Vagaroso, árduo e silencioso: o racismo na experiência de trabalho de um ativista negro em São Paulo (1900-1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e95486

Palavras-chave:

jornais negros, trabalho, pós-Abolição

Resumo

Este artigo emprega métodos biográficos, complementados por meio de imaginação histórica, para ilustrar as inúmeras maneiras pelas quais o racismo moldou as experiências de trabalho dos sujeitos negros na São Paulo do início do seculo xx. Concentrando-se na labuta de uma das principais figuras do associativismo negro, Frederico Baptista de Souza, quando primeiro ele mostra como a imprensa negra foi um órgão fundamental para se observar o racismo no mundo do trabalho. Jornalistas negros narraram os empenhos de diversos grupos — de trabalhadores domésticos a funciona?rios públicos — em uma época em que proliferavam os esforços para apagar as contribuições dos indivíduos negros a sociedade. Em segundo lugar, ao justapor as discussões publicas de Frederico sobre questões raciais com sua experiência pessoal de trabalho, ganhamos uma perspectiva mais completa de como o racismo afetou o trabalho de pessoas negras. Como guarda da Faculdade de Direito (FD) da cidade, Frederico era responsável por patrulhar o prédio da escola. Durante esse processo, ele encontrou diariamente os restos mortais de Jacinta Maria de Santana, uma mulher negra cujo corpo quase mumificado era exposto publicamente em uma sala de aula. Por 19 anos Frederico testemunhou como alunos e professores brancos da escola humilhavam o cada?ver da mulher. O silêncio subsequente desse homem negro, pessoalmente bem-sucedido e politicamente ativo, foi intencional. As possíveis represálias por desafiar esse erro eram muito graves para o jovem trabalhador negro e sua família. O relativo privilégio que ele tinha como funcionário publico não o protegeria do racismo arraigado das instituições brasileiras que silenciariam reflexivamente a dissidência. Em suma, as experiências de Frederico nos permitem compreender melhor a dinâmica do racismo no âmbito do trabalho em sua época; elas também nos oferecem reflexões sobre a longa história do racismo silencioso dentro de instituições públicas no Brasil após a abolição.

Referências

ALBERTO, Paulina L. Terms of Inclusion: Black Intellectuals in Twentieth-Century Brazil. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2011.

ALBERTO, Paulina L.; ANDREWS, George Reid; HOFFNUNG-GARSKOF, Jesse (org.). Voices of the race: Black newspapers in Latin America, 1870-1960. Cambridge: Cambridge University Press, 2022.

AZEVEDO, Thales de. As elites de cor: um estudo de ascensão social. São Paulo: Nacional, 1955.

AZEVEDO, Elciene (Org.). Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas, SP: UNICAMP, 2009.

BASTIDE, Roger. Imprensa Negra do Estado de São Paulo. Estudos Afro-Brasileiros, v. 2, p. 50–72, 1951.

BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. Brancos e negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. São Paulo: Brasiliana, 1971.

BERTUCCI, Liane Maria. Influenza, a medicina enferma: ciência e práticas de cura na época da gripe espanhola em São Paulo. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

BUTLER, Kim. Freedoms Given, Freedoms Won: Afro-Brazilians in Post-Abolition São Paulo and Salvador. New Brunswick: Rutgers University Press, 1998.

CARDOSO JR., José Celso. Burocracia e ocupação no setor público brasileiro. Rio de Janeiro: Ipea, 2011.

CARROLL, Fred. Race news: Black journalists and the fight for racial justice in the twentieth century. Urbana: University of Illinois Press, 2017.

CASTELLUCCI, Aldrin Armstrong Silva. Trabalhadores, máquina política e eleições na Primeira República. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

CRAIS, Clifton C.; SCULLY, Pamela. Sara Baartman and the Hottentot Venus: a ghost story and a biography. Princeton: Princeton Univ. Press, 2009.

DEL PRIORE, Mary. Biografia: quando o indivíduo encontra a história. Topoi, Rio de Janeiro, 10, n. 19, p. 7-16, dez. 2009.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento Negro Brasileiro: Alguns Apontamentos Históricos. Tempo, v. 12, n. 23, p. 100–122, 2007.

DOMINGUES, Petrônio. Uma história não contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição. São Paulo: Senac, 2003.

DOMINGUES, Petrônio. Lino Guedes: de filho de ex-escravo à “elite de cor”. Afro-Ásia, n. 41, 2010.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. 2. ed. São Paulo: Ática, 1978.

GINZBURG, Carlo. Mitos emblemas sinais morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GOMES, Janaina Damaceno. Os Segredos de Virgínia: Estudo de Atitudes Raciais em São Paulo (1945-1955). Universidade de São Paulo, 2013.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Modernidades negras: a formação racial brasileira (1930-1970). São Paulo: Editora 34, 2021.

GURIDY, Frank A.; HOOKER, Juliet. Currents in Afro-Latin American Political and Social Thought. DE LA FUENTE, Alejandro; ANDREWS, George Reid (org.). Afro-Latin American Studies. New York: Cambridge University Press, 2018.

HANLEY, Anne G. Native capital: financial institutions and economic development in Sao Paulo, Brazil, 1850-1920. Stanford, California: Stanford University Press, 2005.

KOUTSOUKOS, Sandra Sofia Machado. Zoológicos humanos: gente em exibição na era do imperialismo. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2020.

LARA, Silvia Hunold. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 16, n. 0, 1998.

LINDSAY, Lisa A.; SWEET, John Wood (ed.). Biography and the Black Atlantic, Early Modern Americas. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2014.

