A trajetória de um líder comunista: Edvaldo Ratis e o Sindicato dos Gráficos

Autores

  • Maria do Socorro de Abreu e Lima Universidade Federal de Pernambuco
  • Luiz Anastácio Momesso Professor Associado do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2016v8n15p67

Palavras-chave:

Trabalhador gráfico, Sindicato, Edvaldo Ratis

Resumo

Este artigo analisa a trajetória de um trabalhador gráfico, Edvaldo Ratis, líder sindical que atuou entre 1945 e 1964 na cidade do Recife. Desenvolveu intenso trabalho com vistas a organizar, politizar e mobilizar a classe operária, através do jornal da categoria denominado “O Gráfico”. Como militante do Partido Comunista, procurava defender suas propostas no âmbito sindical e também no plano da política mais geral. Em 1963 lidera importante greve, numa conjuntura de avanços para os trabalhadores. Preso algumas vezes, deixou a presidência do sindicato com o Golpe Militar de 1964.

Biografia do Autor

Maria do Socorro de Abreu e Lima, Universidade Federal de Pernambuco

Graduação e Mestrado - USP

Doutorado - UFPE

Professora Associada do Departamento de História da UFPE

Área de Pesquisa - História Social do Trabalho; Sindicalismo Rural e Urbano; Ditadura Empresarial-militar; 

Luiz Anastácio Momesso, Professor Associado do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Referências

ABREU E LIMA, Maria do Socorro de. Construindo o sindicalismo rural: lutas, partidos, projetos. Recife,

Editora Universitária da UFPE, 2012.

ABREU E LIMA, Maria do Socorro de. “Pela efetivação dos direitos das mulheres: associações femininas no

Recife dos anos 50”. Esboços – Revista do Programa de Pós-graduação em História da UFSC, Florianópolis, nº

, pp. 91-110, 2007.

ALVES, Márcio Moreira. Torturas e Torturados. Rio de Janeiro, 1965.

BARROS, Júlio César Pessoa de. “Conflitos e negociações no campo durante o primeiro governo de Miguel

Arraes em Pernambuco (1963-1964)”. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, 2013).

BEZERRA, Gregório. Memórias (segunda parte: 1946-1969). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

SILVA, Fernando Teixeira da; SANTANA, Marco Aurélio. “O equilibrista e a política: o “Partido da Classe

Operária” (PCB) na democratização (1945-1964)”. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves

(orgs.). O tempo da experiência democrática: da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964. Rio de

Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. (O Brasil Republicano; v. 3).

CAVALCANTI, Paulo. Nos tempos de Prestes (o caso eu conto como o caso foi – memórias políticas). Recife:

Editora Guararapes, 1982.

CAVALCANTI, Paulo. O caso eu conto como o caso foi: memórias políticas, 2º volume. Recife: Guararapes,

CAVALCANTI, Paulo. O caso eu conto como o caso foi: da Coluna Prestes à queda de Arraes (memórias). São

Paulo: Alfa-Omega, 1978.

DEMIER, Felipe Abranches. “Populismo e historiografia na atualidade: lutas operárias, cidadania e nostalgia – o varguismo”. In: MELO, Demian Bezerra (org.). A miséria da historiografia: uma crítica ao

revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

FANCELLO, Maria Soares e Moura. “Os herdeiros de Gutemberg: processo representacional entre tipógrafos

de Pernambuco”. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, 1995).

GOMES, Angela de Castro. A invenção do trabalhismo. São Paulo: Vértice, 1988.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

JACCOUD, Luciana de Barros. Movimentos Sociais e crise política em Pernambuco 1955-1968. Recife:

Fundação Joaquim Nabuco – Editora Massangana, 1990.

LEAL, Murilo. A reinvenção da classe trabalhadora (1953-1964). Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

LOPES, José Sérgio Leite. A tecelagem dos conflitos de classes na “cidade das chaminés”. São Paulo: Marco Zero, 1988.

MATTOS, Marcelo Badaró. E. P. Thompson e a tradição de crítica ativa do materialismo histórico. Rio de

Janeiro: Editora UFRJ, 2012.

MATTOS, Marcelo Badaró de. “Imprensa Comunista e formação de quadros no período 1954-1964”. In:

ROXO, Marco; SACRAMENTO, Igor (orgs.). Intelectuais partidos: os comunistas e as mídias no Brasil. Rio de

Janeiro: E-Papers, 2012.

PACHECO, Eliezer. O Partido Comunista Brasileiro (1922-1964). São Paulo: Editora Alfa-Ômega, 1984.

PANDOLFI, Dulce Chaves. Pernambuco de Agamenon Magalhães: consolidação e crise de uma elite política.

Recife: Fundação Joaquim Nabuco – Editora Massangana, 1984.

REZENDE, Antônio Paulo de Moraes. “A classe operária em Pernambuco: cooptação e resistência (1900-

. (Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, 1981).

TELLES, Jover. O movimento sindical no Brasil. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1981.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a árvore da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

Downloads

Publicado

2017-02-06