Velhos livros, novos papéis:

os Desvalidos, memória e história do mutualismo negro no século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e93895

Palavras-chave:

mutualismo, identidade racial, memória

Resumo

O presente artigo trabalha a história de duas instituições de ajuda mútua criadas por indivíduos negros livres e libertos, na primeira metade do século XIX, na cidade de Salvador, apresentando novas evidências de sua especificidade histórica. Explorando a recente publicação de dois importantes livros de registros da Irmandade dos Desvalidos (1832), o texto analisa os termos do conflito que em fins da década de 1840 dividiu a confraria, criando a Sociedade Protetora dos Desvalidos (1851) e abrindo caminho para importantes transformações no mutualismo negro do século XIX na Bahia. Apoiado em novas evidências, o trabalho discute como a surpreendente ausência desse conflito na historiografia sobre o tema pode ser explicada como uma das consequências do próprio conflito, que, ao separar as instituições, impôs à sua documentação os azares da transmissão ao longo do tempo. Pretende-se demonstrar, por fim, como o “jogo dos livros” dos Desvalidos pode funcionar como uma chave de explicação para formas particulares assumidas pela leitura da história e pela construção da memória sobre os Desvalidos desde meados do século XX.

Biografia do Autor

Douglas Guimarães Leite, Universidade Federal Fluminense

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF). Integrante do Centro de Ciência Social Histórica sobre Desigualdades Globais (CDG/UFF). Co-coordenador do Projeto "Gestão municipal da igualdade racial e políticas inclusivas de educação e trabalho no município de Niterói: estudos e ações para suas implementações".

Referências

ANDREWS, George Reid. Los Afroargentinos en Buenos Aires. Buenos Aires: Ediciones de la Flor, 1989.

BATALHA, Claudio H. M. Sociedades de trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX: algumas reflexões em torno da formação da classe operária. Cadernos AEL, v. 6, n. 10/11, p. 42-68, Sociedades operárias e mutualismo, 1999.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BRAGA, Julio Santana. Sociedade Protetora dos Desvalidos: uma irmandade de cor. Salvador: Ianamá, 1987.

CAMPOS, Lucas Ribeiro. Sociedade Protetora dos Desvalidos: mutualismo, política e identidade racial em Salvador (1861-1894). 2018. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

CARMO, Emerson Cláudio Cordeiro do. Memória e associativismo mutualista em Salvador: estudo centrado na Sociedade Protetora dos Desvalidos (1851-1934). 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas, 2019.

CASTELLUCCI, Aldrin A. S, A luta contra a adversidade: notas de pesquisa sobre o mutualismo na Bahia, 1832-1930. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 40-77, ago/dez. 2010.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.

GAMBI, Thiago Fontelas Rosado. O banco da Ordem: política e finanças no Império brasileiro (1853-66). 2010. Tese (Doutorado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GAMBI, Thiago Fontelas Rosado. Projetos políticos e crises econômicas: análise do caso do Banco do Brasil na crise bancária de 1864. Revista Veredas da História, v. 5, n. 2, p. 1-18, 2012.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

HOPKINS, Eric. Working-Class Self-Help in nineteenth-century England. London: UCL Press, 1995.

KRAAY, Hendrik. Política racial, Estado e Forças Armadas na época da Independência: Bahia, 1790-1850. São Paulo: Hucitec, 2011.

LACERDA, David Patrício. Mutualismo, trabalho e política: a Seção Império do Conselho de Estado e a organização dos trabalhadores na cidade do Rio de Janeiro (1860-1882). In: MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Claudio H. M. (org.). Organizar e Proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Ed. Unicamp, 2014, p. 83-110.

LACERDA, David Patrício. Solidariedades entre ofícios: a experiência mutualista no Rio de Janeiro imperial (1860-1882). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

LAHON, Didier. Da redução da alteridade à consagração da diferença: as irmandades negras em Portugal (Séculos XVI-XVIII). Projeto História, São Paulo, n. 44, p. 53-83, jun. 2012.

LEITE, Douglas Guimarães. “Mutualistas, graças a Deus”: identidade de cor, tradições e transformações do mutualismo popular na Bahia do século XIX (1831-1869). 2017. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos da mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

MAC CORD, Marcelo. Artífices da cidadania: mutualismo, educação e trabalho no Recife oitocentista. Campinas: Ed. Unicamp, 2012.

