“Herdeiro das gloriosas tradições de luta dos homens e mulheres da sua raça”: trabalhadores, política, classe e raça na Bahia no pós-Segunda Guerra Mundial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e95429

Palavras-chave:

PCB, Operariado negro, Questão racial

Resumo

Nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte, em dezembro de 1945, o ativista portuário Juvenal Souto Júnior, candidato pelo Partido Comunista do Brasil, foi apresentado na imprensa comunista como um “legítimo herdeiro das gloriosas tradições de luta dos homens e mulheres da sua raça, os negros da Bahia, que dirigiram ou participaram dos movimentos de 1835 e seguintes contra a opressão e pela igualdade de direitos dos trabalhadores de cor”. Juvenal foi o segundo candidato mais votado na legenda pecebista, superado apenas por Carlos Marighella, o único deputado comunista eleito pela Bahia. No pós-Estado Novo, muitos dos operários que se destacaram no movimento sindical baiano eram negros. Alguns destes operários viram no curto período de legalidade do PCB (1945-1947) uma importante janela de participação na política partidária e eleitoral. Recentes estudos têm focalizado a relação do PCB com a questão racial e a participação negra na política partidária e eleitoral. Contudo, essas pesquisas têm privilegiado a perspectiva do partido político e do ativismo negro e as variáveis conjunturais, não dedicando a mesma atenção às experiências e trajetórias de operários e ativistas sindicais negros que tiveram atuação efetiva na militância partidária e na disputa eleitoral no pós-Estado Novo. O presente artigo parte da perspectiva de que a relação desses operários negros com a política partidária e eleitoral eram uma via de mão dupla, onde os discursos, as diretrizes e deliberações do partido político e dos movimentos negros podiam ser apropriados e ressignificados a partir de suas trajetórias e experiências pessoais e sociais.

Biografia do Autor

Edinaldo Antonio Oliveira Souza, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutor em História Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). 

Referências

ALFONSO, Daniel; MATOS, Daniel (org.). Questão negra, marxismo e classe operária no Brasil. São Paulo: Edições Iskra, 2013.

BOURDIEU, Pierre. Os usos do “povo”. In: BOURDIEU, Pierre. Coisas Ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

BOURDIEU, Pierre. Você disse “popular”? Revista Brasileira de Educação, n. 1, p. 16-26, jan-abr. 1996.

CASTELLUCCI, Aldrin A. Classe e cor na formação do Centro Operário da Bahia (1890-1930). Salvador: Afro-Ásia, n. 41, 2010, p. 85-131.

CHADAREVIAN, Pedro C. Raça, classe e revolução no Partido Comunista Brasileiro (1922-1964). Política e Sociedade, Florianópolis, v. 11, n. 20, p. 255-283, abr. de 2012.

COSTA, Hélio. Em busca da memória: comissão de fábrica, partido e sindicato no pós-guerra. São Paulo: Editora Página Aberta Ltda, 1995.

CRUZ, Maria Cecília Velasco. Tradições negras na formação de um sindicato: Sociedade de Resistência dos Trabalhadores em Trapiche e Café, Rio de Janeiro, 1905-1930. Afro-Ásia, Salvador, n. 24, p. 243-290, 2000.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERREIRA FILHO, Alberto Heráclito. Salvador das mulheres: condição feminina e cultura popular na belle époque imperfeita. 1994. Dissertação (Mestrado em História) — Salvador: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, 1994.

FONTES, José Raimundo. A Bahia de todos os trabalhadores. Classe operária, sindicatos e política — 1930-1947. 1997. Tese (Doutorado em História) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

FREYRE, Gilberto. Bahia e baianos. Edson Nery da Fonseca (org.). Salvador: Fundação das Artes/Empresa Gráfica da Bahia, 1990.

GOMES, José Carlos de S. A dupla exploração e a discriminação do trabalhador negro nas indústrias petroquímicas e químicas de Camaçari. 1985. Dissertação (Mestrado em Sociologia) — Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1985.

