Do macrojogo ao microjogo: os vários jogos que compõem o jogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e87101

Palavras-chave:

Teoria do jogo, Rizoma, Educação física, Pesquisa interdisciplinar

Resumo

Com o presente artigo pretendemos problematizar e explorar o conceito de jogo, entendendo-o como algo amplo, rizomático e não fechado em uma única forma de interpretação. Além do que, o conceito de jogo pode já ter sido cristalizado em decorrência da sua consolidação, assim, seu desenvolvimento só se torna possível na medida em que se há um arruinamento para devir novas potencialidades. Foi, então, a partir dos pensamentos de Deleuze e Guattari sobre: conceito e rizoma, de onde partimos para desenvolver o conceito de macro-jogo e micro-jogo, em uma tentativa de potencializar as discussões por um viés interdisciplinar e de cunho filosófico. Diante de tais questões, foi possível compreender a importância do olhar interdisciplinar para a resolução de problemas provenientes de áreas distintas do conhecimento, rompendo com a dicotomia entre teoria e prática tão evidente e presente em tais áreas.

Biografia do Autor

Luís Bruno de Godoy, Universidade Estadual de Campinas e Universidade Estadual Paulista

Professor substituto na UNESP Rio Claro; Doutorando em Educação Física e Sociedade pela Faculdade de Educação Física da Unicamp (Bolsista CAPES - 2020/2023); Mestre em Ciências Humanas e Sociais pelo programa Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (Bolsista CAPES - 2017/2019); Bacharel em Ciências do Esporte (Bolsista CNPq - 2013/2014) com período de mobilidade internacional na Universidad Politecnica de Madrid - UPM (Santander Mobilidade 2012/2013) e Universidad de Santiago de Chile (AUGM 2015), ambos pela Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA/Unicamp); Ator e palhaço habilitado pelo Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão (SATED/SP); Membro do Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte - LEPE e Grupo de Estudos e Pesquisa em Cultura Lúdica, Circo e Educação Física - CLUCIEF; Co-idealizador do Grupo Interdisciplinar de Estudo e Pesquisas Aplicadas ao Jogo (GIEPAJ) e Núcleo de Estudo e Pesquisa na Arte do Palhaço (NEPAP); Artista formador e tutor de treinamento de palhaços; Diretor e idealizador da Inhouse - Clowns and Circus e da ONG Medicina do Riso. E-mail: godoy.luisb@gmail.com | www.luisgodoy.com.br 

Lucas Leonardo, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia - Universidade Federal do Amazonas

Docente da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (FEFF) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2005) e Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2007).Tem mestrado em Educação Física e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas (2018) e doutorado em Educação Física e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas (2022). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Pedagogia do Esporte, atuando principalmente nos seguintes temas: pedagogia do esporte, esporte de jovens, competições de jovens, esportes coletivos, handebol, pedagogia do jogo e moral e ética do treinador.

Alcides José Scaglia, Universidade Estadual de Campinas

Livre Docente em Pedagogia do Esporte pela Universidade Estadual de Campinas (2019), doutor em Pedagogia do Movimento pela Universidade Estadual de Campinas (2003), mestre em Pedagogia do Esporte pela Universidade Estadual de Campinas (1999), Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Tem experiência na área de Educação Física e Esportes, desenvolvendo estudos, projetos e pesquisas nas áreas da: Educação Física escolar, Jogo e Pedagogia do Esporte, com ênfase em metodologia de ensino-aprendizagem-treinamento dos jogos coletivos de invasão, futebol da iniciação ao treinamento e Pedagogia do Jogo. Atualmente é professor associado (M.S.5.1) na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-UNICAMP) no curso de Ciências do Esporte da UNICAMP, corresponsável pelas pesquisas do LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte), líder do grupo de pesquisa LEPE-FUT. Docente pleno no programa de pós-graduação, mestrado e doutorado da Faculdade de Educação Física (FEF) da UNICAMP.

Referências

AGOSTINHO, Santo, Bispo de hipona. Confissões, Petrópolis-RJ: Vozes, 2015.

ARISTÓTELES. De Anima. New York: Georg Olms Verlag, 1990. Martins Fontes, 2013.

BERGER, Peter Ludwig. O Riso redentor: a dimensão cômica da experiência humana. Petrópolis: Vozes, 2017.

BROUGÈRE, Gilles. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artmed Editora, 1998.

BUYTENDIJK, Frederik Jacobus Johannes. O jogo humano. In: GADAMER, H. G.; VOGLER, P. (Orgs). Nova antropologia. Antropologia Cultural. Vol. 4. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1977, p. 63 – 87.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. São Paulo: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 1. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2011. v.1.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2011b. v.2.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 5. Rio de Janeiro: Ed. 34. 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 2010a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010b.

DESCARTES, René. As Paixões da Alma. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

DUFLO, Colas. O jogo: de Pascal a Schiller. Porto Alegre: Artued, 1999.

