A piedade e a força: o trabalho forçado em obras de socorros públicos nas secas da passagem do século XIX

Autores

  • Tyrone Apollo Pontes Cândido

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2016v8n15p149

Palavras-chave:

Trabalho forçado, Obras de socorros públicos, "Transição para o trabalho livre"

Resumo

Neste artigo procuro enfrentar o problema de caracterizar como forçado o trabalho executado pelos retirantes das secas no território semiárido brasileiro (em particular no Ceará) durante a passagem do século XIX e, com base nessa experiência, refletir sobre a pertinência de se considerar a presença de relações não livres de trabalho no contexto da chamada “transição para o trabalho livre”, ainda quando os sujeitos sociais em pauta não tenham sido trabalhadores escravos.

Biografia do Autor

Tyrone Apollo Pontes Cândido

Curso de História da Universidade Estadual do Ceará, Campus de Quixadá

Referências

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. “Falas de angústia e de astúcia: a seca no imaginário nordestino – de

problema a solução (1877-1922)”. (Dissertação de Mestrado em História, Unicamp, 1988).

BARBOZA, Edson Holanda Lima. “A hidra cearense: rotas de retirantes e escravizados entre o Ceará e as fronteiras do Norte (1877-1884)”. (Tese de Doutorado em História Social, PUC/SP, 2013).

BORGES, Ana Carolina da Silva. “Os ‘ribeirinhos’ do Pantanal Norte: temporalidades, práticas rurais e cotidiano. Revista Mundos do Trabalho, v.2, n.4, p.305-335, 2010.

BRASIL, Tomás Pompeu de Souza. Ensaio estatístico da província do Ceará. Tomo 1. Edição fac-similar.

Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara, 1997.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHAVES, José Olivenor Souza. “Fortaleza e os retirantes da seca de 1877-79”. (Dissertação de Mestrado em História, UFPE, 1995).

CÂNDIDO, Tyrone Apollo Pontes. “Sertão proletário: pobreza, paternalismo e trabalho no Ceará oitocentista”. Saeculum – Revista de História (UFPB), João Pessoa, n.33, p.163-182, jul./dez. 2015.

CÂNDIDO, Tyrone Apollo Pontes. “Proletários das secas: arranjos e desarranjos nas fronteiras do trabalho

(1877-1919)”. (Tese de Doutorado em História Social, UFC, 2014).

COSTA, Emilia Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. 3.ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

CORMINEIRO, Olívia M. & MEDEIROS, Euclides Antunes. “O universo dos trabalhadores dos castanhais: cotidiano e exploração no Vale do Tocantins (1890-1940)”. Revista Mundos do Trabalho, v.5, n.9, p.283-305, 2013.

CORMINEIRO, Olivia M. “Percepções do tempo e trabalho: as disputas dos sertanejos pobres no extremo norte de Goiás em torno de seus modos de viver – 1860-1920”. Revista Mundos do Trabalho, v. 1, n. 2, p.171-194, 2009.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.

FERREIRA SOBRINHO, José Hilário. “Catirina, minha nêga, tão querendo te vendê”: escravidão, tráfico e negócios no Ceará do século XIX. Fortaleza: SECULT/CE, 2011.

FULLER, Cláudia Maria. “Os Corpos de Trabalhadores e a organização do trabalho livre na província do Pará (1838-

. Revista Mundos do Trabalho, v.3, n.6, p.52-66, 2011.

FUNES, Eurípedes. “Negros no Ceará”. In: SOUZA, Simone de (Org.). Uma nova história do Ceará. 4.ed. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 2.ed. São Paulo: Ática, 1978.

FERRERAS, Norberto O. & SECRETO, María Verónica. Os pobres e a política: história e movimentos sociais na

América Latina. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2013.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GALENO, Juvenal. Lendas e canções populares. 4. ed. Fortaleza: Casa de Juvenal Galeno, 1978.

