Augusto de Campos tradutor de Emily Dickinson

Fernanda Maria Alves Lourenço, Karine Simoni, Silvia La Regina

Resumo


Este artigo objetiva analisar a tradução de duas poesias de Emily Dickinson (1830-1886) realizada por Augusto de Campos (1931) e publicada em 2008 na coletânea Emily Dickinson: Não sou ninguém.  Inicialmente serão apresentados alguns elementos da poética de Dickinson, a partir de Gilbert e Gubar (1984), Donoghue (1969), Sewall (1963) e Daghlian (1987). Em seguida, será dada ênfase à figura de Augusto de Campos como poeta e como tradutor, com ênfase nos seus comentários sobre tradução, visando compreender sua prática tradutória. (CAMPOS, 2004; 2006; 2008) Por fim, será analisada a tradução de duas poesias de Dickinson realizada por Augusto de Campos, buscando identificar a relação entre a teoria e a prática do tradutor. Essa análise, de caráter discursivo, além do plano formal e sintático, busca verificar o plano semântico dos textos, e ressalta que não tem a pretensão de realizar qualquer tipo de julgamento prescritivo.


Palavras-chave


Augusto de Campos; Tradução Criativa; Poesia; Emily Dickinson

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANDRADE, Oswald de. Obras completas. São Paulo: Globo, 1991.

Cambridge Dictionaries Online. Disponível em: .

CAMPOS, Augusto de. Entrevista sobre a tradução de “Não sou ninguém” [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por ; em 02 setembro 2012.

______. Poesia concreta (manifesto). In: CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Teoria da Poesia Concreta: textos críticos e manifestos 1950 - 1960. Cotia: Ateliê Editorial, 2006. p. 71 - 76.

______. Augusto de Campos: em busca da “alma” e da “forma”. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, n. 276, ano VIII, 6 out. 2008a. Entrevista concedida à André Dick. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2014.

______. Entrevista a João Queirós. In: Cadernos de Tradução. v. 2, n. 22. Florianópolis: UFSC/PGET, 2008b.

______. Introdução. 2007. In: Dickinson, Emily. Emily Dickinson: Não sou ninguém. Trad. Augusto de Campos. Campinas: Editora UNICAMP, 2008. p. 09 - 17.

______.Entrevista concedida por Augusto de Campos à Inês Oseki-Dépré. In: SÜSSEKIND, Flora; GUIMARÃES, Júlio Castañon. Sobre Augusto de Campos. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004.

______. Augusto de Campos. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2014.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem & outras metas: ensaios de teoria e crítica literária. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BARBOSA, Heloísa Gonçalves; WYLER, Lia. Brazilian tradition. In: BAKER, M. (Dir.). Routledge encyclopedia of translation studies. London/ New York: Routledge, 1998. p. 326-332.

BASSNETT, Susan. Estudos de Tradução. Trad. Sônia Terezinha Gehring et al.. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.

BLACKMUR, R. P. Emily Dickinson’s Notation. 1956. In: SEWALL, Richard Benson. Emily Dickinson. A Collection of Critical Essays. New York, Prentice-Hall, Inc., Englewood Cliffs, 1963. p. 78-87.

BRITTO. Paulo Henriques. O que é poesia? Casa das rosas. São Paulo, abril 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 out 2014.

DAGHLIAN, Carlos. A obsessão irônica na poesia de Emily Dickinson. 1987. 310f. Livre Docência - Universidade Estadual de São Paulo, São José do Rio Preto, 1987.

DONOGHUE, Denis. Emily Dickinson. 81. ed. Minneapolis: University of Minnesota, 1969.

EMILY DICKINSON MUSEUM. 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2014.

GILBERT, Sandra M; GUBAR, Susan. The madwoman in the attic: the woman writer and the nineteenth-century literary imagination. New Haven: Yale University Press, 1984.

GOLDSTEIN, Norma Seltzer. Versos, sons, ritmos. São Paulo: Ática, 2006.

GOMES, Aíla de Oliveira. Introdução. In: DICKINSON, Emily. Emily Dickinson: uma centena de poemas. Trad. Aíla de Oliveira Gomes. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1984.

HOUAISS, Antonio. Novo dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LIRA, José. Emily Dickinson e a poética da estrangeirização. In: PG Letras 30 anos - O Caminho se Faz Caminhando, 2006, Recife. Anais eletrônicos. Recife: 2006, UFPE, PPGEL. v. 1, n. 1, p. 556 - 569. Disponível em: < http://www.pgletras.com.br/Anais-30- Anos/Docs/Artigos/5.%20Melhores%20teses%20e%20dissertações/5.5_ Jose_Lyra.pdf>. Acesso em: 2 ago 2013.

MALTZ, Bina. Antropofagia: rito, metáfora e pau-brasil. In: MALTZ, Bina; TEIXEIRA, Jerônimo; FERREIRA, Sérgio. Antropofagia e Tropicalismo. Porto Alegre: UFRGS, 1993.

MORENO, Silene. Ecos e reflexos: a construção do cânone de Augusto e Haroldo de Campos a partir de suas concepções de tradução. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. 2001.

OBERHAUS, Dorothy Huff. Emily Dickinson's Book. The Emily Dickinson Journal, v. 2, n. 2, p. 58-65. 1993.

OXFORD. Advanced Learners's Dictionary. 7th edition. Oxford: Oxford University Press, 2005.

PAES, José Paulo. A tradução literária no Brasil. In: Tradução: a ponte necessária. Aspectos e problemas da arte de traduzir. São Paulo: Ática, 1990.

PREMINGER, Alex; BROGAN, T. V. F. The new Princeton encyclopedia of poetry and poetics. Princeton New Jersey: Princeton University Press, 1993.

ROMANELLI, Sérgio. De poeta à poeta: a única tradução possível? O caso Dickinson/Virgillito. Uma análise descritiva. 2003. 153 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) - Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SEWALL, Richard Benson. Emily Dickinson. A Collection of Critical Essays. New York, Prentice-Hall, Inc., Englewood Cliffs, 1963.

SMALL, Judy Jo. Positive as sound: Emily Dickinson's rhyme. Athens, Georgia: University of Georgia Press, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35n2p161



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.