A luta contra a adversidade: notas de pesquisa sobre o mutualismo na Bahia (1832-1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2010v2n4p40

Palavras-chave:

Estado, Classe operária, Mutualismo

Resumo

O artigo faz uma cartografia do associativismo de auxílio mútuo na Bahia entre 1832, quando surgiram as primeiras entidades desse tipo no estado, e 1930, quando a Primeira República entrou em colapso e o Estado brasileiro passou a ter uma atuação mais proeminente na questão securitária e nas relações entre capital e trabalho. Além disso, examina as diferenças existentes no fenômeno, considerando os diversos grupos e classes sociais envolvidos no processo, distinguindo, por exemplo, as associações que agrupavam por meio de identidades sócio-profissionais das que o faziam tendo por base as afinidades e as solidariedades étnico-nacionais.

 

Biografia do Autor

Aldrin A. S. Castellucci, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutor em História pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

BATALHA, Claudio H. M. Sociedades de trabalhadores no Rio de Janeiro no século XIX: algumas reflexões em torno da formação da classe operária. Cadernos AEL. Campinas, v. 6, n. 10-11, p. 41-66, 1999.

BATALHA, Claudio. Identidade da classe operária no Brasil (1880-1920): atipicidade ou legitimidade. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 12, n. 23-24, p. 111-124, set./ago., 1992.

CASTELLUCCI, Aldrin. Política e cidadania operária em Salvador (1890-1919). Revista de História (USP). São Paulo, n. 162, p. 205-241, 1º semestre de 2010.

CASTELLUCCI, Aldrin. Classe e cor na formação do Centro Operário da Bahia (1890-1930). Afro-Ásia (UFBA), n. 40, p. 85-131, 2010.

CASTELLUCCI, Aldrin. Flutuações econômicas, crise política e greve geral na Bahia da Primeira República. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 25, n. 50, p. 131-166, 2005.

CASTELLUCCI, Aldrin A. S. Industriais e operários baianos numa conjuntura de crise (1914-1921). Salvador: Fieb, 2004.

COSTA E SILVA, Maria da Conceição Barbosa da. O montepio dos artistas: elo dos trabalhadores em Salvador. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia; Fundação Cultural; EGBA, 1998.

DE LUCA, Tânia Regina. O sonho do futuro assegurado: o mutualismo em São Paulo. São Paulo: Contexto, 1990.

FONTES, José Raimundo. Manifestações operárias na Bahia: o movimento grevista, 1888-1930. Salvador: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, Salvador. (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais), 1982.

HOBSBAWM, Eric J. Qual o país dos trabalhadores? In: HOBSBAWM, Eric J. Mundos do trabalho: novos estudos sobre história operária. Tradução de Waldea Barcellos e Sandra Bedran. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987, p. 79-97.

LINDEN, Marcel van der (ed.). Social security mutualism. The comparative history of mutual benefit societies. Bem; Berlin; Frankfurt; New York; Wien: Peter Lang, 1996.

MARAM, Sheldon Leslie. Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro (1890-1920). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

RODRIGUES, José Albertino. Sindicato e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Difel, 1968.

SILVA JUNIOR, Adhemar Lourenço da. As sociedades de socorros mútuos: estratégias privadas e públicas (estudo centrado no Rio Grande do Sul – Brasil, 1854-1940). Porto Alegre: 2004. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. (Tese de Doutorado), 2004.

SIMÃO, Azis. Sindicato e Estado: suas relações na formação do proletariado de São Paulo. São Paulo: Ática, 1981.

VISCARDI, Claudia Maria Ribeiro. Experiências da prática associativa no Brasil (1860-1880). Topoi. Rio de Janeiro, v. 9, n. 16, p. 117-136, jan./jun., 2008.

VITORINO, Artur José Renda. Máquinas e operários: mudança técnica e sindicalismo gráfico (São Paulo e Rio de Janeiro, 1858-1912). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2000.

Downloads

Publicado

2010-01-01