MAC CORD, Marcelo. As sociedades mutualistas e os seus registros escritos: análise formal e social das atas de suas reuniões ordinárias e extraordinárias. In: SECRETO, Maria Veronica; FREIRE, Jonis (org.). História como se faz? Exercícios de metodologia da história sobre escravidão e liberdade, v. 1. Belo Horizonte: Fino Traço, 2022, p. 194-211.

MAC CORD, Marcelo. O Rosário de D. Antônio: irmandades negras, alianças e conflitos na história social do Recife, 1848-1872. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.

MARTINS, Mônica de Souza N. A prática do auxílio mútuo nas corporações de ofícios no Rio de Janeiro na primeira metade do século XIX. In: MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Claudio H. M. (org.). Organizar e Proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Ed. Unicamp, 2014, p. 25-46.

MARTINS, Mônica de Souza N. Entre a cruz e o capital: as corporações de ofício no Rio de Janeiro após a chegada da família real, 1808-1824. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

MESQUITA, Mariana. Pelas contas do Rosário: sentidos da cidadania na Irmandade dos homens pretos de Salvador no pós-abolição (1888-1930). Teresina: Cancioneiro, 2022.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Havemos de ser atendidos em nossos direitos, uma vez que servimos para votantes e soldados, não obstante a nossa cor: associativismo negro, direitos e cidadania (a Sociedade Beneficente Cultural Floresta Aurora, Porto Alegre, séc. XIX). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 11, p. 1-30, 2019.

MOREIRA, Paulo Roberto Staudt. Os cativos e os homens de bem: experiências negras no espaço urbano. Porto Alegre (1858-1888).

MULVEY, Patricia Ann. The black lay brotherhoods of colonial Brazil. 1976. PhD Dissertation (History) – City University of New York, 1976.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Dez freguesias da cidade do Salvador: aspectos sociais e urbanos do século XIX. Salvador: Edufba, 2007.

NISHIDA, Mieko. Slavery & Identity: ethnicity, gender and race in Salvador, Brazil, 1808-1888. Bloomington: Indiana University Press, 2003.

OLIVEIRA, Klebson. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico”. 2005. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

PINHO, José Wanderley de Araújo. A Bahia – 1808-1856. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (org.). História Geral da Civilização Brasileira: o Brasil Monárquico. São Paulo: Difel, 1972, v. 2.

PONDÉ, Maria do Carmo. A Capelinha dos Quinze Mistérios e a devoção do Rosário entre os pretos. Anais do Arquivo Público da Bahia, vol. XXIX (1943), p. 313-324.

REGINALDO, Lucilene. Em torno de um registro: o livro de irmãos do Rosário das Portas do Carmo. In: SOUZA, Evergton Sales; MARQUES, Guida; SILVA, Hugo R. (org.). Salvador da Bahia: retratos de uma cidade atlântica. Salvador, Lisboa: Edufba, CHAM, 2016, p. 191-222.

REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas: irmandades negras, experiências escravas e identidades africanas na Bahia setecentista. 2005. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

RALLE, Michel. A função da proteção mutualista na construção de uma identidade operária na Espanha (1870-1910). Cadernos AEL, v. 6, n. 10/11, p. 15-39, 1999.

REIS, João José. Identidade e diversidade étnicas nas irmandades no tempo da escravidão. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 7-33, 1996.

RICOEUR, Paul Ricoeur. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

SEIXAS, Jacy Alves de. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. IN: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (org.). Memória e (res) sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. Unicamp, 2004, p. 37-58.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. As sociedades de socorros mútuos: estratégias privadas e públicas (estudo centrado no Rio Grande do Sul – Brasil, 1854-1940). 2004. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. O mutualismo de fechamento étnico no Rio Grande do Sul (1854-1940). Revista Métis: história e cultura, v. 4, n.8, jul/dez 2005, p.127-157.

SILVEIRA, Renato da. Antecedentes europeus nas irmandades do Rosário dos Pretos na Bahia colonial. REIS, João José Reis; AZEVEDO, Elciene (org.). A escravidão e suas sombras. Salvador: Edufba, 2012, p.15-63.

VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo: do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos, dos séculos XVII a XIX. 3ª ed. São Paulo: Corrupio, 1987.

Downloads

Publicado

2023-07-28

Como Citar

LEITE, Douglas Guimarães. Velhos livros, novos papéis:: os Desvalidos, memória e história do mutualismo negro no século XIX. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–23, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e93895. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/93895. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.