“Na maior confusão e desamparo": um motim a bordo na Marinha mercante portuguesa do século XVIII e suas motivações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2022.e86476

Palavras-chave:

Motins, História Marítima, Indisciplina

Resumo

O texto traz uma definição inicial do termo “motim” e seus usos correntes no século XVIII para, em seguida, apresentar sumariamente os motivos que levavam marinheiros mercantes, incluindo os escravizados, a se amotinarem em alto mar. Por fim, é descrito o caso do motim ocorrido em pleno Atlântico a bordo do navio N. S. da Piedade e São Boaventura e sua arribada forçada no Rio de Janeiro em 1783, para dialogar com a definição de movimentos desse tipo e com a noção de indisciplina na historiografia marítima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaime Rodrigues, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Doutor em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor Associado de História do Brasil da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Referências

AMORIM, João Pedro de. Dicionário de Marinha. Lisboa: Imprensa Nacional, 1841.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario Portuguez e Latino, v.5. Lisboa: Oficina de Pascoal da Silva, 1716; v. 6, Lisboa: Of. de Pascoal da Silva, 1720.

CAMPOS, Maurício da Costa. Vocabulário marujo: ou conhecimento de todos os cabos necessários ao navio; do seu poliame, e de todos os termos marujaes, e de alguns da construção naval, e artilheria; de indispensável conhecimento do oficial do mar. Rio de Janeiro: Of. de Silva Porto, 1823.

CANDIDO, Mariana Pinho. Different Slave Journeys: Enslaved African Seamen on Board of Portuguese Ships, c. 1760-1820s. Slavery and Abolition, v. 31, n. 3, p. 395-409, 2010.

CANTO, Rafael Antunes do. O cotidiano das gentes do mar no Atlântico dos séculos XV e XVI e suas relações a bordo das embarcações e em terra. 2012. Monografia (de Conclusão de Curso de História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

DOMINGUES, Francisco Contente. A Carreira da Índia. S/e: Lisboa, 1998.

DUMONT, Mikael. O Atlântico dos emigrantes franceses (séculos XVII e XVIII): experiências humanas da travessia. Projeto História, v. 42, p. 39-71, 2011.

FREITAS, Antonio Gregório de. Novo dicionário de marinha de guerra e mercante. Lisboa: Imprensa Silviana, 1855.

FRYKMAN, Niklas. Connections between Mutinies in European Navies. International Review of Social History, v. 58, p. 87-107, 2013.

FRYKMAN, Niklas. Seamen on Late Eighteenth-Century European Warships. International Review of Social History, v. 54, p. 67-93, 2009.

GODINHO, Rui Landeiro. A Carreira da Índia: aspectos e problemas da torna-viagem (1550-1649). Lisboa: Fundação Oriente, 2005.

LAPA, José Roberto do Amaral. A Bahia e a Carreira da Índia. São Paulo: Cia. Ed. Nacional; Edusp, 1968.

LEITHOLD, Johanes Gottfried Theodor von. Minha excursão ao Brasil ou viagem de Berlim ao Rio de Janeiro e volta, acompanhada de minuciosa descrição dessa capital, da vida na corte e dos seus habitantes, bem como de alguns conselhos para os que buscam melhorar sua sorte no Brasil. In: O Rio de Janeiro visto por dois prussianos em 1819. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1966.

MACK, John. O mar: uma história cultural. Silveira: Book Builders, 2018.

MICELI, Paulo. O ponto onde estamos: viagens e viajantes na história da expansão e da conquista (Portugal, séculos XV e XVI). 2ª ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1997.

MUNHOZ, Sidnei J. Thompson, o marxismo e o estudo dos protestos populares. Esboços, v. 11, n. 12, p. 107-122, 2004.

OLIVEIRA, Felipe Garcia de. Cultura jurídica da liberdade: autos cíveis e petições envolvendo escravos e forros na cidade de São Paulo, século XVIII. 2020. Dissertação (Mestrado em História) – Escola de Filosofia, Letras e e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos.

PERES, Damião (ed.). História Trágico-Marítima. 6 v. Porto: Portucalense, 1942-1943.

RODRIGUES, Jaime. Conversações ocultas e conventículos: o motim a bordo de um navio mercante português no século XVIII. Outras Fronteiras, v. 7, p. 390-405, 2020.

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

RODRIGUES, Jaime. Uma gentalha derramada pelas cidades: distúrbios em terra e deserções na Marinha Mercante luso-brasileira (segunda metade do século XVIII). Tempo, v. 27, p. 629-649, 2021.

RODRIGUES, Jaime. Mariners-slavers and slave ships in Atlantic, 18th and 19th centuries: the perspective of captives and the slaveholder’s logic. Africana Studia, v. 18, p.205-222, 2012.

SCHLICHTHORST, Carl. O Rio de Janeiro como é (1824-1826): uma vez e nunca mais. Contribuições de um diário para a história atual, os costumes e especialmente a situação da tropa estrangeira na capital do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2000.

SILVA, Antonio de Moraes. Diccionario da lingua portuguesa. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789, v. 2.

THOMPSON, E. P. Patrícios e plebeus. In: Costumes em comum. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2022-07-04

Como Citar

RODRIGUES, J. “Na maior confusão e desamparo": um motim a bordo na Marinha mercante portuguesa do século XVIII e suas motivações. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 14, p. 1-15, 2022. DOI: 10.5007/1984-9222.2022.e86476. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/86476. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Os mundos do trabalho nas rotas marítimas da liberdade