carnival of Salvador, Bahia, Brazil 1895-1905. African and Black Diaspora: An Internacional Journal, v. 10, n. 2, p. 203-227, 2017.

BUTLER, Kim. Diálogos diaspóricos: a fantasia da África e o internacionalismo diaspórico no carnaval da Bahia. In: BUTLER, Kim; DOMINGUES, Petrônio. Diásporas imaginadas: Atlântico Negro e histórias afro-brasileiras. São Paulo: Perspectiva, 2020.

CARDOSO, Fernando Henrique; IANNI, Octavio. Cor e mobilidade social em Florianópolis: aspectos das relações entre negros em brancos numa comunidade do Brasil Meridional. São Paulo: Editora Nacional, 1960.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional. São Paulo: Difel, 1962.

DOMINGUES, Petrônio. Paladinos da liberdade: a experiência do Clube Negro de Cultura Social em São Paulo (1932-1938). Revista de História, São Paulo, n. 150, p. 57-79, 2004.

DOMINGUES, Petrônio. O “tríduo da loucura”: Campos Elyseos e o carnaval afro-diaspórico. Tempo, Niterói, v. 19, n. 35, p. 117-142, 2013.

DOMINGUES, Petrônio. Associativismo negro. In: GOMES, Flávio dos Santos; SCHWARCZ, Lilia Moritz (org.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

DOMINGUES, Petrônio. Negros no Brasil Meridional: associativismo no pós-abolição. In: MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti; MENDONÇA, Joseli Maria Nunes; TEIXEIRA, Luana (org.). Pós-Abolição no Sul do Brasil: associativismo e trajetórias negras. Salvador: Sagga, 2020.

DOMINGUES, Petrônio; PEREIRA, Ana Cláudia. Elite da Liberdade: a contribution to the history of black clubs in Brazil. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, v. 9, n. 1, p. 396-411, 2020.

DOMINGUES, Petrônio. O associativismo negro no Brasil (1930-1945). In: ABREU, Luciano Aronne de; VANNUCCHI, Marco Aurélio (org.). A Era Vargas (1930-1945). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2021, p. 75-104.

ESCOBAR, Giane Vargas. Clubes sociais negros: lugares de memória, resistência negra, patrimônio e potencial. 2010. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2010.

ESCOBAR, Giane Vargas; MORAES, Ana Luiza Coiro. Clubes sociais negros: memória e ações para o reconhecimento como patrimônio cultural afro-brasileiro. In: PAIXÃO, Cassiane de Freitas; LOBATO, Anderson O. C. (org.). Os clubes sociais negros no Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande: Ed. da FURG, 2016, p. 21-43.

ESCOBAR, Giane Vargas. “Para encher os olhos”: identidades e representações culturais das rainhas e princesas do clube Treze de Maio de Santa Maria no jornal A Razão (1960-1980). 2017. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2017.

ESCOBAR, Giane Vargas; OLIVEIRA, Fernanda. Os clubes sociais negros. In: AL-ALAM, Caiuá Cardoso; ESCOBAR, Giane Vargas; MUNARETTO, Sara Teixeira (org.). Clube 24 de Agosto (1918-2018): 100 anos de resistência de um clube social negro na fronteira Brasil-Uruguai. Porto Alegre: Ilu Editora, 2018, p. 55-72.

FABRIS, Pamela Beltramin. Mobilização negra em Curitiba: a formação de redes de solidariedade e a luta por direitos (1888-1910). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3ª ed. 2. vol. São Paulo: Ática, 1978 [1965].

FÉLIX, Rita de Cássia Souza. Damas de ébano nos clubes sociais negros: trancinhas e batom. Comunicações, Piracicaba, n. 1, p. 39-53, 2014.

GIACOMINI, Sonia Maria. A alma da festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro – Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2006.

GOMES, Fabrício Romani. Sob a proteção da princesa e de São Benedito: identidade étnica, associativismo e projetos num clube negro de Caxias do Sul. Jundiaí: Paco, 2013.

IANNI, Octavio. As metamorfoses do escravo: apogeu e crise da escravatura no Brasil Meridional. São Paulo: Difel, 1962.

LIMA, Alessandra Rodrigues; SILVA, Guilherme Carvalho da. Mapeamento dos clubes sociais negros no Brasil: análise e sistematização de informações. Brasília: IPHAN, 2015.

LIMA, Ana Paula. Sons da cidadania: bandas, músicos negros e uma corporação musical em Campinas no pós-abolição. 2021. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2021.

LIMA, Taiane Anhanha. Clubes negros de futebol em Santa Maria no pós-abolição (1916-1932). 2023. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2023.

LONER, Beatriz. Negros: organização e luta em Pelotas. História em Revista, v. 5, p. 7-27, 1999.

LONER, Beatriz Ana; GILL, Lorena Almeida. Clubes carnavalescos negros na cidade de Pelotas. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 145-162, 2009.

