João Henriques de Lima Barreto:

o engajamento político de um tipógrafo negro no contexto da abolição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e94330

Palavras-chave:

trajetória profissional, relações paternalistas, experiências associativas, engajamento político

Resumo

Pai de Afonso Henriques, um dos mais importantes intelectuais brasileiros, o tipógrafo João Henriques de Lima Barreto (1853-1922) vem sendo apresentado, via de regra, como um trabalhador negro livre, submisso e dependente, quase totalmente desprovido de agência em suas conquistas profissionais e opções políticas. Minha intenção aqui é compreendê-lo como sujeito do fazer-se como um trabalhador qualificado, que conquistou o respeito e o reconhecimento de seus empregadores e colegas de ofício. Trata-se, portanto, de buscar apreender em suas experiências e à luz de referenciais thompsianos outros possíveis significados das relações paternalistas e de apadrinhamento que problematizem a eficácia reificadora da dominação de pessoas negras nascidas livres na sociedade escravista brasileira do século XIX. Para tanto, me proponho a analisar a trajetória de João Henriques, ressaltando especialmente sua formação profissional e educacional, a carreira como tipógrafo da Imprensa Nacional e sua atuação política como monarquista liberal, inserido em associações de trabalhadores da cidade do Rio de Janeiro, nas duas últimas décadas do período imperial. Além da obra clássica de Francisco de Assis Barbosa, A vida de Lima Barreto, os registros veiculados na imprensa carioca foram fontes substanciais desta pesquisa.

Biografia do Autor

Magali Engel, UERJ/PPGH-UFBA

Professora Associada aposentada da UERJ. Professora Colaboradora do PPGH-UFBA. Professora Adjunta da UFF (1979-2006). Doutora em História pelo PPGH-UNICAMP. 

Referências

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de. O jogo da dissimulação. Abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

ALMEIDA, Mateus Fernandes de Oliveira. Representações do Associativismo entre as mutuais de trabalhadores na Corte do Império. Estudos IberoAmericanos, v. 41, n. 1, p. 143-163, jan.jun. 2015.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. 6ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1981.

MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Claudio (org.). Organizar e proteger. Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Edunicamp, 2014.

BATALHA, Claudio. Sociedades de Trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX: algumas reflexões em torno da formação da classe operária. Cadernos AEL, Campinas, Vol. 6, n. 10/11, p. 43-68, 1999.

BIELINSKY, Alba Carneiro. Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro – dos pressupostos aos reflexos de sua criação – de 1856 a 1900. 2003. Dissertação (Mestrado em História e Crítica da Arte) – Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2003.

CARVALHO, José Murilo de Carvalho. O radicalismo político no Segundo Reinado. In: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia M. (org.). Um enigma chamado Brasil. 29 intérpretes e um país. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

CASTELLUCCI, Aldrin Armstrong Silva. Muitos votantes e poucos eleitores: a difícil conquista da cidadania operária no Brasil Império (Salvador, 1850-1881). Varia História, Belo Horizonte, vol. 30, nº 52, p.183-206, jan/abr 2014.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

COSTA, Rafael Maul de Carvalho. Escravizados na liberdade: abolição, classe e cidadania na Corte Imperial. Rio de Janeiro: AGCRJ, 2013.

COWLING, Camillia. Concebendo a liberdade: Mulheres de cor, gênero e a abolição da escravidão nas cidades de Havana e Rio de Janeiro. Campinas: Edunicamp, 2018.

DAMASCENO, Karine Teixeira. Para serem donas de si. Mulheres negras lutando em família (Feira de Santana, Bahia, 1871-1888). 2019. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História da UFBA, Salvador, 2019.

ENGEL, Magali Gouveia. Os Henriques de Lima Barreto e as experiências com a loucura: um destino inexorável? Revista Mosaico. Goiânia, v. 14, p. 8-26, 2021.

FERREIRA, Higor Figueira. Em tintas negras: educação, ensino e a trajetória de Pretextato dos Passos e Silva na corte imperial – novas evidências. Revista da ABPN, v. 10, n. 25, p. 26-42, mar – jun 2018.

FLEIUSS, Max. Centenário de Henrique Fleiuss. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, t. 94, v. 148, p. 770-784, 1923. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B_G9pg7CxKSsY1NuVzVKOHl0MjQ/view?resourcekey=0-TrTyPWw9JYkNzKGLLRxaJQ. Acesso em: 17 set. 2022.

FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS, Surya A. Pombo de (org.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EDUFF, 2016.

GABLER, Louise. Aula de Comércio da Corte (1822-1889). Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2011. Disponível em: http://mapa.an.gov.br/index.php/menu-de-categorias-2/259-aula-de-comercio-da-corte-1822-1889. Acesso em 20/04/2023.

LARA, Silvia Hunold. Blowin' in the Wind: E.P. Thompson e a experiência negra no Brasil. Projeto História. São Paulo, n. 12, p. 43-56, out. 1995.

LINHARES, Maria Yedda Leite. As listas eleitorais do Rio de Janeiro no século XIX: projeto de classificação profissional. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, v. 48, p.121-153, 1979.

MAC CORD, Marcelo; ARAÚJO, Carlos E. Moreira de; GOMES, Flávio dos Santos (org.). Rascunhos cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

MATTOS, Marcelo Badaró. Escravizados e livres: experiências comuns na formação da classe trabalhadora carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

KRAAY, Hendrik. Reis negros, cabanos, e a Guarda Negra. Reflexões sobre o monarquismo popular no Brasil oitocentista. Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 35, n. 67, p. 141-175, jan/abr 2019.

SCHWARCZ, Lilia M. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

SILVA, Adriana Maria P. da. Aprender com perfeição e sem coação: uma escola para meninos pretos e pardos na corte. Brasília: Editora Plano, 2000.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SOUZA, Felipe Azevedo e. A dissimulada arte de produzir exclusões: as reformas que encolheram o eleitorado brasileiro (1881-1930). Revista História. São Paulo, n. 179, p. 1-35, 2020.

THOMPSON, Edward P. Tradición, revuelta y consciencia de classe. Estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. 2ª ed. Barcelona: Editorial Crítica, 1984.

Downloads

Publicado

2023-07-14

Como Citar

ENGEL, Magali. João Henriques de Lima Barreto: : o engajamento político de um tipógrafo negro no contexto da abolição. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–22, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e94330. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/94330. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.