Lugones e o escurecer do ensino de história

Autores

  • Janaina Guimarães da Fonseca e Silva Universidade de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n185047

Palavras-chave:

mulheres negras, decolonialidade, resistências, María Lugones

Resumo

Neste artigo, apresento discussões teóricas sobre o ensino de história realizado por e sobre mulheres negras para as quais o conceito de colonialidade de gênero, elaborado por María Lugones, é imprescindível. E em seguida, analiso algumas atividades do ensino de história numa perspectiva decolonial, com o uso de audiovisuais protagonizados por mulheres negras, aplicadas na Escola Dom Mota, na Cidade de Nazaré da Mata, em Pernambuco.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ARROYOS, Miguel Gonzáles. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BABÁS. Direção: Consuelo Lins. [S. l.: s.n.], 2010. 1 vídeo (20 min). Disponível em https://vimeo.com/150866784. Acesso em 10/05/2021.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. “Feminismo De(s)colonial como Feminismo Subalterno Latino-Americano”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 3, p. 1-14, 2020.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. “Introdução”. In: (Org.). BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 9-27.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, 2017.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República. Lei Nº 12.990/2014. Reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei Nº 10.639/2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática ‘História e Cultura Afro-Brasileira’, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei Nº 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Altera a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 mar. 2008.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

CARNEIRO, Sueli. “Mulheres em movimento”. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-132, set./dez. 2003.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1982.

COELHO, Mauro Cezar; COELHO, Wilma de Nazaré Baía. “Educação para as Relações Étnico-Raciais e a formação de professores de História nas novas diretrizes para a formação de professores!”. Educar em Revista, Curitiba, v. 37, 2021.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge, 2000.

COLLINS, Patricia Hill. “Epistemologia feminista Negra”. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

CORES E BOTAS. Direção: Juliana Vicente. Produção de Preta Portê Filmes, 2010. 1 vídeo (15 min). Disponível em: https://vimeo.com/20256457. Acesso em 10/05/2021.

COSTA, Valéria Gomes. “Iaiá de Ouro: feitiçaria e escravidão no Recife oitocentista”. Revista Z Cultural (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 01, 2019.

DOUZINAS, Costas. O fim dos direitos humanos. São Leopoldo: Unisinos, 2009.

FERNANDES, Antonia Terra de Calazans. “Ensino de História e seus conteúdos”. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, p. 151-173, 2018.

FERREIRA, Maria Cláudia Cardoso. “Professores de história em uma experiência de formação inicial a distância: os significados e os limites da profissionalização”. Revista História Hoje, v. 3, p. 99, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GOMES, Nilma Lino. “O movimento negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos”. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Saberes construídos na luta por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

GONZALEZ, Lélia. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS, n. 2, p. 223-244, 1983.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: Nazaré da Mata - PE. 2021. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/nazare-da-mata/panorama. Acesso em 15/10/2021.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da Violência. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2020.

LEANDRO, Jacilene de Lima; SANTOS, Maria Emilia V. dos. “As mulheres e o movimento abolicionista: participação e engajamento (Recife, 1880-1888)”. Gnarus - Revista de História, Rio de Janeiro, v. 10, n. 10, set. 2019.

LUGONES, María. “Colonialidade e gênero”. Tabula rasa, n. 9, p. 73-102, dez. 2008.

LUGONES, María. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, p. 935-952, 2014.

MUNANGA, Kabenguele. “Políticas Curriculares e Descolonização dos Currículos: A Lei 10.639/03 e os Desafios para a Formação de Professores”. Revista Educação e Políticas em Debate. Uberlândia, v. 2, n. 1, p. 27-33, 2013.

MALDONADO-TORRES, Nelson. “Transdisciplinaridade e decolonialidade”. Revista Sociedade e Estado, São Paulo, v. 31, p. 75-97, 2016.

MIGNOLO, Walter D. “Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, 2017.

PAULA, Benjamin Xavier de; GUIMARÃES, Selva. “10 anos da lei federal nº 10.639/2003 e a formação de professores: uma leitura de pesquisas científicas”. Educação e Pesquisa, v. 40, p. 435-448, 2014.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO: Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, 2005. p. 117-142.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula editorial, 2017.

SANTOS, Boaventura de Souza. “Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes”. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31-83.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Proposta Pedagógica Curricular da Educação Infantil. Nazaré da Mata, 2015.

SILVA, Diana; ARANTES, Adlene. “Maracatu rural na Proposta Pedagógica Curricular da Educação Infantil de Nazaré da Mata-PE”. Revista Teias, v. 21, n. 62, jul./set. 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

TERUYA, Teresa Kazuko; FELIPE, Delton Aparecido Felipe. “Filmes e Negritude em sala de aula: essa relação é possível?” Educ. temat. digital, Campinas, v. 15, n. 1, p. 145-160, jan./abr. 2013.

VEIGA, Ana M. “Uma virada epistêmica feminista (negra): conceitos e debates”. Tempo e Argumento. Florianópolis: UDESC, v. 12, n. 29, 2020.

WALSH, Catherine (Org.). Pedagogias decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re) viver. Tombo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya Yala, 2013.

WALSH, Catherine. “Interculturalidade, crítica e pedagogia decolonial: insurgir, reexistir e re-viver”. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Edição

Seção

Seção Temática María Lugones