Entrevista com Washington Benavides.

Autores

  • Rosario Lázaro Igoa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Walter Carlos Costa Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2011v2n28p275

Resumo

Entre os países hispânicos, o Uruguai é um dos mais próximos da cultura brasileira. Não por acaso, foi ali que se editou a primeira tradução de um livro de Machado no exterior: Memorias póstumas de Blas Cubas, feita por Julio Piquet e publicada em 1902. E entre os escritores uruguaios, um dos mais próximos da cultura brasileira é Washington Benavides, poeta, letrista, crítico e tradutor. Nascido em Tacuarembó em 1930, Benavides foi professor de literatura em sua cidade natal e depois na Facultad de Humanidades da Universidad de la República, em Montevidéu. A obra poética de Benavides é extensa e variada. Seu livro de estreia foi Tata Viscacha, em 1955, mas antes dessa data já chamava a atenção da crítica por seus poemas publicados em revistas. Entre seus livros de poemas, cabe destacar Las milongas (1965), Hokusai (1975), Los pies clavados (2000) e Amarili y otros poemas, de Pedro Agudo (2007).

Downloads

Publicado

2011-12-15

Edição

Seção

Entrevistas