ELKONIN, Daniil. Psicologia do jogo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ESPINOSA, Baruch. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FINK, Eugen. A Metafísica Nietzschiana Do Jogo. Phenomenology, Humanities and Sciences, v. 1, n. 3, p. 518-524, 22 dez. 2020.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FREIRE, João Batista. O jogo: entre o riso e o choro. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

FREUD, Sigmund. Nuevas conferências de introducción al psicoanálisis. In: J. Strachey (Ed.). Obras completas de Sigmund Freud. (5ª ed.,Vol. XXII, pp. 1-168). Buenos Aires: Amorrortu, 1996.

FUGANTI, Luiz. Corpo em devir. Revista Sala Preta, São Paulo, p. 67-76, 2007.

GADAMER, Hans-George. Verdade e Método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

GALLO, Sílvio. Transversalidade e educação: pensando uma educação não-disciplinar. O sentido da escola, 2000, 2: 17-41.

GIDDENS, Anthony. Notes on the Concepts of Play and Leisure. The Sociological Review, v. 12, n. 1, p. 73-87, 1964. Disponível em: <https://student.cc.uoc.gr/uploadFiles/181-%CE%95%CE%9B%CE%95%CE%9A215/on%20leisure.x.pdf>. Acesso em: 23 dez de 2021.

GODOY, Luís Bruno de; SCAGLIA, Alcides J. O jogo que nos joga: o jogar rizomático do jogador artista. In: GRILLO, Rogério M; SCAGLIA, Alcides J; CARNEIRO, Kleber T. (orgs.). Em defesa do jogo: diálogos epistemológicos contemporâneos. Curitiba - PR: Appris, 2022.

GODOY, Luís Bruno de. Tensionando o sentido do agir: o clown e seu potencial criativo. 2019. 123f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas) – Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

GODOY, Luís Bruno de; JUNIOR, Roberto D. S; SCHULZ, Peter A. B. O palhaço no espaço do vazio no contexto hospitalar: a incerteza como potência criadora. Repertório, Salvador, ano 23, n. 35, p. 160-184, 2020.2.

GODOY, Luís Bruno de; SANTOS, Marcos. V. R; SCAGLIA, Alcides José. O clown como ser do jogo. Repertório, Salvador - BA, p. 283-291. ago. 2016.

GODOY, Luís Bruno de. O jogo do palhaço: do hospital à rua, da rua ao hospital. Goiânia-GO: Editora Talu Educacional, 2022.

HAESBAERT E GLAUCO BRUCE, R. A Desterritorialização na Obra de Deleuze e Guattari. GEOgraphia, v. 4, n. 7, p. 7-22, 21 set. 2009.

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Petrópolis, RJ : Vozes; Bragança Paulista, sp: Editora Universitária São Francisco, 2003.

HENRIOT, Jacques. Le jeu. 3. ed. Paris: Editions Archétype82, 1983.

HOBBES, Thomas. De Cive: elementos filosóficos a respeito do cidadão. Petrópolis: Vozes, 1993.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LACAN, Jacques. Escritos. RJ: Jorge Zahar Editor, 1998.

LACAN, Jacques. O seminário. Livro 7 a ética da psicanálise. 1959-60. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 2002. Dísponível em: <https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em: 19 jul 2021.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre a experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

LOPES, Joana; MADUREIRA José Rafael. A educação física em jogo: práticas corporais, expressão e arte. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 27, n. 2, p. 9-25, jan. 2006.

LUCRÉCIO. Da natureza. Trad. Agostinho da Silva. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

PLATÃO. Banquete. Tradução, introdução e notas de José Cavalcante de Souza. São Paulo, Bertrand Brasil, 1991.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e Integração dos Saberes. Liinc em Revista, Rio de Janeiro – RJ, v.1, n.1, março 2005, p. 3 -15. Disponível em: <http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3082/2778>. Acesso em: 19 jul 2021.

RETONDAR, Jeferson. Teoria do jogo – A dimensão lúdica da existência humana. Petrópolis: Vozes, 2007.

SCAGLIA, Alcides José. Pedagogia do jogo: o processo organizacional dos jogos esportivos coletivos enquanto modelo metodológico para o ensino. Revista portuguesa de ciências do desporto, S1A, p. 27–38. 2017.

SCAGLIA, Alcides José. Jogo: sistema complexo. In: VENÂNCIO, S.; FREIRE, J. (org.). O jogo dentro e fora da escola. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 37-70.

SCHILLER, Friedrich. A Educação estética do homem. São Paulo: Editora Iluminuras, 1989.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. São Paulo: Ed. Unesp, 2005.

SCHÜTZ, Alfred; WAGNER, Helmut (Org.) Fenomenologia e relações sociais: textos escolhidos. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Deleuze: filosofia da diferença com Franklin Leopoldo E Silva. Casa do Saber. Youtube, 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6Her0PEsMao>. Acesso em: 08 set de 2021.

SIMONINI, Eduardo. Linhas, tramas, cartografias e dobras - uma outra geografia nos cotidianos das pesquisas. In: GUEDES, Adrianne Ogêda.; RIBEIRO, Tiago. (orgs.). Pesquisa, alteridade e experiência- experiências minúsculas. Rio de janeiro: Ayvu, 2019.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Edição

Seção

Porta Aberta