O brincar como construção racional nas aulas de Educação Física

Autores

  • Andrize Ramires Costa Universidade Federal do Pará
  • Thais Emanuelle da Silva Barros Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina
  • Elenor Kunz Professor Visitante da UFSM

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n53p196

Palavras-chave:

“Se-movimentar”, Crianças, Brincar, Movimento humano

Resumo

O foco principal deste ensaio é a criança, que sente um enorme prazer em “Se-Movimentar”. A base desse movimento reside na necessidade natural que ela tem para brincar. Ocorre que a sua tendência natural de “Se-Movimentar” e brincar rapidamente se transforma em atividade social e cultural pela própria apropriação de elementos da cultura e pela indução do meio onde nasce, ocasionada, em parte, pela imposição dos adultos a atividades aceitas e reconhecidas por eles. Finalizamos com a Educação Física, que geralmente não permite às crianças experiências próprias de movimento, brincadeiras e jogos, em favor de um movimento “correto”, pré-constituído, ou seja, criado por terceiros, para atender a compromissos futuros de desenvolvimento, permitindo, muitas vezes, uma das experiências mais alienantes e castradoras da liberdade e criatividade humana.

Biografia do Autor

Andrize Ramires Costa, Universidade Federal do Pará

Doutora em Teoria e Prática Pedagógica pela UFSC.

Professora Adjunta da FEF- ICED- UFPA

Docente do PPEB/UFPA - Programa de Pós-Graduação em Educação Básica

Thais Emanuelle da Silva Barros, Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina

Mestre em Educação Física pela UFSC

Docente da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina

Elenor Kunz, Professor Visitante da UFSM

Doutor em Educação Física pela Universidade de Hannover

Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Visitante da UFSM

Referências

ADORNO, T. W. Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. 3ª Ed. São Paulo: Paz e Terra. 2003.

AGUIAR, L. Gestalt-terapia com crianças: teoria e prática. São Paulo: Livro Pleno, 2005.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.

COSTA, A. R. CRIANÇAS, o que elas querem e precisam do mundo, do adulto e delas mesmas? Dissertação de mestrado apresentada pela UFSC, Florianópolis, 2011.

HEIJ, P. Grondslagen van, verantwoordbewegingsonderwijs - Filosofischeempedagogischedoordenking van relationeelgefundeerdbewegingsonderwijs. Budel: damon 2006. (Tradução para o alemão: Andreas H. Trebels - Tradução para o português: ElenorKunz)

KUNZ, E. Percepção, sensibilidade e intuição para as possibilidades criativas no esporte.In: Stigger, M. P.; Lovisolo, H (Org.). Esporte de Rendimento e Esporte na Escola. Campinas: Autores Associados, 2009.

KUNZ, E. “Brincar e Se-Movimentar” tempos e espaços na vida da criança. Ijuí: UNIJUÌ, 2015.

MATURANA, Humberto. Amar e Brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. Humberto Maturana e GerdaVerden-Zöller. São Paulo: Palas Athenas, 2004.

OAKLANDER, Violet. Descobrindo Crianças, a abordagem gestáltica com crianças e adolescentes.São Paulo: Summus editorial, 1980.

OAKLANDER, Violet.VerborgeneSchätzeheben: Wege in die innere Welt Von Kindern und Jugendlichen.Stuttgart: Konzepte der Humanwissenschaften, 2009. SARMENTO, M. J. As Culturas da Infância nas Encruzilhadas da 2.ª Modernidade. In M. J. Sarmento e A. B. Cerisara (orgs.). Crianças e Miúdos. Perspectivas Sociopedagógicas da Infância. Porto: ASA, 2004.

TAMBOER, J.W.J. Philosophie der Bewegungswissenschaften.Hannover: Afra, 1994. (tradução livre pelo ProfºElenorKunz)

TONUCCI, F. Quando as crianças dizem: Agora chega! Porto Alegre: Artmed, 2005.

TREBELS, A.H (1983)- Spielen und Bewegen na Gäreten.Reinbekbei Hamburg, rororo, 1983.

ZUR LIPPE, S. SinnenbewuBtsein: GrundlegungeineranthropologischenÄstheitik.Hamburg: rowohltsenzyklopädie, 1987.

Downloads

Publicado

2018-04-19

Edição

Seção

Porta Aberta