Dados Abertos Antropológicos

O que são e quais suas problemáticas?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2023.e90091

Palavras-chave:

Ciência Aberta, Repositório Digital, Antropologia Social, Dados Abertos de pesquisa

Resumo

Objetivo: Refletir sobre a especificidade dos dados antropológicos e mapear o que existe de discussão na literatura científica sobre os desafios de abertura desse tipo de documento.

Método: Primeiramente, realiza uma discussão teórica para compreender as especificidades da área dos dados abertos de pesquisa e dos dados de pesquisas antropológicas. Por fim, realiza uma revisão sistemática de literatura com a intenção de verificar o estado da arte das publicações sobre dos dados de pesquisas antropológicas.

Resultado: Os resultados encontrados na revisão sistemática foram analisados e agrupados em cinco grupos de convergência temática: 1) problema da eticidade na abertura de dados na internet; 2) questões específicas entre Ciência da Informação e Antropologia; 3) demandas comunicacionais e relacionais de repositórios digitais para dados antropológicos; 4) especificidade dos dados multimídia da subárea chamada Antropologia Visual;  5) repositórios digitais para museus antropológicos que abrigam dados de pesquisa.

Conclusões: A literatura sobre o tema ainda é pequena, mas vem crescendo desde 2015, principalmente na língua inglesa. Conclui-se que há vários desafios específicos para concretização de repositórios digitais para esse tipo de dado e que as relações interdisciplinares entre Ciência da Informação e Antropologia, Comunicação e Museologia são desejadas para superar essas adversidades.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Cervo, Federal University of Rio Grande do Sul

Graduado em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da mesma universidade. Atualmente, é doutorando do PPGCOM sob orientação de Moises Rochemback. Como atividade principal, realiza pesquisas sobre comunicação e difusão científica nas áreas das humanidades, especialmente à Antropologia Social e à Antropologia Visual e da Imagem. Enquadra-se como pesquisador da área da Ciência Aberta, contribuindo com os estudos sobre dados abertos de pesquisa e repositórios digitais na web. Trabalha de forma interdisciplinar entre as áreas da Antropologia, da Comunicação e da Ciência da Informação, discutindo os desafios de realizar ações para abertura e preservação dos acervos das humanidades. É pesquisador do grupo Banco de Imagens e Efeitos Visuais (BIEV) do departamento de Antropologia e do Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental (GPJA). Contribui com o grupo de pesquisa NUAWEB - Arquivamento da Web e Preservação Digital.

Moises Rockembach, Federal University of Rio Grande do Sul

Doutor em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais pela Universidade do Porto / Universidade de Aveiro (Portugal), aprovado com distinção, título revalidado em 2014 no Brasil como Doutor em Comunicação e Informação (PPGCOM/UFRGS). Mestre em Comunicação e Informação pelo Programa de Pós Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCIN/UFRGS). Professor visitante na Universidade KU Keuven (Belgica), financiado pela CAPES. Professor Adjunto da Faculdade e Biblioteconomia e Comunicação (FABICO), professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCIN), ambos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Líder do Núcleo de Pesquisa em Arquivamento da Web e Preservação Digital na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pesquisador do Grupo de Informação, Comunicação e Cultura Digital - CITCEM (Universidade do Porto) e do projeto InterparesTrust AI (University of British Columbia).

Ana Luiza Carvalho da Rocha, Federal University of Rio Grande do Sul

Graduação em Ciências Sociais/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), Mestrado em Antropologia Social/ Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985) e Doutorado em Antropologia - Université Paris Descartes (1994). Atualmente é Consultora do Centro Memória da Arquitetura e do Urbanismo/CAU do Instituto de Arquitetos do Brasil (RS) e da Comissão do Acervo do Museu de Artes do Rio Grande do Sul/MARS. Membro da Rede de Pesquisa Metropolização, Paisagens Híbridas e Memória ambienta/RMPM e R.A.I.U - Rede de pesquisa Luso-Brasileira em Artes e Intervenções Urbanas. Professora do corpo docente do Mestrado ProfAGUA/Instituto de Pesquisas Hidráulicas/ UFRGS/AGência NAcional de Aguas/ANA. Professora colaboradora no Programa de Antropologia Visual/UFRGS e coordenação de pesquisa do Banco de Imagens e Efeitos Visuais/ Laboratório de Antropologia Social/UFRGS.

Referências

ACHUTTI, Luiz Eduardo Robson. Fotoetnografia: um estudo antropológico visual sobre cotidiano, lixo e trabalho. Porto Alegre: Tomo Editorial, 1997.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: EDUFMG, 2005.

BOAS, Franz. The Mind of the Primitive Man. New York: Macmillan, 1938. Disponível em: https://archive.org/details/mindofprimitive00boas. Acesso em: 05 de jun. 2022.

BURKE, Peter. Consequências da Modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

CARVALHO, Érika Rayanne Silva de. Diferenças na produção, no compartilhamento e no (re)uso de dados de pesquisa: a percepção de pesquisadores de Química, Antropologia e Educação. Em Questão, v. 25, n. 3, p. 321–347, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.19132/1808-5245253.321-347. Acesso em: 03 de dez. 2021.