GOMES, Ângela de Castro. “Repressão e mudanças no trabalho análogo ao de escravo no Brasil: tempo presente e usos do passado”. Revista Brasileira de História, Rio de Janeiro, v.32, p.167-184, 2012.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. “Violência e trabalho na Amazônia: narrativa historiográfica”. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v.7, n.1 p.27-46, abr. 2004.

LARA, Silvia Hunold. “Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Revista Projeto História, São Paulo, n.16, p.25-38, fev. 1998.

LIMA, Frederico de Oliveira. “De Arigó a Soldado da Borracha e o fazer-se do seringueiro na Amazônia”. Revista Tempo Amazônico, v.2, n.1, p.4-24, jun./dez. 2014.

LIMA, Henrique Espada. “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade no século

XIX”. Topoi, Rio de Janeiro, vol. 6, n.11, p.289-325, 2005.

LINDEN, Marcel van der. Trabalhadores do mundo: ensaios para uma história global do trabalho. Campinas:

Unicamp, 2013.

LUXEMBURGO, Rosa. A acumulação do capital: contribuições ao estudo econômico do imperialismo. 2.ed.

São Paulo: Nova Cultura, col. Os Economistas, 1985.

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. São Paulo: Liv. Ed. Ciências Humanas, 1979.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política, v.1, t.2. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MATTOS, Marcelo Badaró. “Trabalhadores escravizados e livres na cidade do Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX”. Revista Rio de Janeiro, n.12, p.229-251, 2004.

MORAIS, Viviane Lima de. “Razões e destinos da migração: trabalhadores e emigrantes cearenses pelo Brasil

no final do século XIX”. (Dissertação de Mestrado em História Social, PUC/SP, 2003).

NEGRO, Antonio Luigi & GOMES, Flávio dos Santos. “Além das senzalas e das fábricas: uma história social do trabalho”. Revista Tempo Social, v.18, n.1, p.217-240, 2006.

NEVES, Frederico de Castro. “‘Desbriamento’ e ‘perversão’: olhares ilustrados sobre os retirantes da seca de

”. Projeto História, São Paulo, v.27, p.167-189, 2003.

NEVES, Frederico de Castro. “A Lei de Terras e a Lei da Vida: transformações no mundo rural do Ceará no século XIX”. Estudos de História, Franca-SP, v.8, n.2, p.37-58, 2001.

NEVES, Frederico de Castro. A multidão e a história: saques e outras ações de massa no Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

PAZ, Adalberto. “Caboclos, extrativistas e operários: a formação da mão de obra industrial na Amazônia nos anos 1940”. Revista Mundos do Trabalho, v.5, n.9, p.171-187, 2013.

PINHEIRO, Francisco José. “Mundos em confronto: povos nativos e europeus na disputa pelo território”. In:

SOUZA, Simone de (Org.). Uma nova história do Ceará. 4. ed. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007.

PRADO JR. Caio. História econômica do Brasil. 17. ed. São Paulo: Brasiliense, 1974.

RAMOS, Xisley de Araújo. “Por trás de toda fuga nem sempre há um crime: recrutamento “a laço” e os limites da ordem no Ceará (1850-1875)”. (Dissertação de Mestrado em História Social. Fortaleza: UFC, 2003).

SAMUEL, Raphael. Workshop of the world: steam power and hand technology in mid-Victorian Britain.

History Workshop Review, London, n.3, spring 1977.

SANTOS, Martha S. “Honra, terra e violência: o mundo dos homens pobres livres do sertão cearense do século XIX”. Trajetos – Revista de História UFC, Fortaleza, v.6, n.11, p.9-22. 2008.

TEÓFILO, Rodolfo. Varíola e vacinação no Ceará. Fortaleza: Oficinas do Jornal do Ceará, 1904.

WOOD, Ellen Meiksins. A origem do capitalismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

WOLF, Eric R. A Europa e os povos sem história. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

WOLFF, Cristina Scheibe. “Mulheres da Floresta: outras tantas histórias”. Revista Estudos Amazônicos, v.VI, n.1, p.21-40, 2011.

Downloads

Publicado

2017-02-06