LUCINDO, Willian Robson Soares. Comemorações, cidadania e festas: o associativismo negro em Piracicaba e Campinas nas três primeiras décadas do século XX. 2020. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2020.

MAGALHÃES, Magna Lima. Associativismo negro no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Trajeto Editorial, 2017.

MARIA, Maria das Graças. Imagens invisíveis de Áfricas presentes: experiências das populações negras no cotidiano da cidade de Florianópolis – 1930 a 1940. 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997.

MOREIRA, Paulo Staudt. “Miguel Archanjo da Cunha já não existe”: o associativismo da Sociedade Beneficente Floresta Aurora e as vicissitudes biográficas de um barbeiro negro, liberal e católico. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 24, n. 2, p. 252-281, 2019.

MOREIRA, Paulo Staudt. Havemos de ser atendidos em nossos direitos, uma vez que servimos para votantes e soldados, não obstante a nossa cor: associativismo negro, direitos e cidadania (a Sociedade Beneficente Cultural Floresta Aurora, Porto Alegre, séc. XIX). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 11, p. 1-30, 2019.

MOREIRA, Paulo Staudt. “Conseguiu assinar o seu nome, não com perfeição, pode-se mesmo dizer melhor que desenhava o seu nome”: percursos de um homem negro (i) letrado no pós-abolição (Paulino de Souza Bastos – Floresta Aurora – Porto Alegre – RS). Revista da ABPN, v. 2, edição especial, p. 527-562, 2020.

MOTTA-MAUÉS, Maria Angelica. Negros em bailes de negros: sociabilidade e ideologia racial no “meio negro” em Campinas (1950-1960). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 52, n. 2, p. 705-734, 2009.

MÜLLER, Liane Susan. As contas do meu rosário são balas de artilharia: irmandade, jornal e associações negras em Porto Alegre (1889-1920). 1999. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

NOGUEIRA, Oracy. Relações raciais no município de Itapetininga. In: BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. Relações raciais entre negros e brancos em São Paulo. São Paulo: Ed. Anhembi, 1955.

NONNENMACHER, Marisa Schneider. Tudo começou em uma madrugada: Sociedade Beneficente Cultural Floresta Aurora (1872-2015). Porto Alegre: Medianiz, 2015.

NÚNCIA, Jaime Benedito Alves; ALVES, Nereidy Rosa; VARGAS, Giane Silva (org.). Floresta Aurora: 150 fazendo história. Porto Alegre: Libretos, 2022.

OLIVEIRA, Carlos Gomes de. Lazer no preto e branco: histórias de integração do negro pelo lazer e animação sociocultural voluntária no Clube Palmares em Volta Redonda – RJ. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.

OLIVEIRA, Franciele Rocha. Trabalhadores negros criam União Familiar: revivendo o mais antigo clube social negro de Santa Maria/RS. História em Revista, Pelotas, v. 27, n. 2, p. 42-68, 2022.

PAIXÃO, Cassiane de Freitas; LOBATO, Anderson O. C. (org.). Os clubes sociais negros no Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande: Ed. da FURG, 2106.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. A cidade que dança: clubes e bailes negros no Rio de Janeiro (1881-1933). Campinas, SP: Editora da Unicamp; Rio de Janeiro, RJ: EdUERJ, 2020.

PEREIRA, Heráclito. Clubes sociais negros de Santa Catarina: patrimônio cultural, memória, educação e sociabilidade. In: ESCOBAR, Giane Vargas; DOMINGUES, Petrônio (org.). Clubes negros no Brasil e Cone Sul. São Paulo: Dandara (prelo).

PERES DE LIMA, Alexandre. Lutas diuturnas: políticas públicas, patrimônio e reconhecimento do clube social negro 24 de Agosto na cidade de Jaguarão (RS). Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 52, n. 2, p. 149-161, 2016.

PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. 1993. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

RAMOS, Arthur. O espírito associativo do negro brasileiro. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, n. 47, p. 105-126, 1938.

RASCKE, Karla Leandro. Entre a caneta e o pandeiro: letras e enredos de agremiações afrodescendentes em Florianópolis-SC (1920-1950). 2018. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2018.

RATTS, Alex; RIOS, Flavia e SANTOS, Marcio André (org.). Dicionário das relações étnico-raciais contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2023.

RIBEIRO, Jonatas Roque. A classe de cor: uma história do associativismo negro em Minas Gerais (1880-1910). 2022. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2022.

ROSA, André Luiz. Negros e portuários rompem a barreira elitista do esporte. In: ROSA, André Luiz. Operários da bola: um estudo sobre a relação dos trabalhadores com o futebol na cidade de Itajaí (SC) entre as décadas de 1920 a 1950. 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

ROSA, Júlio César. Associativismo negro em Laguna e a construção identitária: irmandade, sociedades musicais e clubes negros (1870 a 1950). 2021. Tese (Doutorado em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2021.

