Un Voyage à travers les idées en Amazonie au XVIIIE siècle: La Comdamine, tradução e cultura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n2p16

Palavras-chave:

Amazônia, Tradução cultural, Literatura de viagem, La Condamine

Resumo

Este trabalho objetiva o diálogo entre História, Antropologia e Estudos da Tradução, com enfoque na Tradução Cultural. Para tal, parte-se do exemplo dos relatos deixados pelo cronista e viajante francês La Condamine, que expedicionou a Amazônia em finais da primeira metade do século XVIII, publicando seus registros quando de seu retorno ao continente europeu. Utiliza-se aqui recentes discussões, através das quais se torna possível entrever nos relatos indicações do uso da tradução cultural, em suas diferentes instâncias. Apresenta-se uma breve introdução, seguida de contextualização teórico-epistemológica e histórica concernente ao trabalho do cientista francês e sua figura científica. Aborda-se também a tradução cultural e como pode ser pensada, de forma a preparar o leitor para o próximo tópico, que entrecruzando as discussões anteriores, mostra exemplos de tradução cultural nos textos de La Condamine em várias manifestações, sejam elas idiomáticas, linguísticas ou etnocêntricas e das considerações finais. A partir da abordagem proposta e das discussões desenvolvidas, pode-se pensar em diferentes formas de leitura de registros históricos dos viajantes, destacando-se o potencial que apresentam para análises nos campos dos estudos culturais e tradutórios, dentre os quais os do autor analisado são ricos exemplos do contato com o “outro”.

Biografia do Autor

Samuel Lucena de Medeiros, Universidade Estadual do Amazonas, Manaus, Amazonas,

Mestrando do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade do Estado do Amazonas no biênio 2018-2019 (PPGICH/UEA). Bacharel do Curso de Arqueologia da UEA (2014-2018), com a monografia aprovada intitulada "Águas de Melgaço: a água importada na Manaus da Belle Époque". Pesquisador no grupo de pesquisa do CNPq - Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Arqueológicas da Bacia Amazônica - NIPAAM, da Universidade do Estado do Amazonas. Pesquisador no projeto pelo CNPq - Chamada Universal (Interdisciplinar) - triênio 2017-2019. Também pesquisador em Arqueologia Histórica e Arqueologia Amazônica. Pesquisador do Laboratório de Arqueologia Alfredo Mendonça de Souza (SEC/AM).

Tatiana de Lima Pedrosa Santos, Universidade Estadual do Amazonas, Manaus, Amazonas,

Doutora e Mestre em História, com área de concentração em Sociedade, Cultura Material e Povoamento, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2012). Graduação em Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal do Amazonas (2003). Atualmente é arqueóloga responsável pelo Laboratório de Arqueologia Alfredo Mendonça, SEC/AM (2014) e Professora do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, Mestrado em Ciências Humanas, Área de Concentração: Teoria, História e Crítica da Cultura (2016). Foi professora do curso de Graduação em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e do curso de Arqueologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Experiência em pesquisa e produção bibliográficas voltadas para temas que envolvam as relações entre Cultura Material, História e Arqueologia da Amazônia, Memória, Identidade e Patrimônio. Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq - NIPAAM - "Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Arqueológicas da Bacia Amazônica. Coordena o projeto Universal CNPq de pesquisa Arqueologia, Patrimônio e Cultura: A cura para as feridas recentes e antigas na Belle Époque Amazônica (2017). E faz parte do Projeto de Pesquisa Indicadores Antrópicos: fatores socioambientais e patrimoniais na tradução de índices de antropização em povos e comunidades amazônidas (Procad-Amazônia 2018/CAPES).

