Mulheres rurais: o deslocamento da atenção de ocupar-se de si no tempo de lazer para cuidar do outro

Autores

  • Naira Leticia Giongo Mendes Pinheiro Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Maria Simone Vione Schwengber Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Fernando Jaime González Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n55p58

Palavras-chave:

Cuidado de si, Mulheres, Lazer

Resumo

Nos últimos tempos, o lazer funda uma nova moral de promessa, bem-estar, felicidade, saúde, segurança. Desse modo, buscamos compreender, a partir de trajetórias de mulheres rurais, como elas constroem suas experiências no tempo de lazer, na teia do cuidado de si e das sociabilidades. A pesquisa de campo dá-se no município de Jóia, estado do Rio Grande do Sul. Das análises que resultaram desta investigação, salta-nos aos olhos o fato de que as mulheres, no início, nos perguntavam: “o que é lazer exatamente?”. Tomamos essa indagação como um pedido de direito de mais informação, mas aos poucos começamos a entender que o lazer do adulto e, mais ainda, dessas mulheres rurais tem sido uma dimensão vivida com parcas possibilidades. Focalizamos um movimento que denominamos posição de deslocamento, em que as mulheres deslocam sua atenção de cuidar de si, de ocupar-se de si no tempo de lazer, para cuidar do outro.

Biografia do Autor

Naira Leticia Giongo Mendes Pinheiro, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação nas Ciências- Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS/Brasil - nairaleticiagmendespinheiro@gmail.com

Maria Simone Vione Schwengber, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação UFRGS, Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS/Brasil - simone@unijui.edu.br

Fernando Jaime González, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutor em Ciências do Movimento Humano UFRGS, Professor do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. 

Referências

ABRAMS, Rebeca. Jogo de Cintura: Como as Mulheres Podem Conciliar Lazer e Trabalho. São Paulo: Rosa dos Tempos, 2001.

BRITTO DA MOTTA, Alda. Personagens geracionais na família contemporânea: centenários e pivôs. CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 14., 2009, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2009.

______. As velhas também. Ex aequo, Vila Franca de Xira, n. 23, 2011.

CANDIOTTO, Cesar. A governamentalidade em Foucault: da analítica do poder à ética da subjetivação. O Que Nos Faz Pensar?, n. 31, fev. 2012.

______. Cuidado da vida e cuidado de si: sobre a individualização biopolítica contemporânea. Dissertatio, n. 34, p. 469-491, 2011.

CORBIN, Alain. História dos tempos livres. Lisboa: Teorema, 2001.

DEBERT, G. G. A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 12, n. 34, 2007.

______. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EdU, 2012.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 2001.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

FOUCAULT, Michel. Governo dos vivos. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

FOUCAULT, Michel. Foucault estuda a razão do Estado. Dito e Escrito IV, 2003b.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. p. 264-287.

______. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Estratégias de poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

______. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito (Resumo dos Cursos do Collège de France/1970-1982). Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

FIMYAR, Olena. Governamentalidade como ferramenta conceitual na pesquisa de políticas educacionais. Educação e Realidade, vol. 34, n. 2, p. 35-56, maio/ago. 2009.

GOLDANI, Ana Maria. Mulheres e envelhecimento: desafios para novos contratos intergeracionais e de gênero. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Muito além dos 60 – os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro: Ipea, 1999. p. 75-115.

HUIZINGA, Joan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Boitempo, 2007.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Portal Cidades. http://cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php, 2013.

ORBACH, Susie. Bodies. London: Press, 2009.

LARROSA, J. “Tecnologias do eu e educação”. In: SILVA, T. T. (org.) O sujeito daeducação: estudos foucaultianos. Petrópolis Vozes, 2000.

LOCATEL, Celso. Agricultura e ruralidade: uma abordagem. Modernização da agricultura, políticas públicas e ruralidades: mudanças e permanências na dinâmica rural das microrregiões de Jales e de Fernandópolis. 2004. Tese (Doutorado) – Unesp, Campos de Presidente Prudente, São Paulo, 2004.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Estudos do lazer:uma introdução. Campinas: Autores Associados, 2002.

MOREIRA, Roberto José (Org.). Identidades sociais, ruralidades no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

SANT’ANNA, Denise. O prazer justificado: história e lazer (São Paulo 1969/1979). São Paulo: Marco Zero; MCT-CNPq, 1994.

PERROT, Michele. As Mulheres ou os silêncios da História. Bauru, SP: EDUSC. 2005.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Edição

Seção

Artigos Originais