ROSE, Arnold. Negro: o dilema americano. São Paulo: Ibrasa, 1968.

SALVADORI, Maria Angela Borges. Clubes negros, associativismo e história da educação. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 3, n. 9, p. 94-107, 2014.

SANTIAGO, Fernanda Lucas. Mulheres negras: trajetória de (re)existência em rede (Curitiba, 1922-1963). 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

SANTOS, Deborah Silva. Museu Treze de Maio. In: SANTOS, Deborah Silva. Museologia

e africanidades: experiências museológicas de mulheres negras em museus afro-brasileiros. 2021. Tese (Doutorado em Museologia) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2021,

SANTOS, Isadora Bispo dos. Negrosul: Centro de Tradições Gaúchas na contramão do racismo: espaços de afirmação, resistência e patrimônio do povo negro. 2022. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2022.

SANTOS, José Antônio dos. Liga da Canela Preta: a história do negro no futebol. Porto Alegre: Diadorim, 2018.

SANTOS, Merylin Ricieli. Das lembranças que contei às histórias que esqueci – Clube Treze de Maio de Ponta Grossa (1888-2012). In: MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti; MENDONÇA, Joseli Maria Nunes; TEIXEIRA, Luana (org.). Pós-abolição no sul do Brasil: associativismo e trajetórias negras. Salvador: Sagga, 2020.

SANTOS, Merylin Ricieli dos. Territórios negros em Ponta Grossa/PR (1970-2010). 2022. Tese (Doutorado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2022.

SAYÃO, Thiago Juliano. As heranças do Rosário: associativismo operário e o silêncio da identidade étnicoracial no pós-abolição, Laguna (SC). Revista Brasileira de História, v. 35, n. 69, p. 131-154, 2015.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Flávio dos Santos (org.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SILVA, Fernanda Oliveira da. As lutas políticas nos clubes negros: culturas negras, cidadania e racialização na fronteira Brasil-Uruguai no pós-abolição (1870-1960). 2017. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

SILVA, Lúcia Helena Oliveira; XAVIER, Regina Célia Lima. Historicizando o associativismo negro: contribuições e caminhos da historiografia. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 11, p. 1-5, 2019.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Clubes sociais negros paulistas, 1890-1950. In: BARONE, Ana; RIOS, Flavia (org.). Negros nas cidades brasileiras (1890-1950). São Paulo: Intermeios, 2018.

SILVA, Mário Augusto Medeiros. Em torno da ideia de associativismo negro em São Paulo (1930-2010). Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 445-473, 2021.

SILVA, Noemi Santos da. Direito de aprender: a educação nas lutas negras por emancipação (Paraná, 1853-1910). 2023. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2023.

SMANIOTTO, Elaine. O protagonismo de mulheres negras na Sociedade Recreativa Beneficente União Rosariense. Historiæ, Rio Grande, v. 12, n. 2, p. 151-176, 2021.

SOUSA, Karina. Rainhas do clube e musas do samba-rock: raça e gênero na sociabilidade negra. Revista Desigualdade & Diversidade, Rio de Janeiro, n. 18, p. 33-54, 2020.

SOUSA, Karina Almeida. Corpo, transnacionalismo negro e as políticas de patrimonialização: as práticas expressivas culturais negras e o circuito afrodiaspórico. 2020. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2020.

SOUSA, Karina Almeida. Clubes sociais negros e a agência educadora negra no século XX: o Grêmio Recreativo e Familiar Flor de Maio. Revista Escritas, Araguaína, v. 13, n. 2, p. 116-136, 2021.

SOUZA, Alessandra Tavares. A escola de samba tira o negro do local da informalidade: agências e associativismos negros a partir da trajetória de Mano Eloy (1930-1940). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2022.

SÔNEGO, Márcio Jesus Ferreira. Uma introdução à história de trabalhadores negros no clube União Operária de Alegrete. Porto Alegre: Gráfica & Editora RJR, 2022.

TEIXEIRA, Luana. Os homens do Centro: política, classe e raça na Florianópolis dos anos 1920. In: MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti; MENDONÇA, Joseli Maria Nunes; TEIXEIRA, Luana (org.). Pós-Abolição no Sul do Brasil: associativismo e trajetórias negras. Salvador: Sagga, 2020.

TENÓRIO, Valquiria Pereira. Baile do Carmo: memória, sociabilidade e identidade étnico-racial em Araraquara. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.

TIEDE, Lívia Maria. Frederico Baptista de Souza: the formation of a Black editor in the South Atlantic. Atlantic Studies, v. 18, n. 4, p. 526-543, 2021.

VALVASSORI, Igor Santos. Som de valente: bailes negros em São Paulo. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

Downloads

Publicado

2023-10-17

Como Citar

DOMINGUES , Petrônio. Clubes negros no Brasil: puzzle de um campo emergente. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–22, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e93849. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/93849. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.