LOBO, Eulalia Maria Lahmeyer et al. Evolução dos preços e do padrão de vida no Rio de Janeiro, 1820-1930 - resultados preliminares. Revista Brasileira de Economia - RBE, v. 25, n. 4, p. 255-256, 1971.

LOBO, Eulalia Maria Lahmeyer; CANAVARROS, Otavio; ELIAS, Zakia Feres. Estudo das categorias socioprofissionais, dos salários e do custo da alimentação no Rio de Janeiro de 1820 a 1930. Revista Brasileira Economia - RBE, v. 27, n. 4, 1973.

LONER, Beatriz Ana. Classe operária: mobilização e organização em Pelotas - 1888-1937. 1999. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 1999.

LONER, Beatriz Ana. Negros: organização e lutas em Pelotas. História em Revista: revista do Núcleo de Documentação Histórica, v. 5, p. 1-17, 1999.

LORIGA, Sabina; SCHEIBE, Fernando. O pequeno x: da biografia a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. RENDERS, Hans; HAAN, Binne De. (ed.). Theoretical Discussions of Biography: Approaches from History, Microhistory and Life Writing. Leiden/Boston: Brill, 2014.

LUCINDO, William Robson Soares. Comemorações, cidadania e festas: o associativismo negro em Piracicaba e Campinas nas três primeiras décadas do século xx. 2020. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2020.

MAC CORD, Marcelo; ARAÚJO, Carlos Eduardo Moreira de; GOMES, Flávio dos Santos (org.). Rascunhos cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro, RJ: FAPERJ: 7Letras, 2017.

MIRANDA, Veiga. A serpente que dança. São Paulo: Nova Era, 1924.

MOURA, Clóvis; FERRARA, Mirian Nicolau. Imprensa negra. Estudo crítico de Clóvis Moura. Legendas de Miriam N. Ferrara. São Paulo: Imprensa Oficial, 2002.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Quem tem medo da ilusão biográfica? Indivíduo, tempo e histórias de vida. Topoi, Rio de Janeiro, 18, n. 35, jul. 2017.

PAPALI, Maria Aparecida Chaves Ribeiro. Escravos, libertos e órfãos: a construção da liberdade em Taubaté. São Paulo: Annablume, 2003.

PASCHEL, Tianna S. Rethinking Black Mobilization in Latin America. In: DE LA FUENTE, Alejandro; ANDREWS, George Reid (org.). Afro-Latin American Studies. New York: Cambridge University Press, 2018.

PERUSSATTO, Melina Kleinert. Arautos da liberdade: educação, trabalho e cidadania no pós- abolição a partir do jornal O Exemplo de Porto Alegre (c.1892-c.1911). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Escritos de liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas: Unicamp, 2018.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa Negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

POPINIGIS, Fabiane; TERRA, Paulo Cruz. Classe, Raça e a História Social do Trabalho no Brasil (2001-2016). Estudos Históricos (Rio de Janeiro), v. 32, n. 66, p. 307–328, 2019.

RASCKE, Karla Leandro. Entre a caneta e o pandeiro: letras e enredos de agremiações afrodescendentes em Florianópolis – SC (1920 a 1950). 2018. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

RENDERS, Hans; DE HAAN, Binne; HARMSMA, Jonne. The Biographical Turn: Biography as critical method in the humanities and in society. In: The Biographical Turn: Lives in History. London/New York: Routledge, 2017.

ROLNIK, Raquel, A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel, 1997.

ROSA, Marcus Vinicius de Freitas. Além da invisibilidade: história social do racismo em Porto Alegre durante a pós-abolição (1884-1918). 2014. Tese (Doutorado) – Unicamp, Campinas, 2014.

SANTOS, José Antônio dos. Prisioneiros da história. Trajetórias intelectuais na imprensa negra meridional. Tese (Doutorado) – PUCRS, Porto Alegre, 2011.

SILVA, Fernanda Oliveira da; PERUSSATTO, Melina Kleinert; SCHEER, Micaele Irene. Apresentação do dossiê Beatriz Ana Loner: Mundos do Trabalho e Pós-Abolição. Mundos do Trabalho, v. 11, p. 1-4, 2019.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Rastros do Cisne Preto: Lino Guedes, um escritor negro pelos jornais (1913-1969). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 30, n. 62, p. 597-622, 2017.

SIQUEIRA, Uassyr de. Entre Sindicatos, Clubes e Botequins: Identidades, associações e lazer dos trabalhadores paulistanos (1890-1920). Doutorado em História Social, UNICAMP, Campinas, 2008.

SOTO, María Cristina Martínez. Pobreza e conflito: Taubaté, 1860-1935. São Paulo: Annablume, 2000.

SOUZA, Robério Santos, Trabalhadores dos trilhos: imigrantes e nacionais livres, libertos e escravos na construção da primeira ferrovia baiana (1858-1863), Campinas: Editora Unicamp, 2015.

TERRA, Paulo Cruz. Cidadania e trabalhadores: Cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1870-1906). Doutorado em História, UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, Niterói, 2012.

VALLE, Franco Della. A construção da autoridade de jurista: Cesarino Junior, a Faculdade de Direito da USP e o Direito do Trabalho (1938-1976). Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021.

WEINSTEIN, Barbara, The color of modernity: São Paulo and the making of race and nation in Brazil. Durham: Duke University Press, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-06

Como Citar

TIEDE, Livia Maria. Vagaroso, árduo e silencioso: o racismo na experiência de trabalho de um ativista negro em São Paulo (1900-1930). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e95486. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/95486. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.