CHANSANAM, Wirapong; TUAMSUK, Kulthida; CHAIKHAMBUNG, Juthatip. Linked Open Data Framework for Ethnic Groups in Thailand Learning. International Journal of Emerging Technologies in Learning (iJET), v. 15, n. 10, p. 140-156, 2020. Disponível em: https://www.learntechlib.org/p/217053/. Acesso em: 03 de dez. 2021.

CLIFFORD, James e MARCUS, G. Writing Culture: the Poetics and Politics of Ethnography. California: University of California, 1986.

DARWIN, Charles. On the Origin of Species. Londres: John Murray‎, 1859.

ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. A preeminência da imagem e do imaginário nos jogos da memória coletiva em coleções etnográficas. 1. ed. Brasília: ABA, 2015. v. 1. 196p.

ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. Antropologia da Imagem no Brasil: experiências fundacionais para a construção de uma comunidade interpretativa. Revista Iluminuras, v. 17, n. 41, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/143517. Acesso em: 03 de dez. 2021.

EMMELHAINZ, Celia. Controlled vocabulary standards for anthropological datasets. International Journal of Digital Curation, v. 9, n. 1, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.2218/ijdc.v9i1.290. Acesso em: 03 de dez. 2021.

EVANS-PRITCHARD, Edward E.; PERRONE-MOISÉS, Beatriz (2021). Antropologia social: passado e presente. Cadernos de Campo, v. 30, n. 2, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v30i2pe191852. Acesso em: 26 de abr. 2022.

FABIAN, Johannes. Virtual archives and ethnographic writing: commentary as a new genre?. Current Anthropology, v. 43, n. 5, p. 775-786, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1086/342640. Acesso em: 03 de dez. 2021.

FOUCAULT, Michel. Les Mots et les choses. Paris: Gallimard, 1966.

FRANÇA, Bianca. Acervos etnográficos do Museu Nacional: preservação digital como sugestão pós incêndio. Cadernos de Sociomuseologia, v. 58, n. 14, p. 107-128, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.36572/csm.2019.vol.58.05. Acesso em: 03 de dez. 2021.

FRAZER, James George. The Golden Bough: A Study in Comparative Religion, Volume 2. Nova York: Macmillan Publishers, 1890.

GEERTZ, Clifford. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

GEERTZ, Clifford. O saber local. Petrópolis: Vozes, 1998.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A: Rio de Janeiro, 2006.

HEALY, Jessica de Largy. Do trabalho de campo ao arquivo digital: performance, interação e Terra de Arnhem, Austrália. Horizontes Antropológicos, v. 10, p. 67-95, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/gzTF8N3BjYQr8cfYZ3sNLKw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 de dez. 2021.

JENNINGS, Derek; JOHNSON-JENNINGS, Michelle; LITTLE, Meg. Utilizing webs to share ancestral and intergenerational teachings: The process of co-building an online digital repository in partnership with Indigenous communities. Genealogy, v. 4, n. 3, p. 70, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.3390/genealogy4030070. Acesso em: 03 de dez. 2021.

JESSON, Jill; MATHESON, Lydia; LACEY, Fiona. Doing Your Literature review: Traditional and systematic techniques. London: Sage, 2011.

KNORR-CETINA, Karin. Epistemic Cultures: How the Sciences Make Knowledge. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1999.

LEOPOLD, Robert. Articulating Culturally Sensitive Knowledge Online: A Cherokee Case Study. Museum Anthropology Review, v. 7, n. 1–2, p. 85–104, 2013. Disponível em: https://scholarworks.iu.edu/journals/index.php/mar/article/view/2051. Acesso em: 03 de dez. 2021.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac-Naify, 2012.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus, 1990.

LOURIE, Amanda; KOJOVIC, Nina; HODSON, Katrina et al. Native Title Archives: Traditional Owner community owned and controlled repositories. Journal of Colonialism and Colonial History, v. 20, n. 2, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1353/cch.2019.0020. Acesso em: 03 de dez. 2021.

MACFARLANE, Alan. Anthropology and the third information revolution. Visual Anthropology, v. 33, n. 3, p. 197-211, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1080/08949468.2020.1746615. Acesso em: 03 de dez. 2021.

MAIA, Moacir Rodrigo de Castro. Museus brasileiros e a hiperconectividade: a experiência com a plataforma Tainacan no acesso ao patrimônio Afro-Digital. Revista Museu. Disponível em: https://www.revistamuseu.com.br/site/br/artigos/18-de-maio/18-maio-2018/4751- museus-brasileiros-ea-hiperconectividade-a-experiencia-com-a-plataforma-tainacan-noacesso-ao-patrimonio-afro-digital.html. Acesso em: 03 de dez. 2021.

MALINOWSKI, Bronisław. Argonautas do pacífico ocidental. São Paulo: Ubu Editora 151 LTDA-ME, 2018[1922].