Walter Carlos Costa, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará,

Walter Carlos Costa estudou Filologia Românica (Francês e Espanhol) na Katholieke Universiteit Leuven, Bélgica; tem doutorado sobre as traduções de Jorge Luis Borges para o inglês pela University of Birmingham, Reino Unido, e pós-doutorado pela UFMG. É Professor Titular aposentado do Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras da Universidade Federal de Santa Catarina, onde atua na PGET (Pós-Graduação em Estudos da Tradução). Bolsista do CNPq, pesquisa literatura hispano-americana (sobretudo a obra de Jorge Luis Borges), literatura comparada, estudos da tradução (especialmente a conexão entre literatura traduzida e literatura nacional), literatura fantástica, literatura policial e literatura de viagem. Foi presidente da ABRAPT (Associação Brasileira de Pesquisadores em Tradução) na gestão 2010-2013. É professor na POET (Pós-Graduação em Estudos da Tradução), da Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza.

Referências

Aguiar, J. V. S. “As narrativas dos viajantes e a produção dos povos indígenas”. In: Congresso de Leitura do Brasil. Campinas, 2009, p. 155-163.

Blumczynski, Piotr. Ubiquitous translation. New York: Routledge, 2016.

Buffon, Conde de. Histoire naturelle de l’homme. Ed. Jean Piveteau. Paris: PUF, 1954.

Clastres, Hélène. Primitivismo e ciência do homem no século XVIII. Discurso, nº13,1980, p. 187-208.

Di Biase, Carmine G. (Ed.). Travel and Translation in the Early Modern Period. Amsterdam/New York: Rodopi, 2006.

Gennep, Arnold Van. Religions, moeurs et légendes. Paris: Mercure de France, 1914.

Gomes, Flavio dos Santos. “Migrações, populações indígenas e etno-genese na América Portuguesa (Amazônia Colonial, séc.XVIII)”. Nuevo Mundo-Mundos Nuevos. (2011): 1-21.

Kern, Arno Alvarez (a). Fronteiras culturais, impactos e contatos. Estudos iberoamericanos, 2000.

Kern, Arno Alvarez (b). “Fronteira/fronteiras: conceito polissêmico, realidades complexas. Revista História e Diversidade, v. 8, (2016): 10-14.

La Condamine, C. M. de (a). Relation abrégée d’un voyage dans l’intérieur de l’Amérique méridionale, depuis la côte de la mer du Sud jusqu’aux côtes du Brésil et de la Guiane, en descendant la rivière des Amazones – Lue à l’assemblée publique de l’Académie des Sciences, le 28 avril 1745 - avec une carte du Maragnon ou de la rivière des Amazones, levée para le même. Paris: chez la Veuve Pissot, in-8º, XVI, 216p., 1745.

La Condamine, C. M. de (b). Viagem na América Meridional descendo o rio das Amazonas. Tradução da Comissão do Projeto Coleção o Brasil visto por estrangeiros. Brasília: Senado Federal, 2000. Disponível em: em https:// www2.senado.leg.br/ bdsf/bitstream/handle/id/1045/580837.pd f?sequence=4&isAllowed=y. Acesso em: 20/10/2019.

Marinetti, Cristina. “Cultural Approaches”. In: Gambier, Yves; Doorslaer, Luc van. Handbook of Translation Studies. Vol. 2. Amsterdam/Philadelphia: Routledge, 2011, p. 26-30.

Mcconnell, Anita. “La Condamine’s Scientific Journey down the River Amazon, 1743-1744”. Annals of Science, 48 (1991), 19 p.

Oliveira Filho, João P. “Formas de dominação sobre o indígena na fronteira amazônica: Alto Solimões, de 1650 a 1910”. Cadernos do CRH (UFBA), v. 25, (2012): 17-32.

Pratt, Mary Louise. Imperial eyes: travel writing and transculturation. 2ª ed. New York/Oxon: Routledge, 2008.

Roosevelt, Anna C. “Prehistory of Amazonia”. In: Renfrew, Colin; Bahn, Paul (Ed.). Cambridge World Prehistory. Cambridge, UK: Cambridge University Press (2013).

Sampaio, Patrícia M. M. Espelhos Partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia. 1ª ed. Manaus: EDUA/FAPEAM, 2012.

Speake, Jennifer (Ed.). Literature of travel and exploration – an encyclopedia. Vol. I. London and New York: Routledge, 2013.

Downloads

Publicado

2020-05-19