Por que tecelões e metalúrgicos vão aos tribunais: posição da indústria e reclamações ao judiciário trabalhista entre as décadas de 40 e 60

Autores

  • Valeria Marques Lobo Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2013v5n10p183

Resumo

O artigo analisa o uso da Justiça do Trabalho por têxteis e metalúrgicos, entre os anos 1940 e 1960, a partir dos processos impetrados por trabalhadores das duas categorias à Junta de Conciliação e Julgamento (Vara do Trabalho) de Juiz de Fora. Nesse período, a transição para a indústria pesada tem impacto sobre a configuração da estrutura ocupacional da sociedade brasileira e sobre o mercado de trabalho de Juiz de Fora, bem como sobre a composição das categorias profissionais analisadas, o que tende, supostamente, a afetar o comportamento dos atores, repercutindo na formulação de demandas e, por conseguinte, na relação que estabelecem com o judiciário trabalhista.

 

Biografia do Autor

Valeria Marques Lobo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento de História

Downloads

Publicado

2013-12-20

Como Citar

LOBO, Valeria Marques. Por que tecelões e metalúrgicos vão aos tribunais: posição da indústria e reclamações ao judiciário trabalhista entre as décadas de 40 e 60. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 5, n. 10, p. 183–198, 2013. DOI: 10.5007/1984-9222.2013v5n10p183. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2013v5n10p183. Acesso em: 14 jul. 2024.