Retornos, contornos e desvios: a Educação Física na construção curricular dos anos finais do ensino fundamental em uma escola estadual do Rio Grande do Sul

Natacha da Silva Tavares, Elisandro Schultz Wittizorecki

Resumo


Este texto é fruto de uma dissertação e busca comunicar os achados referentes aos seguintes objetivos específicos: a) compreender que saberes integram a Educação Física (EFI) nos anos finais do ensino fundamental e que lugares ela ocupa na construção curricular; b) compreender as tensões envolvidas no processo de construção curricular da escola e da EFI. A construção curricular da escola e da EFI é constituída por movimentos de retorno, contorno e desvio. Os saberes que integram essa construção são de duas ordens, de formação pessoal e de formação acadêmica, e são desenvolvidos através de práticas tradicionais/reprodutoras, mas também através de práticas que rompem essa lógica. Essa presença concomitante de diferentes práticas e orientações se dá em decorrência dos conflitos de ideias/perspectivas que permeiam a escola, mas estes conflitos também são produtores desta construção curricular, assim como o tempo, que se apresenta como elemento significativo neste processo.


Palavras-chave


Educação física escolar; Ensino fundamental; Construção curricular

Texto completo:

PDF/A

Referências


APPLE, M. W. Conhecimento Oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

BALL, S. La micropolítica de la escuela: hacia uma teoria de la organización escolar. Barcelona: Paidós, 1994.

BRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 48, Ago, 1999.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : Educação Física /Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1997.96p. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro07.pdf >. Acesso em 07 de março de 2015.

BODGAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ILHA, F. R. A regulação curricular da Educação Física na escola e seus efeitos no trabalho de professores iniciantes. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pelotas, 2015.

HARGREAVES, A. Profesorado, Cultura y Postmodernidad. Madrid, Morata, 1995.

LINDEMAYER, C. K. Movimentos pela cidade de Viamão/RS. Trabalho de Conclusão de Curso, Especialização em Educação em Saúde Mental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013, 22p.

LOPES, M. C.; MORGENSTERN, J. M. Inclusão como matriz de experiência. Pro-Posições, v. 25, n. 2, p. 177-193, maio/ago. 2014.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986, 99p.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2010, 407p.

NEGRINE, A. Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. In: MOLINA NETO, V.; TRIVIÑOS, A. N. A pesquisa qualitativa na Educação Física: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Sulina, p.61-99, 2010.

NERY, V. E. Currículo como processo vivenciado na escola. Revista Espaço Acadêmico, 2009. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/096/96nery.htm Acesso em: 29 nov. 2016.

NUNES, M. L. F.; RÚBIO, K. O(S) Currículo(S) da Educação Física e a Constituição da Identidade de Seus Sujeitos. Currículo sem Fronteiras, v.8, n.2, pp.55-77, 2008.

REHBEIN, M. O.; FUJIMOTO, N.S.V.M. Análise Ambiental Urbana: Vila Augusta/ Viamão/ RS. BGG n.º 33: Porto Alegre, p. 215 — 232, 2007.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Educação do estado. Departamento de Planejamento. Diagnóstico da Educação Básica do RS, 2013.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANTOS, M. V. O estudante negro na cultura estudantil e na educação física escolar. Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007, 240p.

SCHMIDT, M. A. M.S; GARCIA, T. M. F. B. Discutindo o currículo “por dentro”: contribuições da pesquisa etnográfica. Educar: Curitiba, n. 17, p. 139-149. 2001.

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992, 119 p.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O Trabalho Docente: elementos para uma teoría da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, Editora Vozes, 2008.

TRIVIÑOS, A. N. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Editora Atlas, 1987, 175p.

VAGO, T. M. O "esporte na escola" e o "esporte da escola": da negação radical para uma relação de tensão permanente Um diálogo com Valter Bracht. Movimento, Ano III, nº 5, 1996.

WOODS, P. La escuela por dentro: la etnografia en la investigacion educativa. Barcelona : Paidos,: Ministerio de Educacion y Ciencia, 1987.reimp. 1995. 220p.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. 248 p.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n56p173



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA