Hierarquias sociais e trabalhadores de bateias nos sertões da Bahia: um estudo de caso na vila aurífera de Santo Antônio da Jacobina, 1720-1723

Autores

  • Hélida Conceição Universidade do Estado da Bahia/ Professora Adjunta

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e96252

Palavras-chave:

mineração, trabalhadores, hierarquias sociais

Resumo

A vila aurífera de Santo Antônio da Jacobina, localizada nos sertões da capitania da Bahia, foi fundada em 1722 devido às descobertas de ouro aluvial na bacia hidrográfica do rio Itapicuru. A mineração causou uma mudança substancial na economia local, atraindo indivíduos de diferentes origens sociais e étnicas para as minas.

Os trabalhos de mineração, utilizando bateias nos ribeiros da vila, resultaram em uma transformação ambiental significativa, alterando a paisagem que antes era predominantemente composta por propriedades agropecuárias. O objetivo deste artigo é analisar as disparidades assimétricas e as hierarquias sociais presentes na vila de Jacobina, com base nos registros de trabalhadores livres e escravos durante os anos de mineração entre 1720 e 1723. As condições e as origens sociais atribuídas a esses indivíduos serão o ponto de partida para compreender os processos de formação das hierarquias sociais que surgiram naquela sociedade

Referências

ALMEIDA, Kátia Lorena Novais. Escravos e libertos nas Minas do Rio de Contas - Bahia, século XVIII. 2012. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. 255 fls.

BERGAD, Laird W. Escravidão e história econômica: demografia de Minas Gerais 1720-1888. Tradução Beatriz Sidou. Bauru: EDUSC, 2004.

BIEBER, Judy. Beyond the municipal council: pluricontinental frontier towns in the hinterlands of Bahia and Minas Gerais. In: MOTA, M. S.; ATALLAH, C. A.; DOMINGUEZ, R. C. (ed.). Portuguese colonial cities: local dynamics, global flows (c.1500-1900). Buenos Aires: Editorial Teseo, 2022.

CARDIM, Pedro. Conquista, província, colônia e reino. O lugar do Brasil e dos seus habitantes na estrutura político-jurídica da monarquia portuguesa (c.1500-c.1820). In: MEGIANI, Ana Paula; MIRANDA, Marcella. Cultura política e artes de governar na época moderna. Séculos XVI-XVIII. Porto: Editora Cravo, 2022.

CARRARA, Angelo Alves. Minas e currais: produção rural e mercado interno de Minas Gerais, 1674-1807. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2007.

CEZAR, Iasmin de Oliveira. A última rota atlântica: o comércio interno de escravizados rumando os sertões da Bahia setecentista, c.1759-c.1798. 2020. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020.

CONCEIÇÂO, Hélida Santos. A trajetória de Pedro Barbosa Leal e as redes de conquistas no sertão da capitania da Bahia, 1690-1730. Revista Maracanan, [s.l.], n. 25, p. 74- 102, 2020.

CONCEIÇÃO, Hélida Santos. O sertão e o Império: as vilas do ouro na capitania da Bahia - Século XVIII. 2018. Tese (Doutorado) – Programa de Pós- -Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018. 423 fls.

COSTA, Leonor Freire; ROCHA, M. R.; SOUSA, R. M. O ouro do Brasil. Imprensa Nacional-Casa da Moeda: Lisboa, 2013.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas D’El rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Tradução de Maria Juliana Gambogi Teixeira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FRAGOSO, J. L. R.; ALMEIDA, C. M. C.; SAMPAIO, A. C. J. Conquistadores e negociantes: história de elites no antigo regime nos trópicos. América Lusa, Séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

FURTADO, Júnia. Teias de negócio: conexões mercantis entre as minas do ouro e a Bahia, durante o século XVIII. In: FRAGOSO, João; FLORENTINO, Manolo; SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá; CAMPOS, Adriana (org.). Nas rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: Edufes, 2014.

GRENDI, Edoardo. Microanálise e História Social. In: OLIVEIRA, Mônica Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho (org.). Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009.

GUEDES, Roberto. Egressos do cativeiro, trabalho, família, aliança e mobilidade social (Porto Feliz, São Paulo, c. 1798-c.1850). Rio de Janeiro: Mauad X; Faperj, 2008.

GUEDES, Roberto; GODOY, Silvana. Escravidão e mestiçagens: mamelucos, mulatos e alguns pardos entre mil e um índios forros. São Paulo, século XVII. Revista de História da Sociedade e da Cultura, v. 23, n. 1, p. 75-102, 2023.

LANGFUL, Hal. Frontier/Fronteira: A Transnational Reframing of Brazil’s Inland Colonization. History Compass, 12/11, p. 843-852, 2014.

MARQUES, Leonardo; LOPES, Gustavo Acioli. O outro lado da moeda: estimativas e impactos do ouro do Brasil no tráfico transatlântico de escravos (Costa da Mina, c. 1700-1750). CLIO: Revista Pesquisa Histórica, v. 37, n. 2, p. 5-38, jul.-dez., 2019.

MENZ, Maximiliano M. The Gold Mining Boom, North European Capital, and the Reorganization of the Portuguese Slave Trade in Angola (1710-1730). Culture & History Digital Journal, v. 12, n. 2, 2023.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Almocafres, bateias, e gente da pequena esfera: o ouro no povoamento e ocupação econômica dos sertões da Bahia. Rev. Inst. Geogr. Hist. Bahia, Salvador, v. 101, p. 123-146, 2006.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec; Editora da Universidade de São Paulo; Fapesp, 2002.

REIS, João José. “Por sua liberdade me oferece uma escrava”: alforrias por substituição na Bahia, 1800-1850. Afro-Ásia, Salvador, n. 63, p. 232-290, 2021.

SANTOS, Fabrício Pereira dos. Modelamento estrutural da serra Jacobina e adjacências, Bahia. 2018. Dissertação (Mestrado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

SANTOS, Márcio Roberto Alves dos. Fronteiras dos sertões baianos: 1640-1750. 2010. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SILVA, Candido da Costa e. Os segadores e a Messe: o clero oitocentista na Bahia. Salvador: EDUFBA, 2000.

WATKINS, Case. Palmeiras africanas em solos brasileiros: transformação socioecológica e a construção de uma paisagem afro-brasileira. HALAC. Historia Ambiental, Latinoamericana y Caribeña, v. 10, n. 1, p. 150-193, 2020.

WINNEBECK, Júlia; SUTTER, Ove; HERMANN, Adriano; ANTWEILER, Christoph; CONERMANN, Stephan. The Analytical Concept of Asymmetrical Dependency. Journal of Global Slavery, v. 8, 1a ed., p. 1-59, 2023.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

CONCEIÇÃO, Hélida. Hierarquias sociais e trabalhadores de bateias nos sertões da Bahia: um estudo de caso na vila aurífera de Santo Antônio da Jacobina, 1720-1723. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–25, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e96252. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/96252. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Vivendo nas minas: mineração e mundos do trabalho nos séculos XV-XVIII

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.