Trabalhadores e liberdade – A abolição da escravidão e as comemorações de 1888

Renata Figueiredo Moraes

Resumo


Este texto discute a participação de trabalhadores livres nos festejos pela abolição da escravidão realizados na Corte. Entre eles estão funcionários públicos, tipógrafos e caixeiros. Enquanto os primeiros tiveram o privilégio da folga para celebrar a liberdade dos escravos, os caixeiros precisaram acionar os jornais para reivindicar a participação na festa. Essa dificuldade, de certo modo, estava ligada à própria condição vivida por eles no seu cotidiano de trabalho. Por outro lado, os tipógrafos se viam como trabalhadores importantes para a lei, por terem também atuado na sua confecção gráfica, podendo facilmente celebrar a abolição através de préstitos e confecção de jornais especiais. Apesar do 13 de Maio inaugurar um novo momento no mundo do trabalho, ainda era preciso eliminar algumas relações de dependência e precariedade vivida por trabalhadores livres.


Palavras-chave


Abolição; Festa; Trabalhadores livres

Texto completo:

PDF/A

Referências


CÂNDIDO, Antônio. Um funcionário da Monarquia. Ensaio sobre o segundo escalão. Rio de Janeiro: Editora Ouro Sobre Azul, 2002.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis, historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. Uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

LARA, Sílvia Hunold. “Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil”. Projeto História: PUC-SP, n. 16, fev. 1998.

MAGALHÃES JR, Raimundo. Artur Azevedo e sua época. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

MAGALHÃES JR., Raimundo. Machado de Assis, funcionário público (No Império e na República). Rio de Janeiro: Ministério da Viação e Obras Públicas – Serviço de Documentação, 1958.

MATTOS, Marcelo Badaró. Trabalhadores e sindicatos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MATTOS, Marcelo Badaró. Escravizados e livres. Experiências comuns na formação

da classe trabalhadora carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

MARZANO, Andrea. Cidade em Cena. O ator Vasques, o teatro e o Rio de Janeiro (1839-1892). Rio de Janeiro: Folha Seca, 2008.

MORAES, Evaristo de. A campanha abolicionista (1879-1888). Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1986.

MORAES, Renata Figueiredo. “A abolição no Brasil além do parlamento: as festas de maio de 1888”. In: CASTILHO, Celso Thomas; MACHADO, Maria Helena P. T. (orgs). Tornando-se livre. Agentes históricos e lutas sociais no processo de abolição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

MORAES, Renata Figueiredo. “Uma pena de ouro para a Abolição: a lei do 13 de maio e a participação popular”. Revista Brasileira de História, São Paulo, 2013, v. 33, n. 66, pp. 49-69.

MORAES, Renata Figueiredo. “As festas da abolição: o 13 de maio e seus significados no Rio de Janeiro (1888-1908)”. (Tese de doutorado, PUC-Rio, 2012).

POPINIGIS, Fabiane. Proletários de casaca. Trabalhadores do comércio carioca (1850-1911). Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

SOUZA, Juliana Teixeira. “A Autoridade Municipal na Corte Imperial: enfrentamentos e negociações na regulação do comércio de gêneros (1840-1889)”. (Tese de doutorado, Unicamp, 2007).

VENÂNCIO, Renato Pinto (org.). Panfletos abolicionistas. O 13 de maio em versos. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, Arquivo Público Mineiro, 2007.

VITORINO, Artur José Renda. “Os sonhos dos tipógrafos na corte imperial brasileira”. In: BATALHA, Cláudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (orgs.). Culturas de classe: Identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

VITORINO, Artur José Renda. “Processo de trabalho, sindicalismo e mudança técnica: o caso dos trabalhadores gráficos em São Paulo e no Rio de Janeiro, 1858-1912”. (Dissertação de mestrado, Unicamp, 1995).




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p177

  

 

Directory of Open Access Journals

 

          

rcaap_logo Back to Home: Electronic Journals Library