Traduzir: Escrever entre Línguas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e83253

Palavras-chave:

Tradução, Poética, Afinidades, Língua Intermediária, Terminologia

Resumo

Este artigo propõe-se a investigar em que medida as ideias metafísicas relacionadas à linguagem e aos poderes da linguagem, tanto na tradição grega arcaica de Homero e Hesíodo quanto na tradição bíblica do livro de Gênesis, que, durante o século XX, foram novamente trazidas à tona, discutidas e reavaliadas por autores como Walter Benjamin e Bruno Schulz, também fazem sentido enquanto contribuições para uma discussão em torno da natureza da tradução literária. Estas ideias provenientes da Antiguidade estão vinculadas, por um lado, a uma visão da linguagem como uma dyamis original e autônoma, como uma força criadora de sentidos, que antecede a “realidade” para tornar-se o real em si mesmo, e se contrapõem aos conceitos linguísticos estabelecidos por Ferdinand de Saussure e Émile Benveniste, que partem de uma abordagem prática da linguagem e postulam o caráter arbitrário dos vocábulos. Na concepção essencialista da linguagem, própria do mundo arcaico, assim como no conceito goethiano de Verwandschaft (afinidade) talvez se encontrem contribuições valiosas para a práxis da tradução literária.

Biografia do Autor

Luis S. Krausz, Universidade de São Paulo

Professor Livre-Docente 2 de Literatura Hebraica e Judaica na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, em RDIDP e Bolsista de Produtividade em Pesquisa pelo CNPq. Pós Doutor em Literatura e Cultura Judaica pela Universidade de São Paulo (2010).Doutor em Literatura e Cultura Judaica pela Universidade de São Paulo (2007), com estágio de pesquisa na Universidade Livre de Berlim. Mestre em Letras Clássicas pela University of Pennsylvania, com tese escrita na Universidade de Zurique sob orientação do Prof. Dr. Walter Burkert (1992). Aluno especial do Jewish Theological Seminary of America e da Columbia University nas áreas de Literatura Bíblica e Literatura Clássica.

Referências

Aslanov Ciryl. A tradução como manipulação. São Paulo: Perspectiva, 2015.

Benjamin, Walter. “Die Aufgabe des Übersetzers”. Iluminationen. Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1977.

Benjamin, Walter. “Über Sprache überhaupt und über die Sprache des Menschen”, Gesammelte Schriften, vol. II-1, Frankfurt a.M.: Suhrkamp, 1991, pp. 140-157.

Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio – O dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999.

Goethe, Johann Wolfgang von. Die Wahlverwandtschaften em Goethes Werke, vol 8., Leipzig: Bibliographisches Institut, 1916.

Krausz, Luis S. As Musas: poesia e divindade na Grécia Arcaica. São Paulo: EDUSP, 2006.

Segal, Charles. Orpheus, the myth of the poet. Baltimore, Johns Hopkins University Press, 1989.

Schulz, Bruno. “Das Mythisieren der Wirklichkeit”. Die Wirklichkeit ist Schatten des Wortes, Ficowski, Jerszy (Ed.). München: Deutsches Taschenbuchverlag, 2000.

The Holy Scriptures. Philadelphia: Jewish Publication Society of America, 1982.

Downloads

Publicado

2021-09-30