MARSH, Diana E.; PUNZALAN, Ricardo L.; JOHNSTON, Jesse A. Preserving Anthropology’s Digital Record: CoPAR in the Age of Electronic Fieldnotes, Data Curation, and Community Sovereignty. American Archivist, [s. l.], 2019. Disponível em: https://doi.org/10.17723/aarc-82-02-01. Acesso em: 03 de dez. 2021

MARSH, Diana E.; PUNZALAN, Ricardo L.; LEOPOLD, Robert. Studying the Impact of Digitized Ethnographic Collections: Implications for Practitioners. Practicing Anthropology, p. 26-31, 2015. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/i24782219. Acesso em: 03 de dez. 2021.

MARTINS, Dalton Lopes; CARMO, Danielle; GERMANI, Leonardo Barbosa. Museu do Índio: Estudo de caso do processo de migração e abertura dos dados ligados semânticos do acervo museológico com o software livre Tainacan. Informação & Tecnologia, [s. l.], v. 5, n. 2, p. 142–162, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.2358- 3908.2018v5n2.44590. Acesso em: 03 de dez. 2021.

MURILLO, Luis Felipe Rosado. What Does “Open Data” Mean for Ethnographic Research? American Anthropologist, v. 120, n. 3, p. 577-582, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1111/aman.13088. Acesso em: 03 de dez. 2021.

PAREZO, Nancy J.; FOWLER, Don D.; SILVERMAN, Sydel. Preserving the anthropological record: A decade of CoPAR initiatives. Current anthropology, v. 44, n. 1, p. 111-116, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1086/345687. Acesso em: 03 de dez. 2021.

PAVÃO, Caterina Marta Groposo et al. Acesso aberto a dados de pesquisa no Brasil: repositórios brasileiros de dados de pesquisa: relatório 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/185138. Acesso em: 08 de dez. 2021.

PEIRANO, Mariza. A antropologia como ciência social no Brasil. Etnográfica, v. 4, n. 2, p. 219-232, 2000.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PELS, Peter; Boog, Igor; Henrike Florusbosch, J. et al. Data management in anthropology: the next phase in ethics governance? Social Anthropology, v. 26, n. 3, p. 391–413. Disponível em: https://doi.org/10.1111/1469-8676.12526. Acesso em: 03 de dez. 2021.

POIRIER, Lindsay. Metadata, digital infrastructure, and the Data Ideologies of Cultural Anthropology. In: CROWDER, Jerome W. et al. Anthropological data in the digital age: New possibilities - new challenges. California: Palgrave Macmillan, 2019, p. 209-237.

POMBO, Olga. Práticas interdisciplinares. Sociologias, n. 15, p. 208-249, 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/sociologias/article/view/5570. Acesso em: 03 de dez. 2021.

PUNZALAN, Ricardo L.; MARSH, Diana E.; COOLS, Kyla. Beyond clicks, likes, and downloads: Identifying meaningful impacts for digitized ethnographic archives. Archivaria, v. 84, n. 1, p. 61-102, 2017. Disponível em: https://muse.jhu.edu/article/684162. Acesso em: 03 de dez. 2021.

RIBEIRO, José da Silva; BAIRON, Sérgio. Antropologia Visual e Hipermedia. 2007.

RIBEIRO, José da Silva. Antropologia visual, práticas antigas e novas perspectivas de investigação. Revista de Antropologia, [s. l.], v. 48, n. 2, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000200007. Acesso em: 03 de dez. 2021.

ROCKEMBACH, Moises. Difusão em arquivos: uma função arquivística, informacional e comunicacional. Informação Arquivística; v. 4, n. 1, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/41739. Acesso em: 04 jul. 2022.

ROCKEMBACH, Moises. Avaliação arquivistica: uma análise baseada em revisão sistemática de literatura. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 23, n. 1, p. 90-98, 2018b.

ROUCH, Jean. The camera and man. In: HOCKINGS, Paul (Org.). Principles of visual anthropology. Walter de Gruyter, 2009[1974].

SANSONE, Livio. Challenges to digital patrimonialization: heritage. org/digital museum of african and Afro-Brazilian memory. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology, v. 10, n. 1, p. 343-386, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1809-43412013000100015. Acesso em: 03 de dez. 2021.

SILVEIRA, Lúcia da et al. Ciência aberta na perspectiva de especialistas brasileiros: proposta de taxonomia: propuesta de taxonomía. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 26, p. 1-27, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e79646. Acesso em: 08 de dez. 2021.

VANZ, Samile Andrea de Souza et al. Acesso aberto a dados de pesquisa no Brasil: práticas e percepções dos pesquisadores: relatório 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/185195. Acesso em: 02 de dez. 2021.

VEDANA, Viviane. Territórios sonoros e ambiências: etnografia sonora e antropologia urbana. Revista Iluminuras, v. 11, n. 25, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1984-1191.15537. Acesso em: 03 de dez. 2021.

VELHO, Gilberto. Um antropólogo na cidade: ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro: Editora Schwarcz-Companhia das Letras, 2013.

Publicado

2023-04-06

Como Citar

CERVO, Matheus; ROCKEMBACH, Moises; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. Dados Abertos Antropológicos: O que são e quais suas problemáticas?. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 28, p. 1–28, 2023. DOI: 10.5007/1518-2924.2023.e90091. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/90091. Acesso em: 29 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.