GRAHAM, Jéssica. A virada antirracista do Partido Comunista do Brasil, a Frente Negra Brasileira e a Ação Integralista Brasileira na década de 1930. In: DOMINGUES, Petrônio; GOMES, Flávio S. (org.). Políticas da raça: experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2014, p. 283-300.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Classes, raças e democracia. 34ª ed. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo, 2002.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LIMA, Aruã S. Comunismo contra o racismo: autodeterminação e vieses de integração de classe no Brasil e nos Estados Unidos (1919-1939). 2015. Tese (Doutorado em História Social) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

NEGRO, Antonio Luigi. Um PCB é pouco, dois é bom, três é demais: a participação operária na política do pós-guerra. História, n. 21, 2002.

NOVA, Cristiane; NÓVOA, Jorge. Genealogias, transversalidades e rupturas de Carlos Marighella. In: NOVA, Cristiane; NÓVOA, Jorge (org.). Carlos Marighella: o homem por trás do mito. São Paulo: Editora UNESP, 1999, p. 35-188.

PIERSON, Donald. Brancos e Pretos na Bahia: estudo de contato racial. São Paulo/ Rio de Janeiro/ Bahia/ Recife/ Pará/ Porto Alegre: Companhia Editora Nacional, 1945.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução Crítica à Sociologia Brasileira. Rio de Janeiro: Editorial Andes Ltda., 1957.

REIS, João José. Ganhadores: a greve negra de 1857 na Bahia. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SANTANA, Marco Aurélio. Homens partidos: comunistas e sindicatos no Brasil. São Paulo, Boitempo Editorial/UFRJ, 2001.

SANTOS, Joel Rufino. D. O negro como lugar. In: MAIO, M. C.; SANTOS, R. V. (org.). Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 1996.

SARDENBERG, Cecília M. B. [et. al.]. Mulheres e sindicatos: presença feminina no Sindtêxtil–Bahia nos anos 50. In: SARDEMBERG, Cecília M. B.; VANIN, Iole M.; ARAS, Lina, M. B. (org.). Fazendo Gênero na Historiografia Baiana. Salvador: NEIM/UFBA, 2001, pp. 136-160.

SENA JÚNIOR, Carlos Zacarias. Os impasses da estratégia: os comunistas, o antifascismo e a revolução burguesa no Brasil, 1936 – 1948. São Paulo: Annablume, 2009.

SERRA, Sônia. O Momento: história de um jornal militante. 1987. Dissertação (Mestrado em História) — Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1987.

SILVA, Elizabete Rodrigues. Fazer charutos: uma atividade feminina. 2001. Dissertação (Mestrado em História) — Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

SOTERO, Edilza Correia. Representação Política Negra no Brasil Pós-Estado Novo. 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SOUZA, Edinaldo Antonio Oliveira. Trabalho, política e cidadania: trabalhadores, sindicatos e luta por direitos (Bahia, 1945-1950). 2015. Tese (Doutorado em História) — Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

SOUZA, Edinaldo A. Oliveira. Mulheres operárias e luta jurídica pela proteção à maternidade em comarcas do Recôncavo baiano (1943-1949). Revista Cadernos de Pesquisa. Uberlândia: UFU, v. 24, n.2, ´p. 433-455, jul./dez. 2011.

SILVA, Fernando T. A carga e a culpa. Os operários das Docas de Santos: direitos e cultura de solidariedade (1937-1968). Santos, SP: Hucitec, 1995.

SOUZA, Robério S. Tudo pelo trabalho livre! Trabalhadores e conflitos no pós-abolição. (Bahia 1892-1909). Salvador; São Paulo: Ed. Ufba; Fapesp, 2011.

STOLKE, Verena. Sexo está para gênero assim como raça está para etnicidade? Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, v. 20, p. 101-117, jun. 1991.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria: ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

THOMPSON, Edward P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Organizadores: Antonio Luigi Negro e Sergio Silva. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2001.

Downloads

Publicado

2023-10-06

Como Citar

SOUZA, Edinaldo Antonio Oliveira. “Herdeiro das gloriosas tradições de luta dos homens e mulheres da sua raça”: trabalhadores, política, classe e raça na Bahia no pós-Segunda Guerra Mundial. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–16, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e95429. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/95429. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.