A ambiguidade da singularidade: a incorporação da questão racial brasileira pelo Partido Comunista do Brasil (PCB) nas décadas de 1920 e 1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2022.e85547

Palavras-chave:

PCB, questão racial, singularidade brasileira

Resumo

Este texto apresenta uma reflexão sobre o tratamento que o PCB – partido político mais antigo do Brasil – dispensou à questão racial brasileira nas suas primeiras décadas de existência, fundamentalmente, as décadas de 1920 e 1930. Utilizando-nos de fontes bibliográficas, documentos oficiais e artigos da imprensa vinculada ao partido concluímos que: se por um lado, o PCB não ignorou a questão racial brasileira, por outro tratou-a lateralmente nos seus documentos e ação institucional muito por conta da assimilação da tese de que a singularidade do desenvolvimento social e histórico brasileiro determinaria um tipo de sociabilidade na qual a modernização da sociedade possibilitaria a superação do racismo, por isso mesmo, questões relativas às classes sociais sobrepujariam a questão racial brasileira, mesmo quando amalgamadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Silva, Universidade Federal do ABC (UFABC)

Mestre em Planejamento e Gestão do Território e Doutorando em Ciências Humanas e Sociais pela Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referências

ALFONSO, Daniel; MATOS, Daniel (org.). Questão negra, marxismo e classe operária no Brasil. São Paulo: Edições Iskra, 2013.

ANDERSON, B. Comunidades Imaginadas: reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia da Letras, 2008.

CARONE, Edgar. O P.C.B. (1922-1943). São Paulo: Difel, 1982.

CARONE, Edgar. O P.C.B. (1943-1964). São Paulo: Difel, 1982.

CHADAREVIAN, Pedro C. Raça, classe e revolução no Partido Comunista Brasileiro (1922-1964). Política e Sociedade, Florianópolis, v. 11, n. 20, p. 255-283, abr. de 2012.

DOMINGUES, Petrônio. Minervino de Oliveira: um negro comunista disputa a presidência do Brasil. Lua Nova, São Paulo, n. 101, p. 13-51, ago. 2017.

FAUSTINO, Deivison M. Frantz Fanon: capitalismo, racismo e a sociogênese do colonialismo. SER Social, Brasília, v. 20, n. 42, p. 148-163, jun. 2018.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48ª ed. São Paulo: Global, 2003.

GOMES, Flávio S. Negros e política (1988-1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

GRAHAM, Jéssica. A virada antirracista do Partido Comunista do Brasil, a Frente Negra Brasileira e a Ação Integralista Brasileira na década de 1930. In: DOMINGUES, Petrônio; GOMES, Flávio S. (org.). Políticas da raça: experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2014. p. 283-300.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. 2ª ed. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2005.

LIMA, Aruã S. Comunismo contra o racismo: autodeterminação e vieses de integração de classe no Brasil e nos Estados Unidos (1919-1939). 2015. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MAZZEO, Antônio C. Sinfonia Inacabada: a política dos comunistas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 1999.

MOURA, Clóvis. As injustiças de Clio: o negro na historiografia brasileira. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1990.

MOURA, Clóvis. História do negro brasileiro. 2ª ed. São Paulo, Ática, 1992.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. Brasília: Senado Federal; Conselho Editorial, 2003.

OLIVEIRA, Éder R. Entre a reforma e a revolução: O PCB e a Revolução Brasileira. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2017.

PAIXÃO, Marcelo J. O justo combate: reflexões sobre relações raciais e desenvolvimento em questão. Revista Simbiótica, Vitória, v.2, n. 2, p.01-59, 2015.

SCHWARCZ, Lilia M. Nem preto, nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro enigma, 2012.

SILVA, Marcelo M. Breves reflexões acerca do desenvolvimento social no Brasil. Akrópolis, Umuarama, v. 25, n. 1, p. 47-60, jan./jun. 2017.

SOTERO, Edilza. Representação Política Negra no Brasil Pós-Estado Novo. 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SOUZA, Jessé. A modernização seletiva: uma interpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

TAVOLARO, Sérgio B. F. A Tese da Singularidade Brasileira Revisitada: Desafios Teóricos Contemporâneos. Dados, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 633-673, set. 2014.

WALLERSTEIN, Immanuel. Universalismo, racismo y sexismo: tensiones ideológicas del capitalismo. In: BALIBAR, Étienne; WALLERSTEIN, Immanuel. Raza, nación e clase. Madrid, IEPALA, 1991. p. 49-62.

Downloads

Publicado

2022-10-17

Como Citar

SILVA, . A ambiguidade da singularidade: a incorporação da questão racial brasileira pelo Partido Comunista do Brasil (PCB) nas décadas de 1920 e 1930. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 14, p. 1–20, 2022. DOI: 10.5007/1984-9222.2022.e85547. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/85547. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: O PCB e os mundos do trabalho