Tradução e Língua de Sinais: a modalidade gestual-visual em destaque

Carlos Henrique Rodrigues

Resumo


Os Estudos Linguísticos e os Estudos da Tradução e da Interpretação de Línguas de Sinais têm colocado em evidencia as características e efeitos da modalidade gestual-visual. Considerando isso, realizamos uma breve reflexão sobre os processos tradutórios e interpretativos que ocorrem entre uma língua gestual-visual e outra vocal-auditiva, os quais têm sido denominados de intermodais, em oposição àqueles processos que se realizam numa mesma modalidade de língua: os intramodais. Para tanto, diferenciamos a tradução, propriamente dita, da interpretação, demonstrando que, embora esses processos compartilhem diversas características, eles se distinguem operacional e cognitivamente. A partir dessa diferenciação, refletimos sobre a questão da modalidade em relação à categorização dos processos tradutórios e interpretativos intermodais e de seus impactos sobre eles. Vimos que o trabalho com a modalidade e com seus efeitos sobre o processo de tradução e de interpretação precisa ser concebido como um dos elementos que compõem a Competência Tradutória do profissional tradutor ou intérprete intermodal.


Palavras-chave


Língua de Sinais; Modalidade; Tradução; Interpretação; Intermodal

Texto completo:

PDF/A (English)

Referências


ALVES, F. and Pagura, R. The interface between written translation and simultaneous interpretation: instances of cognitive management with a special focus on the memory issue. Proceedings of the XVI World Congress of the International Federation of Translators: Ideas for a New Century. Vancouver: University of British Columbia, (2002): 73-80.

BAKER, M. and Saldanha, G. (Eds.). Routledge Encyclopedia of Translation Studies. 2.ed. Londres: Routledge, 2009.

BARROS, M. E. Elis – Escrita das Línguas de Sinais: proposta teórica e verificação prática. Thesis (Doctorate in Linguistics), 2008.

BRITO, L. F. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

CAVALLO, P. and Reuillard, P. C. R. Estudos da Interpretação: tendências atuais da pesquisa brasileira. Letras & Letras, [S.l.], v. 32, n. 1 (2016): 353- 368. Available at: . Accessed 26 jan. 2017.

GILE, D. Conference and simultaneous interpreting. Org. Baker, M. Routledge encyclopedia of translation studies. Londres; Nova York: Routledge, (1998): 40-45.

GILE, D.Translation Research versus Interpreting Research: Kinship, Differences and Prospects for Partnership. Ed. Schäffner, C. Translation Research and Interpreting Research: Traditions, Gaps and Synergies. Clevedon, Buffalo and Toronto: Multilingual Matters LTD, (2004): 10-35.

GILE, D.Conference Interpreting: historical and cognitive perspectives. Eds.

BAKER, M., Saldanha, G. Routledge Encyclopedia of Translation Studies. 2.ed. Londres: Routledge, (2009): 51-56.

HURTADO Albir, A. A aquisição da competência tradutória: aspectos teóricos e didáticos. In: Alves, F., Magalhães, C., Pagano, A. Competência em Tradução: cognição e discurso. Belo Horizonte: UFMG (2005): 19-58.

KADE, O. Kommunikationswissenschaftliche Probleme der Translation. Beihefte zur Zeitschrift Fremdsprachen II, VEB Verlag Leipzig, (1968): 3-19.

KLIMA, E., and Bellugi, U. The Rate of Speaking and Signing. Eds. Klima, E., Bellugi, U. The Signs of Language. Cambridge: Harward University Press (1979): 181-194.

LESSA-DE-OLIVEIRA, A. S. C. Libras escrita: o desafio de representar uma língua tridimensional por um sistema de escrita linear. ReVEL, v.10, n. 19 (2012). Available at: . Accessed on: 30 de nov. 2016.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e Escrita. Signótica, 9 (1997): 119-145.

MCBURNEY, S. L. Pronominal reference in signed and spoken language: are grammatical categories modality-dependent? Eds. Meier, R. P., Cormier, K., Quinto-Pozos, D. Modality and structure in signed and spoken languages. Cambridge: Cambridge University Press. (2004): 329-369.

MEAD, P. Interpreting: The Lexicographers’ View. The Interpreters Newsletter. n.9 (1999): 199-209.

MEIER, R. P. Why different, why the same? Explaining effects and non-effects of modality upon linguistic structure in sign and speech. Eds. Meier, R. P., Cormier, K., Quinto-Pozos, D. Modality and structure in signed and spoken languages. Cambridge: Cambridge University Press (2004): 1-25.

NICODEMUS, B. and Emmorey, K. Direction asymmetries in spoken and signed language interpreting. Bilingualism: Language and Cognition, 16.3 (2013): 624-636. Available at: . Accessed on: 10 jan. 2017.

PADDEN, C. A. Simultaneous Interpreting across modalities. Interpreting. n.5, v.2 (2000): 169-185.

PAGURA, R. J. A Interpretação de Conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA, v.19 (2003): 209-236. Available at: . Accessed on: 20 mar. 2017.

PAGURA, R. J. Tradução & Interpretação. Eds. Amorim, L. M., Rodrigues, C. C., Stupiello, E. N. A. Tradução &: perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Unesp Digital (2015): 183-207.

PINHEIRO de Souza, J. Teorias da tradução: uma visão integrada. Revista de Letras. v.1, n.20 (1998): 51-67.

PIRES Pereira, M. C. Reflexões sobre a tipologia da interpretação de línguas de sinais. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. 2 (2015): 46- 77. Available at: . Accessed on: 13 jan. 2017.

PÖCHHACKER, F. Introducing interpreting studies. London: Routledge, 2004.

PÖCHHACKER, F. Issues in Interpreting Studies. Ed. Munday, J. The Routledge Companion to Translation Studies. London: Routledge, (2009): 128-140.

PÖCHHACKER, F., Shlesinger, M. (Ed.) The interpreting studies reader. London and New York: Routledge, 2002.

QUADROS, R. M. Efeitos de Modalidade de Língua: as Línguas de Sinais. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.7, n.2 (2006): 168-178. Available at: . Accessed on: 15 dez. 2016.

QUADROS, R. M. and Karnopp, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004.

QUADROS, R. M.; Souza, S. X. Aspectos da tradução/ encenação na língua de sinais brasileira para um ambiente virtual de ensino: práticas tradutórias do curso de Letras Libras. Quadros, R. M. (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis: Editora Arara Azul, v. III (2008): 170-209.

RODRIGUES, C. H. A interpretação para a Língua de Sinais Brasileira: efeitos de modalidade e processos inferenciais. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

RODRIGUES, C. H. and Beer, H. Os estudos da tradução e da interpretação de línguas de sinais: novo campo disciplinar emergente? Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. 2 (2015): 17-45. Available at: . Accessed on: 26 abr. 2017.

SCHLEDER Rigo, N. Tradução de libras para português de textos acadêmicos: considerações sobre a prática. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. 2 (2015): 458-478. Available at: . Accessed on: 18 set. 2016.

SEGALA, R. R. and Quadros, R. M. Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em Português para a Libras oral. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. 2 (2015): 354-386. Available at: . Accessed on: 13 out. 2016.

VENUTI, L. (ed.) The translation studies reader. London and New York: Routledge, 2000.

WURM, S. Translation across Modalities: The Practice of Translating Written Text into Recorded Signed Language. An Ethnographic Case Study. PhD Thesis (Doctor of Philosophy) - Heriot-Watt University, Department of Languages and Intercultural Studies, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p294



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.