Del culto a la laboriosidad a la preocupación por la fatiga: dos miradas sobre la pobreza

Autores

  • Sandra Caponi Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p43

Palavras-chave:

Preguiça, Fatiga, Corpo, Trabalho

Resumo

Este artigo analisa dois modos de olhar o mundo da pobreza que coexistiram num mesmo momento histórico (1903-1904) e num mesmo local geográfico (Argentina). O olhar do José Ingenieros, que contou com o reconhecimento da intelectualidade argentina, e a do Bialet Massé, que permaneceu virtualmente desconhecido por quase quarenta anos. Cada um destes autores apresenta um modo peculiar de abordar o corpo dos trabalhadores. José Ingenieros constrói um discurso sobre a pobreza centrado no tema da preguiça, particularmente, a preguiça do crioulo. Bialet Massé, por sua parte no texto denominado Informe sobre o estado da classe operária de 1904, apresenta um novo olhar sobre o corpo dos trabalhadores, centrado no problema da fadiga. Analisamos as diferenças entre estes discursos a partir do texto de Anson Rabinbach: Human Motor.

 

Biografia do Autor

Sandra Caponi, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

Graduação em Filosofia - Universidad Nacional de Rosário (Argentina), mestrado em Lógica e Filosofia da Ciência pela UNICAMP, doutorado em Lógica e Filosofia da Ciência pela UNICAMP, realizou um primeiro Pós doutorado na Universidade de Picardie (França) em 2000, e um Pós-do

Publicado

2016-03-08