Dos lucros que Deus for servido dar: sociedades e organização produtiva na extração aurífera do espaço agrominerador de Mariana setecentista (1711-1800)

Autores

  • Quelen Ingrid Lopes Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e96118

Palavras-chave:

Mineração, Organização do trabalho, Sociedades minerais

Resumo

Neste artigo discutiremos elementos constitutivos do universo minerador que, ao lado de fatores econômicos, estiveram presentes na estruturação do trabalho e na organização produtiva dos empreendimentos minerais do termo de Mariana entre 1711 e 1800. Apontaremos o processo de mineralização do ouro e os tipos de depósitos auríferos para discutirmos a progressiva complexificação da atividade, debatendo sobre as adversidades e dispêndios que permeavam a montagem dos serviços minerais. Destacamos a predominância da exploração de jazidas aluvionais e sua ligação com a conformação paralela de um espaço de produção e trabalho agrícolas, remetendo a um processo de diversificação econômica e construção de um cenário agrominerador. Demonstraremos como as sociedades foram importantes na montagem e condução de empreendimentos minerais/agrominerais, e como sua configuração nos permite compreender o cotidiano do trabalho e da organização da produção aurífera. A análise foi feita a partir de registros notariais dos livros de nota de Mariana, mormente escrituras de compra e venda e de sociedade.

Referências

AGRICOLA, Georgius. De Re Metallica. Translated from the first latin edition of 1556, by Herbert Clark Hoover and Lou Henry Hoover. The mining magazine: London, 1912.

ALFAGALI, Crislayne Gloss Marão. Ferro em obras: oficiais do ferro, Vila Rica (1750-1795). Dissertação (Mestrado em História). Mariana: ICHS/UFOP, 2009.

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de. Alterações nas unidades produtivas mineiras: Mariana – 1750-1850. Dissertação (Mestrado em História). Niterói, UFF, 1994.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. Brasilia: Senado Federal, 2011.

BEGARD, Laird W. Escravidão e histórica econômica: demografia de Minas Gerais, 1720-1880. Tradução de Beatriz Sidou, Bauru, SP: EDUSC, 2004.

BOSCHI, Caio César. “Apontamentos para o estudo da economia, da sociedade e do trabalho nas Minas Colonial”. Belo Horizonte: Análise & Conjuntura, v. 4, n.os 2 e 3, mai./dez. 1989. Apud: BOSCHI, Caio César. “Nem tudo que reluz vem do ouro”. In: SZMRECSÁNYI, Tamás. História econômica do período colonial. São Paulo: Hucitec, 1996, p. 58.

BOTELHO, Tarcísio Rodrigues. “População e escravidão nas Minas Gerais, c. 1720.” Anais do XII Encontro da Associação Brasileira de Estudos de população - ABEP, GT População e História, Caxambú, outubro de 2000.

BROWN, Kendall. “Mercury and Silver Mining in the Colonial Atlantic”. In: Oxford Research Encyclopedia of Latin American History: Oxford University Press, 2017.

CARRARA, Ângelo Alves. Minas e Currais: Produção Rural e Mercado Interno de Minas Gerais (1674-1807). Juiz de Fora: Editora da UFJF. 2007.

DARDENNE, Marcel Auguste & SCHOBBENHAUS, Carlos. “Depósitos minerais no tempo geológico e épocas metalogenéticas.” Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil: texto, mapas e SIG. Brasília, CPRM 2003.

ESCHWEGE, Wilhem L. V. Pluto brasiliensis. Trad. Domício de Figueiredo Murta. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2011.

FERRAND, Paul. O ouro em Minas Gerais. Belo Horizonte: Centro de Estudos Históricos e Culturais. Fundação João Pinheiro, 1998.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida; CAMPOS, Maria Verônica (Coords.) Códice Costa Matoso. Vol. I. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1999.

FLORENTINO, Manolo; FRAGOSO, João. O arcaísmo como projeto: Mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia. Rio de Janeiro, c. 1790-c. 1840. 4ª. Edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FRAGOSO, João. “E as plantations viraram fumaça: nobreza principal da terra, Antigo Regime e escravidão mercantil”. História (São Paulo), v. 34, n. 2, p. 58–107, 2015. “Glossário geológico”. IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Rio de Janeiro: IBGE, 1999.

GONÇALVES, Andréa Lisly. “Escravidão, herança ibérica e africana e as técnicas de mineração em Minas Gerais no século XVIII”. In: Anais XI Seminário sobre a Economia Mineira, Diamantina, 2004.

JÚNIOR, Hermínio Arias Nalini; ROSIÈRE, Carlos Alberto & ENDO, Issamu. “Sobre a geologia estrutural do anticlinal de Mariana, região sudeste do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Uma Revisão.” In: Revista Escola de Minas, Ouro Preto, 45 (1 e 2), jan/jul, 1992.

KULA, Witold. Teoria econômica do sistema feudal. Lisboa: Presença, 1979.

LANE, Kris. “Potosí Mines”. Oxford Research Encyclopedia of Latin American History: Oxford University Press, 2015.

LIBBY, Douglas Colle. Transformação e trabalho em uma economia escravista. São Paulo: Brasiliense, 1988.

LOPES, Quelen Ingrid. O mercado de bens rurais, extrativos e urbanos do termo de Mariana: interações sociais, econômicas e espaços de produção (1711-1779). (Doutorado em História) Juiz de Fora: UFJF/Programa de Pós-Graduação em História, 2015.

NALINI JR., Hermínio Arias. et. al. “Análise estratigráfica e distribuição do arsênio em depósitos sedimentares quaternários da porção sudeste do Quadrilátero Ferrífero, bacia do Ribeirão do Carmo, MG.” In: Revista da Escola de Minas. Ouro Preto, 63(4): 703-714, Out/Dez, 2010.

PAIVA, Eduardo França. “Bateias, carumbés, tabuleiros: mineração africana e mestiçagem no Novo Mundo.” In: PAIVA, Eduardo França; ANASTASIA, Carla Maria Junho (Orgs.). O trabalho mestiço: maneiras de pensar e formas de viver – séculos XVI a XIX. São Paulo / Belo Horizonte: Annablume / PPGH-UFMG, 2002.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1980.

REIS, Flávia Maria da Mata. Entre faisqueiras, catas e galerias: Explorações do ouro, leis e cotidiano das Minas do século XVIII (1702-1762). Dissertação (Mestrado em História). Belo Horizonte: FAFICH/UFMG, 2007.

REZENDE, Dejanira Ferreira de; ANDRADE, Francisco Eduardo de; “Estilo de minerar ouro nas Minas Gerais escravistas, século XVIII”. Revista de História, n. 168, pp. 382-413, 2013.

ROESER, Hubert Matthias Peter & ROESER, Patrícia Angelika. “O Quadrilátero Ferrífero - MG, Brasil: Aspectos sobre sua história, seus recursos minerais e problemas ambientais relacionados.” In: GEONOMOS, 18(1): 2010.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na colônia. São Paulo: SciELO - Editora UNESP, 2005.

SOUZA, Laura de Mello e. "Nobreza de sangue e nobreza de costume: ideias sobre a sociedade de Minas Gerais no século XVIII". In: O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras, 2006.

VAINFAS, Ronaldo (Org.) Dicionário do Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

LOPES, Quelen Ingrid. Dos lucros que Deus for servido dar: sociedades e organização produtiva na extração aurífera do espaço agrominerador de Mariana setecentista (1711-1800). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–20, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e96118. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/96118. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Vivendo nas minas: mineração e mundos do trabalho nos séculos XV-XVIII

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.