Possíveis percursos no imaginário de estudantes de licenciatura em Física sobre funções e funcionamento da avaliação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n2p479

Palavras-chave:

Avaliação, Função, Funcionamento, Licenciatura em Física, Imaginário

Resumo

Dada a complexidade e os múltiplos sentidos que podem ser atribuídos à palavra avaliação, pensada, entre outras possibilidades, enquanto verificação de conhecimento, de disciplina, de controle de valores e atitudes, neste estudo, buscamos compreendê-la a partir de estudos voltados para essa atividade e de noções da análise de discurso pecheutiana. Na parte empírica analisamos respostas, de três licenciandos em quatro anos consecutivos, para a questão: Qual o significado da "prova" (avaliação) para você? Nessa análise buscamos responder a seguinte questão: Como o imaginário, sobre função e funcionamento da prova/avaliação, de estudantes de um curso de formação inicial de professores de física, se modificou ao longo do curso? Os resultados apontam o papel da memória discursiva dos estudantes em seus imaginários.

Biografia do Autor

Maria José Pereira Monteiro de Almeida, Universidade Estadual de Campinas

Licenciada em Física pela Universidade de São Paulo (USP), com Mestrado e Doutorado pela mesma Universidade e Livre Docência em Metodologia de Ensino – Física, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), de onde é aposentada como titular. Atualmente é professora colaboradora do Departamento de Ensino e Práticas Culturais, atuando como professora permanente nos programas de pós-graduação da Faculdade de Educação e no Programa Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática.

Roberto Nardi, Universidade Estadual Paulista, Bauru

Licenciado em Física pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) (1972), Mestre em Science Education pela Temple University, Filadélfia, EUA (1978), Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) (1989) e Pós-doc na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (2004-2005). Atualmente, é docente Associado no Departamento de Educação da Faculdade de Ciências, UNESP, campus de Bauru, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, da mesma universidade, Editor da revista Ciência & Educação e presidente da Comissão de Ensino (C14) da International Union of Pure and Applied Physics (IUPAP).

Fabiano Willian Parma, Mestrando da Universidade Estadual Paulista, Bauru

Mestrando da Universidade Estadual Paulista, Campus de Bauru.

Referências

ALMEIDA, M. J. P. M. Discursos da Ciência e da Escola: ideologia e leituras possíveis. Campinas: Mercado de Letras. 2004. 127 p.

ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: desafios contemporâneos. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 1, n. 1, p. 43-57, 2006. Disponível em:

<http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/pesquisa/article/view/6112/4483>. Acesso em: 14 jan. 2018.

BIANI, R. P.; BETINI, M. E. S. De avaliar a aprendizagem ao avaliar para a aprendizagem: por uma nova cultura avaliativa. Educação, Teoria e Prática, v. 20, n. 35, p. 71-88, 2010.

DANTAS, C. R. S.; MASSONI, N. T.; SANTOS, F. M. T. A avaliação no Ensino de Ciências Naturais nos documentos oficiais e na literatura acadêmica: uma temática com muitas questões em aberto. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 25, n. 95, p. 440-482, 2017.

ENGUITA, M. F. A Face Oculta da Escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FREITAS, L. C. A lógica empresarial no ensino desmoraliza o professor. Revista Nova Escola, v. 283, 2015. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/8417/a-logica-empresarial-no-ensino-desmoraliza-o-professor#_=_>. Acesso em: 01 jul. 2020.

FREITAS, L. C. Avaliação: para além da "forma escola". Educação, Teoria e Prática, v. 20, n. 35, p. 89-99, 2010.

FREITAS, L. C. Ciclos, Seriação e Avaliação Confronto de Lógicas. São Paulo: Moderna, 2003. 96 p.

FREITAS, L. C. Avaliação: construindo o conceito. Ciência & Ensino, v. 3, p. 16-19, 1997.

FREITAS, L. C. Crítica da Organização do trabalho Pedagógico e da Didática. São Paulo: Papirus Editora, 1995. 287 p.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999. 272p.

GARCIA, J. Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, v. 20, n. 43, p. 201-213, 2009.

GRILLO, M. C.; LIMA, V. M. Especificidades da avaliação que convém conhecer. In: GRILLO, M. C.; GESSINGER, R. M. Por que falar ainda em avaliação? Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. p. 15-21.

KUSSUDA, S. R. Um estudo sobre a evasão em um curso de Licenciatura em Física: discursos de ex-alunos e professores. 2017. 307 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

MENDES, O. M. Avaliação formativa no ensino superior: reflexões e alternativas possíveis. In: VEIGA, I. P. A.; NAVES, M. L. P. (Orgs.). Currículo e avaliação na educação superior. Araraquara: Junqueira & Marin, 2005. p. 175-197

NARDI, R. ALMEIDA, M. J. P. M. Um estudo longitudinal sobre imaginários de licenciandos em Física. Relatório de Pesquisa. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Processo 308.773/2013-6. Março, 2019.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012. 239 p.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2003. 100 p.

ORLANDI, E. P. Discurso, imaginário social e conhecimento. Em Aberto, v. 14, n. 61, p. 53-59, 1994.

ORLANDI, E. P. Para quem é o discurso pedagógico? In: ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: As formas do discurso. São Paulo: Brasiliense, 1983. p. 18-31.

SCHNETZLER, R. P. O professor de ciências: problemas e tendências de sua formação. In: SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. (Orgs.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Campinas: R Vieira Gráfica e Editora, 2000. p. 12-41.

Downloads

Publicado

2020-08-12

Edição

Seção

Pesquisa em Ensino de Física