Melhor do que muitos pensam. Quatro dicionários bilíngües português – inglês de uso escolar.

Autores

  • Philippe Humblé Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

dicionários bilíngües inglês/português.

Resumo

Neste artigo comparam-se quatro dicionários bilíngües entre os mais populares no mercado brasileiro: o Longman Escolar (2002), o Oxford Escolar (1999), o Larousse Essencial (2005) e o Michaelis Escolar (2001). Avalia-se seu conteúdo ao nível de número de verbetes, tipo de verbetes, uso de exemplos e a adequação ao uso tanto no sentido da produção quanto da compreensão. Chega-se à conclusão que todos quatro são melhores do que muitas vezes se espera, embora algumas decisões não parecem revelar de uma política firmemente estabelecida em alguns deles.

Biografia do Autor

Philippe Humblé, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Romaanse Filologie - Katholieke Universiteit Leuven na Bélgica (1978), Mestrado em Romaanse Filologie - Katholieke Universiteit Leuven (1982) e doutorado em Letras (Inglês e Literatura Correspondente) pela Universidade Federal de Santa Catarina / University of Birmingham UK (1997). Fez Pós-doutorado na Katholieke Universiteit Leuven (2003-2004). Atualmente é professor adjunto IV na Universidade Federal de Santa Catarina e dá aulas de Espanhol (língua e literatura) na Graduação e Lexicografia na Pós-Graduação em Estudos da Tradução e na Pós-Graduação em Lingüística. Tem experiência na área de Lingüística Aplicada, com ênfase em Lexicografia e Tradução, atuando principalmente nos seguintes temas: tradução, lexicografia, ensino de línguas estrangeiras, lexicografia bilíngüe e literatura espanhola. Atualmente está trabalhando numa cartografia dos dicionários bilíngües no Brasil. É líder do Grupo de Pesquisa em Lexicografia Pedagógica.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

2006-04-30

Edição

Seção

Artigos